Fred Rocha ganha novo “fôlego” nos ISDE

Empenhado em desenvolver uma prova exemplar, Frederico Vilaranda Rocha subiu esta terça-feira duas dezenas de lugares na classe C1, assinando o melhor registo da equipa com a incumbência de a transportar até à 40.ª posição, com a particularidade de subir 130 lugares no cômputo geral.

Texto: CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Depois de ter largado esta terça-feira da 380.ª posição, esta quarta-feira é o 250.º a partir para a terceira ronda dos ISDE que são uma espécie de Jogos Olímpicos do Enduro e vão já na 94.ª edição. Com um percurso diferente relativamente aos dois primeiros dias e com o aparecimento da chuva em solo algarvio, sobretudo na região montanhosa de Monchique, Fred Rocha pode tirar partido do estado do piso molhado para exceder os ânimos e encarar com mestria as especiais no que concerne a ultrapassagens.

Uma estratégia legítima do jovem piloto de Coimbra para continuar a trepar na pauta classificativa, entrando na fase decisiva para alcançar uma boa classificação e ajudar a equipa a manter os índices de confiança rumo aos lugares cimeiros.

Frederico Vilaranda Rocha continua a manter viva a sua missão nos International Six Days Enduro, numa ronda em que não conseguiu distanciar-se dos problemas com o travão da frente da sua Husqvarna mas que, teimosamente, vai ganhando “asas” para se opor aos seus adversários circunstanciais.

O facto de nesta terça-feira não ter chovido, a pista esteve envolta em cortinas de poeira, a ponto de Fred Rocha não ver nada e perder tempo precioso no pó de outros pilotos no decorrer das especiais. Com partidas de 20 em 20 segundos, o jovem piloto de Coimbra teve de suportar a custo as dificuldades, mas com fibra de ultrapassar quatro ou cinco pilotos nas especiais.

Perante este cenário, Fred Rocha recuperou duas dezenas de lugares na classe C1, conforme já foi referido, motivando, desde logo, que amanhã arranque no meio de pilotos que andam um pouco mais e, com a possibilidade de resolver o problema do travão da frente, a ordem é para atacar. Uma missão que está perfeitamente ao alcance do jovem conimbricense.

Desta forma, para esta quarta-feira, terceiro dia de prova, pilotos e máquinas descobrem um novo percurso que levará a caravana para a Serra de Monchique. Tem o nome de “Desafio de Monchique” e terá no seu total 310 quilómetros novamente com duas voltas e sete especiais no total. Poderá ser um dia de “viragem” na classificação pois as previsões meteorológicas revelam igualmente a possibilidade da companhia da chuva logo na fase inicial do dia.

Os ISDE são uma espécie de Jogos Olímpicos do Enduro e vão já na 94.ª edição. Esta é a terceira vez em que o evento decorre em Portugal, depois das edições de Coimbra, em 1999 e Figueira da Foz, em 2009.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação