Iberian Historic Endurante com estreia em cheio

Quatro dezenas de belos exemplares de veículos históricos embelezaram Autódromo Internacional de Portimão, com Carlos Barbot (Merlyn MK4), a obter a “pole position” disputada à decima de segundo. Martinez-Fuster vencem prova inaugural de 2021.

(auto.look2010@gmail.com)

Debaixo de um sol esplendoroso em Portimão, os 40 carros do Iberian Historic Endurance receberam a primeira bandeira verde do ano 2021. Uma grelha invejável enfrentou cada subida e descida do traçado algarvio. Disputadas todas as curvas e chegando ao fim os 40 minutos da sessão de qualificação foi Carlos Barbot, no seu sempre eficaz Merlyn MK4, o autor da volta mais rápida.

No entanto não foi tarefa fácil para o piloto vindo do Porto, pois até aos últimos 10 minutos da sessão eram cinco carros dentro do mesmo segundo. O que só demonstrava uma coisa: para a primeira corrida o espectáculo estava garantido!

Miguel Ferreira e Francisco Carvalho foram os mais velozes a percorrer os quase 5 km na pista de Portimão no que toca à categoria H71. Na H65 os potentes motores dos exemplares americanos ocuparam as posições cimeiras. Com a equipa suíça Burgol Racing a preparar os seus exemplares da melhor forma possível. Com uma preparação eximia as duplas Neurrisse- Rouchaud , Fischer-Monay e Demole – Monay apenas se tiveram de preocupar em procurar a volta perfeita.

No Gentleman Driver Spirit (GDS) os Ford Cortina Lotus do pai e filho Gama Rocha e Sousa Ribeiro ocuparam as primeiras duas posições seguidos de um Porsche 911 SWB de Nuno Nunes e José Carvalhosa

O relógio caminhava para as 17h00 quando as luzes do semáforo se apagaram e o rugido dos motores do pelotão do Iberian Historic Endurance se fez ecoar pelas vazias bancadas do Autódromo de Portimão. Estava oficialmente inaugurada a temporada do Historic Endurance.

Carlos Barbot largou bem mas ao seu encalço seguiram-se dois Porsches: a dupla Martinez-Fuster logo seguidos de perto por Vaz/Soares. Miguel Lobo, que neste evento foi o único na categoria H-INV, teve problemas logo na volta de apresentação e caiu para o fundo da extensa grelha. Quem não teve início fácil foi Bastos Rezende, que decidiu não alinhar com o seu De Tomaso Pantera e em vez do elegante carro italiano alinhou com um potente Porsche 911 3.0 RS o que significou que teria de partir de último.

Os bólides americanos, Shelby Cobra 289 e Cobra Daytona, tripulados pelos simpáticos Neurrisse – Rochaud  e Fischer – Monnay, não ficaram intimidados com a sua estreia em Portimão e arrancaram igualmente bem.

As primeiras voltas numa corrida de 50 min pouco influenciam o resultado final e nesta primeira prova não foi diferente. Com uma paragem obrigatória entre os 20 e os 30 minutos, as contas foram todas baralhadas. Todas as categorias tiveram diversos líderes.

Na categoria GDS, a dupla familiar composta por pai e filho teve uma estreia memorável, Luís Gama Rocha e Diogo Gama Rocha contornaram as 16 curvas do traçado ao volante do icónico Ford Cortina Lotus e venceram. Os Germânicos Oldendorff e Hichert no charmoso Alfa Romeo GTA até ao segundo degrau do pódio mas logo no seu encalço seguiu Nuno Nunes com seu Porsche 911 SWB a fundo.

Em H1965, 3 participantes lideraram, todos modelos americanos mas a vitória acabou por sorrir à dupla Fischer – Monnay, seguidos por Demole – Monnay e a subir ao lugar mais baixo do pódio Neurrisse – Rouchaud.

Em H1971 quem liderou quase toda a corrida foi o Ford Escort RS 1600 de Miguel Ferreira e Francisco Carvalho, no entanto o carro britânico não aguentou o calor extremo vindo dos travões e do asfalto e acabou por ceder. No entanto quem não teve desafios acrescidos e cruzou a meta no primeiro lugar foi Domingos Sousa Coutinho e Ricardo Pereira, a dupla assistida pela RP Motorsport em BMW 2800 CS venceu e convenceu.

A fazer companhia para levantar as belas taças graciosamente oferecidas pela Gupe, subiram ao pódio Piero dal Maso e José Carvalhosa que à semelhança dos terceiros classificados, Garcia-Garcia conduziram um Porsche 2.5 ST.

Os três primeiros a cruzar a linha de chegada tinham muito em comum, o carro e a categoria. Foram 3 Porsche 911 3.0 RS em H76 a saborearem o espumante. Alfredo Martinez e Jesus Fuster atravessaram a fronteira e subiram ao lugar mais alto do pódio. Tal como foi referido anteriormente, não é como se começa mas sim como se acaba e com uma recuperação, no mínimo adjectivada como, incrível Pedro Bastos Rezende utilizou toda a sua experiência e conhecimento do traçado para subir ao lugar intermédio do pódio.

A finalizar este belíssimo podium surge a animada e carismática dupla Carlos Brízido e João Pina Cardoso que conduziram o famoso Porsche com a decoração Doutor Bayard até ao terceiro lugar da sua categoria.

A 7 minutos do final, devido à presença de óleo na pista, a direcção de corrida decidiu por razões de segurança, terminar prematuramente a corrida de estreia em 2021.

Para este domingo, a segunda corrida, às 12h35, em que os diversos exemplares clássicos terão pela frente mais um desafio de 50 minutos onde a única incerteza é a meteorologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *