Fred Rocha mantêm-se abnegado na TM “125 azul”

O conimbricense partiu hoje para o quinto dia de prova dos International Six Days Enduro com alguns minutos de penalização devido ao rebentamento dos rolamentos na roda traseira e problemas de travão traseiro da TM 125. A ordem é para continuar do piloto que integra o Team IS3 Portugal.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Foi semelhante aos contornos da letra da canção “125 Azul” de Luís Represas, dos Trovante, “Foi sem mais nem menos, Que um dia selei a 125 azul, Foi sem mais nem menos, Que me deu para abalar sem destino nenhum”, que o jovem piloto Fred Rocha pegou na sua TM 125 azul, com as cores Alves Bandeira hoje de manhã para abalar mas com o propósito traçado. Terminar a etapa de hoje da 95.ª dição dos International Six Days Enduro.

Os dois últimos dias têm sido marcados por “aventuras e peripécias”, acumulando penalizações na sequência de situações de corrida, o piloto de Coimbra está fortemente determinado em terminar esta missão e colher conhecimento, sem nunca descurar a componente patrocinadores, familiares e amigos.

No terceiro dia, Fred Rocha, que rolava a bom ritmo, foi surpreendido com o rebentamento dos rolamentos da roda traseira da sua TM 125/Alves Bandeira, conseguindo, a muito custo, chegar ao final mas não evitou uma penalização de 16 minutos.

No da seguinte, ou seja, ontem e quarto dia de competição, um novo percurso e novas especiais foram servidas ao piloto apoiado por autolook.pt e experimentar uma abordagem diferente até então. A segunda metade da prova acabou com uma configuração oposta para as suas legítimas ambições.

Depois de ter partido muito de tarde e que teve de ultrapassar um enorme “pelotão” de pilotos mais lentos, Fred Rocha voltou a ser confrontado com uma nova avaria, desta vez ao nível do travão traseiro. Durante grande parte do dia de ontem andou sem travão de trás na sai TM 125, dificultando ainda mais a sua incumbência. Contudo, o jovem conimbricense foi persistente e terminou a ronda debaixo de um enorme desânimo.

Hoje, como a canção “125 Azul” de Luís Represas, foi sem mais nem menos que “selou” a 125 azul para abalar com a sua moto recuperada e seguir o destino traçado: chegar ao fim na sua segunda participação nos International Six Days Enduro.

«Tem sido uma experiência brutal. Apesar dos vários problemas mecânicos, o apoio da estrutura federativa tem sido motivador e essencial para chegar ao final. O José Deitado tem desenvolvido um trabalho fantástico no parque de assistência e um dos pilares da minha participação nesta maratona», referiu Fred Rocha.

José Deitado pertence à estrutura da Federação de Motociclismo de Portugal e chefe da tenda de assistência, colocando a sua calma e experiência nas situações mais complicadas, mas também uma “ferramenta” essencial de motivação extra para Fred Rocha, sobretudo na forma exemplar como tem recuperado a moto.

Não menos importante tem sido Nuno Rocha, que tem desempenhado um papel determinante na qualidade de mochileiro e que, também força da vontade e abnegação, está em todas as partidas e especiais a levantar o astral do filho. Este, por sua vez, está bem fisicamente e, hoje de manhã, partiu com vontade de “voar” nos percursos italianos da região da Lombardia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *