Jorge Gonzaga assina segunda vitória consecutiva

Num dia que de Verão teve absolutamente nada, os pilotos do Campeonato de Portugal de Kartcross by Diatosta viram as condições climatéricas fazerem das suas.

(auto.look2010@gmail.com)

O início desta manhã de domingo trouxe consigo o mau tempo, com a chuva e nebulosidade a assumirem papel preponderante ao longo de toda a jornada. De tal forma que, após a terceira corrida de qualificação, a ordenação dos pilotos era bem diferente que aquela com que se tinha terminado o dia de sábado.

Os líderes Santinho Mendes e Pedro Rosário caíram várias posições na geral, mas a derradeira qualificação acabou por repor um pouco a ordem, com o piloto de Abrantes a regressar à primeira posição e o de Coimbra a assumir o quarto posto, isto enquanto Jorge Gonzaga subir uma posição para ir para as meias-finais em segundo e Tiago Freitas a chamar a si o terceiro lugar depois de algum sobe e desce.

As meias-finais, e apesar do estado da pista estar por essa altura já bem complicado, não trouxeram surpresas de maior. Santinho Mendes revelou-se o mais forte no primeiro embate, isto depois de um arranque menos positivo, enquanto na segunda corrida de apuramento para a Final foi o campeão Jorge Gonzaga quem se impôs a liderar desde a partida. Um ritmo forte que lhe garantiu a “pole position” para a corrida decisiva.

Ainda assim, Jorge Gonzaga não teve uma prova 100% tranquila já que se viu batido por Mauro Reis no arranque, que se colocou em posição de vantagem para chegar na frente do pelotão à Curva 1. Contudo, o ritmo revelou-se demasiado forte e o piloto acabou por abrir muito a trajectória, o que deixou caminho livre a Gonzaga para rodar rumo à segunda vitória consecutiva. Um triunfo que nem mesmo a ida à obrigatória Joker Lap colocou em causa, graças à vantagem que tinha assegurado até então.

Com a liderança já decidida, a segunda posição acabou por ficar nas mãos do líder do Campeonato de Portugal de Kartcross by Diatosta, Alexandre Borges, enquanto o mais baixo do pódio foi rubricado por Tiago Freitas.

Já Santinho Mendes, que largou de segundo depois de se ter destacado nas corridas de qualificação e também na sua meia-final, teve um derradeiro embate para esquecer. A confusão à abordagem à primeira curva e uma largada menos conseguida ditou a queda no pelotão.

O recém-formado piloto de aviação civil ainda recuperou algum terreno, mas depois viu também o motor do seu Semog Bravo começar a fumegar, o que não lhe permitiu ir além de quinto, isto apesar de ter concluído a cerca de quatro décimos de segundo do quarto posto de Luís Almeida e já com o sol a querer dar um ar da sua graça antes da viagem de pilotos e máquinas rumo a um merecido mês de férias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *