GP da China de Fórmula 1: a 1000.ª da história

Tudo começou no dia 13 de Maio de 1950, no traçado inglês de Silverstone, então com um perímetro de 4,700 km, e 70 anos depois o Campeonato do Mundo de F1 assinala a 1000.ª corrida da história, facto que ficará marcado no traçado chinês de Xangai.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

O dia foi do italiano Giuseppe Farina (Alfa Romeo), que fez “barba, cabelo e unhas” ou seja alcançou a “pole position”, fez a volta mais rápida e venceu a corrida e sete corridas mais tarde, depois de uma vitória na Suíça, no circuito de Bremgarten, e outra em Itália, conquistou o primeiro título da história da disciplina máxima do desporto automóvel.

Nesse seu primeiro ano de existência, o campeonato teve sete corridas, ganhas por Giuseppe Farina (Inglaterra – Silvestone, Suiça – Bremgarten e Itália – Monza), Juan Manuel Fangio (Mónaco – Monte Carlo, Bégica – Spa-Francorchamps e França – Reims), John Parsons (Indianápolis), quando na sua 70.ª edição haverá 21 corridas.

Ao longo dos anos muitos pilotos e equipas dominaram a F1 que, nos últimos anos, tem assistido a um cerrado duelo entre a Mercedes e a Ferrari, com superioridade dos pilotos da marca da estrela sobre os do “cavallino rampante”.

É o que se constata, quando, cumpridas as duas primeiras provas, o domínio continua a pertencer à Mercedes, que alcançou duas “dobradinhas” e tem 39 pontos de avanço sobre a marca italiana, a segunda pela “oferta” da Ferrari que viu o monegasco Charles Leclerc perder um triunfo mais do que merecido.

A Mercedes vai querer manter o domínio exercido, com os seus pilotos, o finlandês Valtteri Bottas, que comanda o campeonato e tem mostrado uma competitividade quase nunca vista, e o inglês Lewis Hamilton, a procurarem desempatar a igualdade em número de vitórias que têm neste momento, depois do finlandês ter ganho na Austrália e o inglês no Bahrain.

E se no Bahrain a marca italiana mostrou que podia vencer, resta esperar que em Xangai concretize a evolução demonstrada, entre a Austrália e aquele país do Médio Oriente, e alcance a primeira vitória da época, com o monegasco a parecer mais capaz de subir ao lugar mais alto do pódio do que o seu colega de equipa, o alemão Sebastian Vettel, que tem mostrado um elevado “nervosismo” por causa do enorme talento do seu jovem companheiro.

A Red Bull continua a ser a terceira equipa, com o holandês Max Verstappen a ocupar o terceiro lugar do campeonato, mas o francês Pierre Gasly tem estado longe daquilo que era esperado e é para já uma das desilusões da temporada face à qualidade do carro que tem nas mãos e de cujo potencial não tem tirado o rendimento esperado.

No “segundo pelotão”, a Haas e a Renault têm sido as mais eficazes nas qualificações, mas é o finlandês Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), em sexto, a ser “o melhor dos outros” graças à regularidade que tem revelado, ao tirar partida da sua enorme experiência para ir os somando pontos que colocam a regressada Alfa Romeo (ex-Sauber) no quarto lugar do campeonato de construtores.

De assinalar que cumpridas as duas primeiras corridas do ano, a McLaren, que utiliza motores Renault, suplanta a equipa oficial da marca francesa, o que não pode deixar a preocupar os seus responsáveis.

Face à evolução que a equipa criada pelo neo-zelandês Bruce McLaren tem revelado, desde que trocou os motores Honda pelos Renault, fica a dúvida quanto aquilo que o espanhol Fernando Alonso poderia fazer ao volante de um dos carros da equipa de Woking.

 

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º Valtteri Bottas, 44 pontos; 2.º Lewis Hamilton, 43; 3.º Max Verstappen, 27; 4.º Charles Leclerc, 26; 5.º Sebastian Vettel, 22; 6.º Kimi Raikkonen, 10; 7.º Kevin Magnussen, 8; 8.º Lando Norris, 8; 9.º Nico Hulkenberg, 6; 10.º Pierre Gasly, 4; 11.º Lance Stroll, 2; 12.º Alexander Albon, 2; 13.º Daniil Kvyat, 1; 14.º Sergio Perez, 1

CONSTRUTORES – 1.º Mercedes AMG Petronas Motorsport, 87 pontos; 2.º Scuderia Ferrari, 48; 3.º Aston Martin Red Bull Racing, 31; 5.º Alfa Romeo Racing, 10; 5.º McLaren F1 Team, 8; 6.º Rich Energy Haas F1 Team, 8; 7.º Renault F1 Team, 6; 8.º SportPesa Racing Point F1 Team, 3; 9.º Red Bull Toro Rosso Honda, 3.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação