Lewis Hamilton festejou a 100.ª vitória

Britânico alcançou hoje a 100.ª vitória no Mundial de Fórmula 1, ao vencer o Grande Prémio da Rússia, marcado pela chuva nas voltas finais. O piloto da Mercedes bateu o holandês Max Verstappen (Red Bull), que partiu de último, por 53,289 segundos, e o espanhol Carlos Sainz (Ferrari), por 1m02,475s.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Lewis Hamilton (Mercedes)

Final dramático para Lando Norris (McLaren/Mercedes), em consequência da forte chuvada que caiu a sete voltas do fim, com o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) a ir às “boxes” montar pneus intermédios e “voar” para a histórica 100.ª vitória.

Enquanto isso, o seu adversário deixou escapar a vitória que parecia certa, uma vez que a equipa não optou pela mesma estratégia da Mercedes. Com este triunfo, Lewis Hamilton junta a 100.ª vitória da carreira ao triunfo alcançado na 1000.ª corrida de F1, que teve lugar na China o ano passado.

Apesar das previsões apontarem para o aparecimento da chuva na fase inicial da corrida a verdade é que ela só apareceu no final e por isso os pilotos optaram por arrancar, mesmo os 10 primeiros com pneus médios ou duros, uma vez que a qualificação ter decorrido debaixo de chuva fazia com que não fosse obrigatório arrancar com os pneus usados da Q2.

Carlos Sainz (Ferrari)

O arranque correu particularmente bem ao espanhol Carlos Sainz (Ferrari) que assumiu o comando, impondo-se a Lando Norris, que na primeira travagem, atrasou Lewis Hamilton, que caiu para sexto, atrás ainda do seu compatriota George Russell (Williams/Mercedes), que manteve o terceiro lugar da partida, do canadiano Lance Stroll (Aston Martin/Mercedes) e do australiano Daniel Riccardo (McLaren/Mercedes).

Muito rápido nas rectas, mas menos eficaz nas partes sinuosas, George Russell “travou” o pelotão atrás de si, o que permitiu aos dois primeiros ganharem vantagem significativa logo nas voltas iniciais, com Carlos Sainz a conter os ataques de Lando Norris, que só à 14.ª volta o conseguiu deixar para trás.

Lance Stroll foi o primeiro dos homens da frente a parar, para tentar a ultrapassagem a George Russell, o que fez com sucesso, com Carlos Sainz a proceder de igual modo, o que deixou os dois McLaren na frente com Lewis Hamilton na terceira posição.

Max Verstappen (Red Bull/Honda)

Para evitar ser surpreendida pelo inglês a McLaren fez Daniel Riccardo entrar na “box”, mas a troca de pneus demorou mais tempo do que o habitual e o australiano acabou por ficar atrás de Lewis Hamilton quando este fez a mesma operação.

Quando o espanhol Fernando Alonso (Alpine/Renault) e o mexicano Sergio Perez (Red Bull/Honda) pararam e foram os últimos a fazê-lo, Lando Norris regressou ao comando da corrida, com mais de um segundo de vantagem sobre Lewis Hamilton, o que o colocava ao abrigo do DRS por parte do seu adversário.

A corrida entrou, então, numa fase do jogo do “rato e do gato”, com Lewis Hamilton a aproximar-se Lando Norris a repor a vantagem em mais de um segundo, com o piloto da marca de Woking a parecer lançado para a primeira vitória da carreira e para repetir o feito que o seu colega de equipa, o australiano Daniel Riccardo, tinha alcançado há 15 dias em Monza.

Lando Norris (McLaren/Mercedes)

Só que o forte aguaceiro que caiu a sete voltas do fim baralhou as contas, com quase todos os pilotos a irem às “boxes” montar pneus intermédios, com os primeiros que procederam a essa operação a serem os mais beneficiados.

A Mercedes não hesitou e chamou de imediato Lewis Hamilton às “boxes”, enquanto a McLaren deixou Lando Norris manter-se em pista, num asfalto cada vez mais escorregadio, o que obrigou o piloto a “levantar o pé” e fazer malabarismos para evitar sair da pista.

Contudo, Lando Norris não evitou a saída de estrada, embora sem tocar em nada o que lhe permitiu chegar ao final da corrida, mas a cair para um discreto sétimo lugar.

Relegado para o fim da grelha, por ter trocado, pela quarta vez, de unidade motriz, o neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda) foi um dos heróis do dia e aproveitou o caos verificado nas derradeiras voltas para terminar no lugar intermédio do pódio.

Lewis Hamilton

Uma prestação notável que permitiu reduzir ao mínimo as percas pontuais para Lewis Hamilton, vendo os cinco pontos de avanço, com que partiu para a corrida russa, transformarem-se em dois de atraso, quando a expectativa era bem pior.

O espanhol Carlos Sainz (Ferrari) completou o pódio, à frente de Daniel Riccardo, do finlandês Valttei Bottas (Mercedes), mais um relegado para o final da grelha, mas que recuperou até quinto. Outra façanha que permite à Mercedes passar a usufruir de 33 pontos de avanço sobre a Red Bull, no “Mundial” de Construtores.

Fernando Alonso, que pareceu poder terminar no pódio, foi sexto, à frente de um desapontado Lando Norris, que perdeu uma oportunidade de ouro de inscrever o nome na lista de vencedores de Grandes Prémios, naquele que teria sido um fim-de-semana de glorioso, depois de, no sábado, ter conquistado a primeira “pole position”.

Por seu turno, o finlandês Kimi Raikkonen (Alfa Romeo/Ferrari) – que, uma vez mais, mostrou que quem sabe não esquece –, Sergio Perez e George Rusell terminaram nos derradeiros lugares pontuáveis.

FICHA DA PROVA

Grande Prémio – VTB Russian Grand Prix

Circuito – Sochi Autodrom

Extensão – 309,745 km = 53 x 5,848 km

“Pole position” – Lando Norris (McLaren MCL35/Merceddes, 1 volta (5,848 km), em 1’41,993 (206,414 km/h)

Grelha de partida1.ª linha: Lando Norris (McLaren MCL35/Mercedes), 1’41,993”; Carlos Sainz (Ferrari SF21/Ferrari), 1’42,510”; 2.ª linha: George Russell (Williams FW43B/Mercedes), 1’42,983; Lewis Hamilton (Mercedes W12/Mercedes), 1’44,050”; 3.ª linha: Daniel Riccardo (McLaren MCL35/Mercedes), 1’44,156”; Fernando Alonso (Alpine A521/Renault), 1’44,204”; 4.ª linha: Lance Stroll (Aston Martin AMR21/Mercedes), 1’44,956”: Sérgio Perez (Red Bull/Honda), 1’45,337”; 5.ª linha: Esteban Ocon (Alpine A 521/Renault), 1’45,865”; Sebastian Vettel (Aston Martin AMR21/Mercedes), 1’46,573”; 6.ª linha: Pierre Gasly (Alpha Tauri AT02/Honda), 1’46,641”; Yuki Tsunuda (Alpha Tauri AT02/Honda), 1’46,751”; 7.ª linha: Kimi Raikkonen (Alfa Roneo C41/Ferrari), 1’49,586”; Mick Schumacher (Haas VF-21/Ferrari), 1’49,830”; 8.ª linha: Nikita Mazepin (Haas VF-21/Ferrari), 1’53,764”; Valtteri Bottas (Mercedes W12/Mercedes), 1’44,710”; 9.ª linha: Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo C41/Ferrari), 1’51,023”; Nicholas Latifi (Williams FW43B/Mercedes), sem tempo; 10.ª linha: Charles Leclerc (Ferrari SF21/Ferrari), sem tempo; Max Verstappen (Red Bull RB16B/Honda), sem tempo

Nota – Valtteri Bottas (Mercedes W12/Mercedes), Nicholas Latifi (Williams FW34B/Mercedes), Charles Leclerc (Ferrari SF21/Ferrari) e Max Verstappen (Red Bull RB16B/Honda) foram relegados para o fim da grelha por terem trocado a unidade motriz e António Giovinazzi (Alfa Romeo C41/Ferrari) penalizado em cinco lugares por ter trocado a caixa de velocidades

Comandantes sucessivos – Carlos Sainz, da 1.ª à 12.ª volta; Lando Norris, da 13.ª à 28.ª volta; Sergio Perez, da 29.ª à 36.ª volta; Lando Norris, da 37.ª à 50.ª volta; Lewis Hamilton, da 51.ª à 53.ª volta

Volta mais rápida – Lando Norris (McLaren MCL35/Mercedes), 1 volta (5,848 km), em 1’37,423” (216,096 km/h)

Vencedor – Lewis Hamilton (Mercedes W12/Mercedes), 53 voltas (309,745 km), em 1.30’41,001” (204,940 km/h)

CLASSIFICAÇÃO

POS. PILOTO CARRO MOTOR TEMPO
1.º Lewis Hamilton Mercedes W12 Mercedes 1.30’41,001″
2.º Max Verstappen Red Bull 16B Honda a 53,271″
3.º Carlos Sainz Ferrari SF21 Ferrari a 1’02,475″
4.º Daniel Ricciardo McLaren MCL35 Mercedes a 1’05,607″
5.º Valtteri Bottas Mercedes W12 Mercedes a 1’07,533″
6.º Fernando Alonso Alpine A521 Renault a 1’21,321″
7.º Lando Norris McLaren MCL35 Mercedes a 1’27,224″
8.º Kimi Raikkonen Alfa Romeo C41 Ferrari a 1’28,955″
9.º Sergio Perez Red Bull 16B Honda a 1’30,976″
10.º George Russell Williams FW43 B Mercedes a 1’40,551″
11.º Lance Stroll Aston Martin AMR21 Mercedes a 1’46,198″
12.º Sebastian Vettel Aston Martin AMR21 Mercedes a 1 volta
13.º Pierre Gasly Alpha Tauri AT02 Honda a 1 volta
14.º Esteban Ocon Alpine A521 Renault a 1 volta
15.º Charles Leclerc Ferrari SF21 Ferrari a 1 volta
16.º Antonio Giovinazzi Alfa Romeo C41 Ferrari a 1 volta
17.º Yuki Tsunoda Alpha Tauri AT02 Honda a 1 volta
18.º Nikita Mazepin Haas VF-21 Ferrari a 2 voltas

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º, Lewis Hamilton, 246,5 pontos; 2.º, Max Verstappen, 244,5; 3.º, Valtteri Bottas, 151; 4.º, Lando Norris, 139; 5.º Sérgio Perez, 120; 6.º, Carlos Sainz, 112,5; 7.º, Charles Leclerc, 104; 8.º, Daniel Ricciardo, 95; 9.º, Pierre Gasly, 66; 10.º, Fernando Alonso, 58; 11.º, Esteban Ocon, 45; 12.º, Sebastian Vettel, 35; 13.º, Lance Stroll, 24; 14.º, Yuki Tsunoda, 18; 15.º, George Russell, 16; 16.º, Nicholas Latifi, 7; 17.º, Kimi Raikkonen, 6; 18.º, Antonio Giovinazzi, 1;

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 397,5 pontos; 2.º, Red Bull Racing Honda, 364,5; 3.º, McLaren F1 Team, 234; 4.º, Scuderia Ferrari Mission Winnow, 216,5; 5.º, Alpine Renault, 103; 6.º, Scuderia Alpha Tauri Honda, 84; 7.º, Aston Martin Cognizant F1 Team, 59; 8.º, Williams Mercedes, 23; 9.º, Alfa Romeo Racing Ferrari, 7

Próxima prova – Rolex Turkish Grand Prix, dia 10 de Outubro, no Intercity Istanbul Park.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *