Frederico Rocha: “duro como pedra” em Souselas

Depois de uma terceira ronda cheia de emoção na região italiana de Carpineti, no pretérito fim de semana, a quarta etapa traz os melhores pilotos de EnduroGP do Mundo de volta a Portugal, desta vez a Souselas, onde alinha o mundialista e conimbricense Frederico Rocha na classe Youth com o número 54 na sua Fantic XE 125.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Duro, é algo que não se deixa riscar facilmente e que não quebra. Pedra, refere-se a pedaços ou fragmentos soltos de rochas. Frederico Rocha surge em Souselas rotulado de “duro como uma pedra”, um verdadeiro diamante dos mais sólidos que existe na natureza.

Antes quebrar que torcer e, por isso, Frederico Rocha, com os seus 20 anos de idade, está habilitado para contrariar dureza das especiais do EnduroGP este fim de semana em Souselas, quarta prova do Campeonato do Mundo de Enduro. Apesar da prova ter lugar próximo da sua habitação, o jovem piloto de Coimbra refere que não conhece «muito bem o percurso, porque em 2018, devido a um problema mecânico em que tive de abdicar de continuar, apenas efetuei meia dúzia de quilómetros».

Relativamente ao que lhe foi dado a conhecer, a prova de Souselas «é muito diferente da competição disputada em Carpineti, em Itália, sobretudo devido ao estado duro em que se encontra o terreno e, como não tem chovido, naturalmente que vai dificultar a nossa tarefa, mas não é por aí que vamos esmorecer, bem pelo contrário», sustentou o jovem piloto e estudante universitário.

O facto de “acelerar” praticamente em casa «não é um fator que possa produzir um efeito diferenciado, até porque não estou muito à-vontade com essa situação». «Souselas é uma prova em que vou tentar mudar esse paradigma, reconhecendo, contudo, que vão estar muitos familiares, parceiros e amigos a acompanhar a minha prestação».

«Também não deixa de ser curioso enfrentar esta prova do Mundial muito próximo da área de jurisdição de uns dos meus parceiros, “A Lugrade – Bacalhau de Coimbra”, uma PME familiar. Unidos, vamos superar os desafios desse fim de semana juntos», acrescentou o jovem piloto.

Estudante de Sociologia na Universidade de Coimbra, Frederico Rocha não escondeu a sua satisfação de fazer parte integrante do Campeonato do Mundo de Enduro aos comandos da sua Fantic XE 125e, ainda por cima, com duas rondas em solo português, no Peso da Régua/Armamar e Souselas (Coimbra).

«Estas provas de índole mundial permitem, com toda a certeza, adquirir uma enorme experiência, não só pelas dificuldades dos exigentes traçados que nos são obsequiados, como também pela aprendizagem que usufruímos com os melhores pilotos da atualidade. O facto de Portugal receber duas provas este ano pode contribuir para o crescimento do Enduro em Portugal, o que não deixa de ser um sinal positivo e de esperança», vincou Frederico Rocha.

Campeão Nacional de Enduro em título de Open absoluto e Open 1, o piloto/estudante de Coimbra deixou «um agradecimento especial a todos os meus parceiros por terem confiado em mim os seus produtos de excelência, em que a minha missão passou por levá-los o mais longe possível, quer no território nacional como além-fronteiras, ajudando, ao mesmo tempo, concretizar os sucessos desportivos, reconhecendo que, sem eles, era impossível alcançar os objetivos traçados».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.