Hołowczyc vence Portalegre 500 pela terceira vez

O polaco Krzysztof Hołowczyc (Míni) venceu este sábado, pela terceira vez, a Baja de Portalegre, a mais emblemática prova nacional de todo-o-terreno, na categoria de automóveis.

(auto.look2021@gmail.com) – Fotos: PAULO MARIA / ACP

Krzysztof Hołowczyc (Míni)

O antigo campeão europeu de ralis deu-se melhor nos pisos enlameados do Alto Alentejo, terminando com o tempo de 5h09m44,7s, batendo o português Tiago Reis (Toyota Hilux), que foi segundo classificado, por 1m14,6s. O brasileiro Lucas Moraes (Toyota Hilux) foi terceiro, a 7m33,6s do vencedor.

«É a minha terceira vitória em três participações e isso deixa-me muito satisfeito. Gosto deste rali, com as suas pistas especiais e muito técnicas», disse o polaco, que, com este resultado, conquistou a Taça da Europa de Bajas, enquanto Yazeed Al Rajhi (Toyota Hilux) garantiu o triunfo na Taça do Mundo FIA de Bajas Cross-Country, ao ser 10.º classificado, a 16m17,7s do vencedor.

O segundo lugar permitiu ao português Tiago Reis (Toyota Hilux), já virtual campeão nacional antes desta jornada, garantir o terceiro lugar na Taça da Europa.

«Se não fosse uma manhã muito difícil, sempre a abrir a pista, durante 70 dos quase 150 quilómetros, poderíamos ter tido hipótese de discutir a vitória até ao fim. Mas, as corridas são mesmo assim e ficamos muito satisfeitos com o resultado», sublinhou, no final.

Em tempo de regresso, Miguel Barbosa (Toyota Hilux) foi o quarto classificado, com o oito vezes campeão nacional de todo-o-terreno a poder queixar-se de um furo, enquanto o brasileiro Cristian Baumgart (Toyota Hilux) fechou o quinteto da frente.

Ainda entre os automóveis, destaque para os irmãos portugueses Alexandre Ré/Pedro Ré, que depois da conquista da Taça da Europa, asseguraram também a vitória na Taça do Mundo FIA de Bajas Cross-Country, na Categoria T4.

«Foi uma época fantástica, claro. Estamos muito satisfeitos e Portalegre voltou a ser Portalegre. Com chuva, mas não demasiada e assim é que tem de ser Portalegre», disseram.

António Maio (Yamaha)

SÉTIMA VITÓRIA DE ANTÓNIO MAIO NAS MOTOS

Nas motos, vitória de António Maio (Yamaha WR450) que, com sete sucessos, torna-se o piloto mais bem-sucedido da Baja Portalegre 500 nas duas rodas.

«Sair de Portalegre com uma vitória é sempre bom. Ser o piloto mais vitorioso nas motos era um dos objectivos desta prova e da carreira. Já o perseguia há algum tempo e sabia que acabaria por se concretizar. Foi um final bastante intenso, mas graças à vantagem que ganhei na manhã de hoje (sábado), pude fazer a gestão correta na última parte», afirmou o piloto.

Gustavo Gaudêncio (Honda CRF450RX) foi o segundo classificado, um resultado que lhe permite manter-se na luta pelo título do Campeonato Nacional, enquanto o jovem André Sérgio (Yamaha WRF), apesar de duas quedas, assegurou o derradeiro lugar do pódio, confirmando que há que contar com ele na luta pela vitória das próximas edições.

Pedro Bianchi Prata (Honda)

Com boas recuperações durante a segunda etapa, o francês Neels Theric (KTM 450 EXC-F) e Salvador Vargas (Husqvarna FX) fecharam o grupo dos cinco primeiros classificados.

Luís Oliveira (o mais rápido da Especial de Qualificação) e Sebastian Bühler (que dominou o SS2), foram obrigados a desistir na segunda etapa. O português com problemas mecânicos e o luso alemão (vencedor das três últimas edições da Baja Portalegre 500) com danos na moto resultantes de uma queda.

Uma referência, ainda, para a conquista da Taça do Mundo, na categoria de “Veteranos”, por Pedro Bianchi Prata, apesar de ter alinhado com duas costelas partidas.

Luís Fernandes (Yamaha)

VITÓRIA DE LUÍS FERNANDES NOS QUADS

Entre os quads, os dois candidatos ao título protagonizaram um interessante duelo pela vitória da Baja Portalegre 500, mas com Luís Fernandes a impor-se, claramente, a Luís Engeitado (ambos em Yamaha YFZ450R) durante o dia de sábado.

O vencedor, que se estreou a vencer na Baja Portalegre 500, afirmou: «É fantástico ter ganho, com este ambiente, público e concorrência e só posso dizer que gostei imenso».

Flávio Gonçalves (Yamaha 450 YFZ) terminou no derradeiro lugar do pódio, enquanto Filipe Martins (Yamaha YFZ450R) e Cláudio Fernandes (Yamaha YFZ450R) encerraram o grupo dos cinco primeiros.

Gonçalo Guerreiro (Can Am)

JOVEM GONÇALO GUERREIRO VENCE NOS SSV

Entre os espetaculares SSV, Gonçalo Guerreiro (Can Am) foi o quinto vencedor diferente em outras tantas edições em que a categoria tem esse estatuto. À chegada, o piloto de 21 anos não conseguiu conter a emoção, sublinhando entre lágrimas: «Estou muito satisfeito, dei o máximo que podia e agradeço à equipa toda a confiança e apoio».

Na segunda posição, com uma desvantagem de apenas 42,2 segundos, Alexandre Pinto (Can Am) pode lamentar-se de um furo que o impediu de um hipotético sucesso. Na estreia nos SSV, Armindo Araújo (Can Am), foi um dos protagonistas da categoria e nem alguns problemas de travões impediram o seis vezes campeão nacional de ralis de assegurar o último lugar do pódio. Ricardo Domingues (Can Am) foi o quarto classificado, precedendo o vencedor da edição do ano passado, João Dias (Can Am).

VITÓRIA DE LUÍS RODRIGUES NA CATEGORIA HOBBY & PROMO

Depois da vitória de Luís Rodrigues na Especial de Qualificação, foi Raúl Carvalho (KTM 350) que impos a sua lei nos 197,77km do percurso de sábado. Emanuel Léo (Kawasaki KX250F) terminou no lugar intermédio do pódio, com escassos cinco décimos de segundo de vantagem para Gonçalo Leitão (KTM 500 EXC).

MINI BAJA: PEQUENOS EM TAMANHO, GRANDES EM TALENTO

Com pilotos com idades compreendidas entre os 10 e os 16 anos, a Mini Baja afirmou-se como um concentrado de talento, antecipando a próxima geração de pilotos que darão cartas nas “duas rodas”. E, independentemente do resultado, todos saíram vencedores!

Desportivamente, com 73,5 km e duas especiais disputadas ao cronómetro, Vasco Severino (Yamaha YZF) foi quem mais se destacou, assegurando a vitória por 5m18,1s.

O jovem piloto foi também o mais eficiente na Classe “Mini 2” (para pilotos entre os 14 e os 15 anos), provando ser uma das mais talentosas promessas das motos. Na segunda posição terminou Nuno Barros (Yamaha YZ125), à frente de Martinho Pais (Yamaha YZ) e Lourenço Lebre (Yamaha YZ 125), cuja diferença não foi superior a 10,2 segundos.

Na Classe “Mini 1” (reservada a pilotos de 12 e 13 anos), Domingos Cunha (Yamaha YZ 85) liderou de início a fim, fazendo coincidir o triunfo com o quinto lugar absoluto. Já Manuel Rosa (Yamaha YZ 85) e Bárbara Justino Nunes (KTM 85), a única presença feminina na prova, completaram o pódio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *