Fred Rocha em Itália para a 2.ª prova do Mundial

Ultrapassada a prova de abertura do Campeonato do Mundo de Enduro, no pretérito fim-de-semana, em Marco de Canaveses, pilotos e máquinas já estão e malas e bagagens para a região italiana de Edolo, onde terá lugar a segunda ronda dupla na competição.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: JOÃO DA FRANCA

Frederico Rocha está de “pedra e cal” no Mundial de Enduro. Para trás ficou Marco de Canaveses e, no próximo fim-e-semana, as atenções estão centradas na segunda prova do EnduroGP, a ter lugar em Edolo. É nesta região italiana, muito conhecida pelos amantes do Enduro, que novas dificuldades serão encontradas pelos pilotos que “embarcaram” nesta odisseia.

Um deles é o jovem piloto de Coimbra, Frederico Rocha. A julgar pelos embaraços vividos no território minhoto, é esperado agora mais uma prova de dificuldade elevada, com a agravante do aparecimento da chuva, podendo aumentar ainda mais os obstáculos no que concerne ao percurso e especiais, numa lista de participantes que ronda os 200 pilotos.

Rebobinando a “cassete”, Fred Rocha esteve envolvido num “mar” de contratempos na prova inaugural do Mundial de Enduro, com o director, Pedro Bianchi Prata, a anunciar que a competição em Marco de Canaveses iria ser uma referência na temporada de 2021, difícil e muito competitivo. No final confirmaram-se as declarações do dirigente para todas as classes, mas com enormes elogios da grande maioria dos participantes, entre os quais os pilotos do “top-10” de índole Mundial.

Na classe Youth, Portugal está representado na edição 2021 do EnduroGP por dois pilotos: Frederico Rocha, natural de Coimbra, da TM/Alves Bandeira, e Rodrigo Luz, natural de Sintra e piloto da Yamaha Oliveira Racing Team. No Enduro Nacional, os dois pilotos competem na Classe Open, prosseguindo as suas carreiras no panorama internacional numa das classes mais competitivas e de onde saem os grandes nomes da modalidade.

Refira-se que em Marco de Canaveses percebeu-se muito cedo que a classe Youth iria ser mais uma vez muito disputada, apresentando-se várias marcas a batalhar pelos primeiros lugares mas que, no final dos dois dias intensos e difíceis da prova lusitana, ditou que a Fantic preenchesse todos os lugares do pódio e consagrasse, como vencedor da prova inaugural, o seu piloto sueco Albin Norrbin.

Os “tugas” da Youth tiveram prestações em crescendo, com Rodrigo Luz a ser regular nos dois dias de provas e a conseguir levar a sua bem preparada Yamaha a um 11.º lugar final, a 6m35s do vencedor, deixando excelentes indicações em algumas das especiais realizadas tal como tem feito no seu percurso interno no Campeonato Nacional de Enduro onde é um dos pilotos mais competitivos da caravana endurista.

Já o conimbricense Frederico Rocha, da TM Alves Bandeira, teve um primeiro dia que se iniciou com excelente andamento mas depois tornou-se muito azarado com diversas avarias que terminariam a queimar a embraiagem, conseguindo, no entanto, levar a moto até à assistência para que apesar de desistir no primeiro dia conseguisse partir para o 2.º dia de prova. No dia seguinte e já com a sua TM 125 totalmente recuperada, conseguiu andar bem e obter bons tempos, superando, sem problemas de maior, o difícil percurso do Enduro.

Uma queda aparatoso na Extreme podia ter deitado tudo a perder mas, mais uma vez, uma grande dose de superação ditou a recuperação e chegar ao final no derradeiro 15.º lugar a 12m04s do vencedor, numa classe de combativos pilotos e que no final de dois exigentes dias de competição teve apenas um desistente, o que mostra de que são feitos estes jovens pilotos.

No final, o piloto confidenciou à Autolook que «foram dois dias muito difíceis por motivos diferentes, entre avarias no 1.º e dureza das especiais no 2.º, mas positivos e uma excelente aprendizagem como é o meu objectivo principal». «Estou desejoso que comece a 2.ª prova», confidenciou o piloto de Coimbra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *