Joan Mir sagrou-se campeão em Valência

O espanhol sagrou-se campeão mundial de MotoGP pela primeira vez na sua carreira, numa corrida em que o português Miguel Oliveira, chegou a rodar na quarta posição, terminou na sexta posição.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Uma semana depois de ter vencido pela primeira vez uma corrida de MotoGP, esta temporada, o espanhol Joan Mir (Suzuki) conquista o primeiro título mundial de MotoGP, sucedendo ao seu compatriota Marc Marquez, este ano, impedido de defender o ceptro, em consequência de uma violenta queda, na prova de abertura, que já obrigou a duas operações, sendo admissível que haja uma terceira intervenção no ombro direito do piloto.

 

No final da corrida, que terminou em sétimo, Joan Mir não escondia a emoção ao reconhecer que «não tenho palavras para descrever o que sinto, porque tenho uma mistura de emoções, que faz com que não consiga rir ou chorar, mas tinha a consciência que hoje podia ser um dia muito importante para mim«».

E foi para o espanhol e para a Suzuki que volta a ter um campeão mundial, 20 anos depois do título do americano Kenny Roberts. Na corrida que fechava o programa valenciano, os três primeiros da grelha, o italiano Franco Morbidelli (Yamaha), o australiano Jack Miller (Ducati) e o espanhol Pol Espargaro (KTM) mantiveram as posições relativas ao longo das 27 voltas, com o australiano a conseguir, na última volta, ultrapassar o italiano, mas este respondeu e garantiu o triunfo.

Décimo na grelha de partida, o português Miguel Oliveira (KTM) fez um bom arranque, que o colocou, de imediato, no quinto lugar, chegou a subir ao quarto posto, após ultrapassagem ao japonês Takaaki Nakagami (Honda), mas acabaria por perder duas posições, para terminar em sexto, um lugar atrás do que havia alcançado a semana passada.

A corrida de Moto2 foi dominada pelo italiano Marco Bezzecchi (Kalex) que chegou a dar a sensação de ter a vitória assegurada, mas, não resistiu, na derradeira volta, ao ataque dos espanhóis Jorge Martin (Kalex) e Hector Garzo (Kalex), que o relegaram para o derradeiro lugar do pódio, depois do italiano Fabio Di Giannantonio ser durante muito tempo o mais directo perseguidor do seu compatriota.

Fabio Di Giannantonio chegou a ultrapassar Marco Bezzecchi e a assumir o comando, mas, uma queda permitiu ao seu adversário regressar ao primeiro lugar, para não aguentar a pressão, daqueles que o passaram a perseguir e terminar em terceiro.

Para o Algarve fica a decisão do título, com o italiano Enea Bastianini (Kalex) e o inglês Sam Lowes (Kalex) a chegarem a Portimão separados por 14 pontos, com os italianos Luca Marini (Kalex) e Marco Bezzecchi (Kalex) a terem hipóteses aritméticas de conquistarem o ceptro.

O italiano Tony Arbolino (Honda) venceu a corrida de Moto3 e como consequência manteve-se na corrida pelo título, que será discutido entre ele, o espanhol Albert Arenas (KTM) e o japonês Ai Ogura (Honda), com o espanhol a entrar para a derradeira corrida com oito pontos de avanço sobre o japonês e 11 sobre o italiano.

O espanhol Raul Fernandez (KTM) comandou grande parte da corrida, mas Tony Arbolino sabendo que só a vitória lhe interessava para pode continuar na luta pelo título conseguiu, na fase final da corrida, superar o espanhol e somar o terceiro triunfo do ano, à frente de outro espanhol, Sergio Garcia (Honda), que também conseguiu superar Raul Fernandez, que teve de contentar-se com o derradeiro lugar do pódio.

CLASSIFICAÇÕES

MotoGP – 1.º, Franco Morbidelli (Yamaha), 27 voltas (108,135 km), em 41’22,478” (156,8 km/h); 2.º, Jack Miller (Ducati), a 0,093”; 3.º, Pol Espargaro (KTM), a 3,006”; 4.º, Alex Rins (Suzuki), a 3,697”; 5.º, Brad Binder (KTM), a 4,127”; 6.º, Miguel Oliveira (KTM), a 7,272”; 8.º, Joan Mir (Suzuki), a 8,703”; 9.º, Andrea Dovizioso (Ducati), a 8,729”; 10.º, Maverick Viñales (Yamaha), 19,043”. Classificaram-se mais oito pilotos

Moto2 – 1.º, Jorge Martin (Kalex), 25 voltas (100,125 km), em 40’02,225” (150,0 km/h); 2.º, Hector Garzo (Kalex), a 0,072”; 3.º, Marco Bezzecchi (Kalex), a 0,204”; 4.º, Marcel Schrotter (Kalex), a 0,689”; 5.º, Luca Marini (Kalex), a 0,812”; 6.º, Enea Bastianini (Kalex), a 2,329”; 7.º, Remy Gardner (Kalex), a 8,793”; 8.º, Bo Bendsneyder (NTS), a 9,720”; 9.º, Nicolò Bulega (Kalex), a 11,596”; 10.º, Lorenzo Baldassarri (Kalex), a 11,836”. Classificaram-se mais 11 pilotos

Moto3 – 1.º, Tony Arbolino (Honda), 23 voltas (92,155 km), em 38’17,462” (144,3 km/h); 2.º, Sérgio Garcia (Honda), a 1,142”; 3.º, Raul Fernandez (KTM), a 1,297”; 4.º, Alberto Arenas (KTM), a 2,825”; 5.º, Darryn Binder (KTM), a 2,999”; 6.º, Deniz Oncu (KTM), a 3,208”; 7.º, Andrea Migno (KTM), a 9,836”; 8.º, Ai Ogura (Honda), a 9,852”; 9.º, Juame Masia (Honda), a 9,864”; 10.º, Jeremy Alcoba (Honda), a 12,802”. Classificaram-se mais 14 pilotos

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS

MotoGP – 1.º, Joan Mir, 171 pontos; 2.º, Fábio Quartararo, 142; 3.º, Alex Rins, 138; 4.º, Maverick Viñales, 127; 5.º, Franco Morbidelli, 125; 6.º, Andrea Dovisioso, 125; 6.º, Pol Espargaro, 122; 8.º, Jack Miller, 112; 9.º, Takaaki Nakagami, 105; 10.º, Miguel Oliveira, 100. Estão classificados mais 13 pilotos

Moto2 – 1.º, Enea Bastianini, 194 pontos; 2.º, Sam Lowes, 180; 3.º, Luca Marini, 176; 4.º, Mauro Bezzecchi, 171; 5.º, Jorge Martin, 150; 6.º, Remy Gardner, 110; 7.º, Tetsuta Nagashima, 89; 8.º, Joe Roberts, 85; 9.º, Marcel Schrotter, 77; 10.º, Xavi Vierge, 73. Estão classificados mais 18 pilotos

Moto3 – 1.º, Albert Arenas, 170 pontos; 2.º, Ai Ogura, 162; 3.º, Tony Arbolino, 159; 4.º, Jaume Masia, 140; 5.º, Celestino Vietti, 137; 6.º, Raul Fernandez, 134; 7.º, John McPhee, 124; 8.º, Darryn Binder, 112; 9.º, Tatsuki Suzuki, 83; 10.º, Gabriel Rodrigo, 80. Estão classificados mais 15 pilotos

MARCAS

Moto GP – 1.º, Suzuki, 201 pontos; 2.º, Ducati, 201; 3.º, Yamaha, 188; 4.º, KTM, 175; 5º, Honda, 133; 6.º, Aprilia, 43

Moto2 – 1.º Kalex, 350 pontos; 2.º, Speed Up, 117; 3.º, MV Agusta, 32; 4.º, NTS, 19

Moto3 – 1.º, Honda, 306 pontos; 2.º, KTM, 293; 3.º, Husqvarna, 86

EQUIPAS

MotoGP – 1.º, Team Suzuki Ecstar, 309 pontos; 2.º Petronas Yamaha SRT, 250; 3.º, Red Bull KTM Factory Racing, 209; 4.º, Ducati Team, 203; 5.º, Monster Energy Yamaha MotoGP, 169; 6.º, Pramac Racing, 163; 7.º LCR Honda, 134; .º, Red Bull KTM Tech3, 127; 9.º, Repsol Honda Team, 85; 10.º, Esponsorama Racing, 81; 11.º, Aprilia Racing Team Gresini, 46.

Moto2 – 1.º, Sky Racing Team VR46, 347 pontos; 2.º, EG 0,0 Marc VDS, 243; 3.º, Red Bull KTM Ajo, 239; 4.º, Italtrans Racing Team, 199; 5.º Liqui Moly Intact GP, 149; 6.º, Flexbox HP 81, 127; 7.º, MB Conveyors Speed Up, 123; 8.º, Petronas Sprinta Racing, 117; 9.º, Tennor American Racing, 117; 10.º, Onexox TKKR SAG Team, 110; 11.º, Inde Aspar Team Moto2, 87; 12.º, Federal Oil Gresini Moto2, 37; 13.º, MV Agusta Forword Racing, 36; 14.º, NTS RW Racing GP, 19; 15.º, Idemitsu Honda Team Asia, 10.

Moto3 – 1.º, Leopard Racing, 209 pontos; 2.º, Gaviota Aspar Team Moto3, 207; 3.º, Sky Racing Team VR46, 197; 4.º, Rivacold Snipers Team, 189; 5.º, Red Bull KTM Ajo, 174; 6.º, Honda Team Ásia, 162; 7.º, Kommerling Gresini Moto3, 151; 8.º, Petronas Sprinta Racing, 124; 9.º, SIC58 Squadra Corse, 119; 10.º, CIP Green Power, 112; 11.º, Sterilgarda Max Racing Team, 98; 12.º, Red Bull KTM Tech 3, 93; 13.º, Estrella Galicia 0,0, 91; 14.º Reale Avintia Moto3, 24; 15.º, Boe Skull Rider Facile Energy, 10

Próxima prova – Grande Prémio MEO de Portugal, dia 22 de Novembro, no Autódromo Internacional do Algarve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: