João Monteiro “torneou” azares e venceu 2RM em Serpa

Piloto alentejano radicado em Portimão e o jovem navegador Gonçalo Assunção deram um passo gigante para alcançar o tão desejado título da categoria no Campeonato Sul de Ralis, ao triunfar a prova da Secção de Motorismo da Sociedade Artística Reguenguense.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

«Foi um rali muito atribulado. Aconteceu-nos um pouco de tudo, mas no meio de tanto azar, também tivemos muita sorte. Primeiro foi um braço do Toyota Corolla GT 2.0 torcido, afectando a roda direccional que deixou de ter a sua função», começou por afirmar João Monteiro. Mas com um azar nunca vem só, o piloto JParreira – Auto Eléctrica, navegado pelo jovem Gonçalo Assunção, viu ainda o seu esforço a esfumar-se na classificação, «tudo por causa de uma forte saída de estrada que nos fez perder, pelo menos, 30 segundos», na primeira passagem pela especial do segundo dia do Rali Flor do Alentejo/Cidade de Serpa, na distância de 13,2 km.

Além da dureza das especiais a que João Monteiro e Gonçalo Assunção estiveram submetidos numa viatura de 2RM, madrasta para muitas equipas, a formação portimonense acabou por ter «muita sorte, sobretudo por conseguirmos retirar a viatura e regressar à estrada».

Como a sorte também se constrói mas, para isso, é preciso lutar para que ela possa surgir quando menos esperamos, João Monteiro mostrou as qualidades ao volante e evidenciou o seu inequívoco “fair-play”, ao deixar uma palavra de conforto a Alexandre Ferreira pela cedência da transmissão do Peugeot 309 quando liderava a prova.

«Obviamente que estamos felizes por mais um triunfo nas 2RM, mas também quero exteriorizar um gesto de amizade e uma palavra de ânimo para com Alexandre Ferreira, com quem tivemos uma luta saudável e animada pela melhor posição», proferiu João Monteiro para com o piloto conimbricense que faz equipa com Paulo Amorim.

Recorde-se que Alexandre Ferreira e Paulo Amorim abandonou na penúltima especial com a transmissão partida na viatura francesa da marca do “leão e quando liderava as 2RM. Idêntico desfecho foi protagonizado pelo também conimbricense Paulo Correia, navegado por Filipe Oliveira (Renault Twingo R2), que abdicou da prova quando se encontrava na liderança das 2RM e Desafio Kumho da Divisão 2. Também Rui Mendes “Ratinho” e Bruno Pedrosa, em Toyota Corolla GT 2.0, tiveram uma viagem inglória a Serpa, seguindo os mesmos passos de Alexandre Ferreira e “Ratinho”.

«Foram três inglórios abandonos que lamentamos. As três equipas mostraram enorme dose de competitividade, francas na abordagem das especiais e com comportamentos sadios que, por si só, só dignifica o desporto automóvel e os ralis em particular», destacou João Monteiro.

Por outro lado, os azares que marcaram a prestação da dupla JParreira – Auto Eléctrica poderiam ter reflexos nefastos, mas fruto de alguma sorte e muita sapiência, o desfecho acabou por lhe sorrir.

«Como já tive a oportunidade de referir, no meio do azar tivemos sorte. Mas quem saiu triunfante do Rali Flor do Alentejo/Cidade de Serpa foi, sem margem para dúvida, a nossa equipa de assistência. Todos, sem excepção, estiveram em grande plano, mas o Diogo Costa foi um profissional de grande calibre, nunca deitou a toada ao chão, incentivou os restantes elementos e a nós próprios que era possível tornear o problema do braço torcido e a roda direccional. Estamos gratos pelo esforço e abnegação da equipa de assistência na resolução do enigma», referiu João Monteiro que, juntamente com o jovem Gonçalo Assunção, deu um passo gigante para alcançar o tão desejado título da categoria 2RM do Campeonato Sul de Ralis.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação