Jean-Eric Vergne vence na estreia do DS Techeetah

O piloto português António Félix da Costa (DS Techeetah) desistiu hoje na primeira de duas corridas deste fim-de-semana do Mundial de Fórmula E, para carros eléctricos, que se disputam em Roma.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Jean-Eric Vergne satisfeito com a vitória

Com uma estratégia perfeita, no que diz respeito à passagem pelo ”Attack Mode”, o francês Jean-Eric Vergne venceu a primeira corrida do fim-de-semana, nas ruas de Roma, na estreia da nova “arma” da DS Techeetah, que confirmou as expectativas da equipa.

O facto do asfalto estar húmido, como consequência dos pingos de chuva que caíram antes do início da corrida, levou a direcção da corrida a optar por dar a partida atrás do “Safety Car”, que saiu da pista à terceira volta, altura em que a corrida “começou”, com o holandês Stoffel Vandoorne (Mercedes), que largou da primeira posição a conter os ataques do alemão André Lotterer (Porsche), apostado em chegar ao primeiro lugar.

A vontade do alemão foi de tal ordem que, na tentativa de chegar ao comando, “travou” na traseira do carro do holandês, com os dois a perderem várias posições, mais ao piloto da Mercedes do que o da Porsche, com o inglês Oliver Rowland (Nissan), terceiro no momento do arranque, a aproveitar para ascender ao comando.

Jean-Eric Vergne rega o triunfo com champanhe

Só que o inglês foi penalizado, com uma passagem pela via das boxes, por uso excessivo de energia, e o brasileiro Lucas Di Grassi (Audi) quarto no momento do arranque, assumiu o comando, à frente do futuro vencedor.

Com o grupo da frente muito unido a ida ao “Attack Mode” implicava a perda de vários lugares, mas Jean-Eric Vergne ao ser o primeiro a fazê-lo minimizou os estragos e na segunda passagem pelo local, que implicava uma trajectória bem mais larga, com a consequente perda de tempo, ascendeu ao primeiro lugar.

 

Sam Bird conduziu o Jaguar ao segundo lugar

Só que Lucas Di Grassi não baixou os braços, conseguiu ultrapassar o francês, que estava a poupar energia, para atacar na parte final, mas a cinco minutos do fim, o Audi perdeu potência, o brasileiro reduziu o andamento e o francês “voou” para a vitória, à frente do inglês Sam Bird (Jaguar), que ascendeu ao comando do campeonato, e do neo-zelandês Mitch Evans (Jaguar), com a Jaguar a cimentar a posição de comandante do campeonato de equipas.

A corrida acabaria, tal como tinha começado”, com os sobreviventes atrás do “Safety Car”, depois de Stoffel Vandoorne, na tentativa de evitar o Audi de Lucas Di Grassi, que rodava devagar, ter batido no muro e ser “apanhado” pelo holandês Nick de Vries (Mercedes), seu colega de equipa.

António Félix da Costa abandonou com o DS Techeetah

O português António Félix da Costa (DS Techeetah) começou bem, recuperou do 18.º lugar da grelha até ao 10.º, mas um furo lento levou-o a recolher às “boxes”, a menos de 10 minutos do final da corrida, tendo descido para nono do campeonato.

«Foi um daqueles dias em que estava no sítio errado à hora errada. Já nos treinos livres estava constantemente a ver bandeiras vermelhas e amarelas e nunca consegui entrar no ritmo e fazer três ou quatro voltas seguidas. Na qualificação, vinha a fazer uma boa volta, mas, num erro meu, toquei no muro e acabei por danificar o carro e o final da volta foi comprometido. Acabei por largar de 18.º lugar para a corrida», começou por dizer o piloto português.

O piloto da DS lamentou o desfecho inglório, que lhe roubou a possibilidade de «marcar alguns pontos, o que era bom».  Mas… amanhã há mais.

Com estes resultados, Sam Bird lidera, após três corridas disputadas, com 43 pontos, com o holandês Robin Frijns (Virgin) em segundo, com 34. António Félix da Costa é nono, com 15.

CLASSIFICAÇÕES

Corrida – 1.º, Jean-Eric Vergne (DS), 48’47,177”; 2.º, Sam Bird (Jaguar), a 0,461””; 3.º, Mitch Evans (Jaguar), a 0,756”; 4.º, Robin Frijns (Virgin), a 1,034”; 5.º, Sébastien Buemi (Nissan), a 3,142”; 6.º, René Rast (Audi), a 3’534”; 7.º, Pascal Wehrlein (Porsche), a 3’918”; 8.º, Alex Lynn (Mahindra), a 5,720”; 9.º, Max Gunther (BMW), a 18,296”; 10.º, Nick Cassidy (Virgin), a 18,763”. Classificaram-se mais seis pilotos

Campeonato

Pilotos – 1.º, Sam Bird, 43 pontos; 2.º, Robin Frijns, 34; 3.º, Nyck De Vries, 32; 4.º, Mitch Evans, 31; 5.º, Jean-Eric Vergne, 25; 6.º, René Rats, 21; 7.º, Edoardo Mortara, 18; 8.º, Pascal Wehrlein, 17; 9.º, António Félix da Costa, 15; 10.º, Oliver Rowland, 15; 11.º, Sérgio Sette Câmara, 12; 12.º, Nico Muller, 10; 13.º, Sébastien Buemi, 10; 14.º, Oliver Turvey, 9; 15.º, Stoffel Vandoorne, 7; 16.º, Alexander Sims, 6; 17.º, Lucas Di Grassi, 6; 18.º, Alex Lynn, 4; 19.º, Max Gunther, 2 ; 20.º, Nick Cassidy, 1.

Equipas – 1.º, Jaguar Racing, 74 pontos; 2.º DS Techeetah, 40; 3.º, Mercedes-EQ Formula E Team, 39; 4.º, Envision Virgin Racing, 35; 5.º, Audi Sport ABT Schaeffler, 27; 6.º, Nissan e-Dams, 25; 7.º, Dragon/Penske Autosport, 22; 8.º, Rokti Venturi Racing, 18; 9.º, TAG Heuer Porsche Formula E Team, 17; 10.º, Mahindra Racing, 10; 11.º, Nio 333 FE Team, 9

Próxima prova – Roma, a 11 de Abril.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *