Frederico Rocha quase imperial no Open

Na prova endurista de Peso da Régua, o jovem piloto de Coimbra sentiu alguns embaraços, sobretudo na adaptação às especiais, conseguindo melhorar com o passar da prova. No horizonte está já a estratégia a utilizar a 8 de Março, na prova do Góis Moto Clube.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Frederico Rocha voltou a exprimir a sua convicção de que o ano de estreia na categoria Open do Campeonato Nacional de Enduro está a ser brilhante. Depois de ter subido ao lugar mais alto do pódio no Open 1 terminado no quarto posto à geral do Open em Vila Nova Santo André, na costa alentejana, o piloto com apenas 17 anos voltou a “explodir” no Peso da Régua. O jovem de Coimbra encerrou a participação na prova da região vinhateira no segundo lugar do Open 1 e terceiro à geral do Open, deixando um rasto de muita eficiência aos comandos da sua Husqvarna 150.

No entanto, o campeão nacional em título na Classe Verdes 1 sublinhou que «o resultado foi positivo, mas estou desiludido com o meu andamento», dando a conhecer que, ao início, a adaptação ao traçado foi o seu calcanhar de Aquiles: «Não foi fácil a adaptação às especiais, bastante exigentes, levando-me a perder tempo precioso, mas depois fui ganhando o ritmo necessário para tentar recuperar terreno, até porque o meu principal adversário, o Rodrigo Belchior, ganhou alguma vantagem inicial e, apesar de todos os esforços, não consegui inverter a posição».

Apesar disso, o jovem conimbricense nunca baixou os braços e foi evoluindo paulatinamente, deixando um soberbo rasto técnico, fazendo questão de asseverar que vai continuar a trabalhar para trilhar os caminhos do sucesso, estando já a pensar na próxima ronda, a terceira da temporada, desta vez na região Centro, em Góis, a disputar no dia 8 de Março.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação