Fórmula 1 estreia novo programa em Silverstone

O objectivo é tornar a competição mais atraente para o público, em especial para os mais novos que têm vindo a afastar-se da disciplina.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

A Liberty, responsável pela Fórmula 1, apresenta, este fim-de-semana, no traçado inglês de Silverstone, a primeira alteração a uma estrutura que tem permanecido inalterável ao longo dos tempos e que pode ser o primeiro passo para as modificações que tem na ideia.

A situação que vai ser vivida em Silverstone repetir-se-á em Monza e numa das provas a efectuar fora da Europa, tudo apontando para que suceda no traçado americano de Austin, no final de Outubro.

Ao contrário de duas sessões de treinos livres, para esta sexta-feira, de uma terceira sessão de treinos livres no sábado, seguida da qualificação, e da corrida no domingo, desta vez haverá uma sessão de treinos livres na sexta-feira a que se segue uma sessão de qualificação, que definirá a grelha de partida para a Corrida de Qualificação, que terá lugar no sábado, depois de mais uma sessão de treinos livres.

A Corrida de Qualificação, com uma extensão a rondar os 100 km, que atribuirá pontos aos três primeiros (3 ao primeiro, 2 ao segundo e 1 ao terceiro), servirá para definir a grelha de partida para a corrida de domingo. Trata-se de um modelo que atribuirá a totalidade dos pontos, o que quer dizer que quem vencer a corrida de qualificação, a corrida e fizer a volta mais rápida somará 29 pontos, em lugar dos 26 habituais.

Embora Silverstone seja um traçado onde as ultrapassagens não são difíceis, um bom resultado na corrida de Qualificação pode ser determinante no desfecho da corrida de domingo, com um acidente a poder colocar em causa o resultado final.

Embalado pelas três vitórias consecutivas, o holandês Max Verstappen (Red Bull/Honda) chega do “terreno do adversário” com a moral em alta e pronto para voltar a bater o inglês Lewis Hamilton (Mercedes), vencedor das duas últimas edições da prova.

A “jogar em casa”, o campeão do mundo precisa de suplantar o seu rival, para começar a reduzir a desvantagem pontual, que é de 32 pontos e que caso aumente pode tornar mais complicada a revalidação do título.

Os seus companheiros de equipa, o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) e o mexicano Sérgio Perez (Red Bull/Honda) poderão ter um papel estratégico na táctica que cada equipa irá definir para levar os seus pilotos de ponta ao triunfo.

Interessante será, igualmente, a luta pela vitória no segundo pelotão, em princípio, travada entre os homens da McLaren e da Ferrari, com o inglês Lando Norris (McLaren/Mercedes) apostado em dominar os seus adversários, em particular o seu ex-companheiro de equipa, o espanhol Carlos Sainz (Ferrari).

Sendo certo que, na sessão de qualificação desta sexta-feira, todos vão usar os pneus mais macios, por não haver condicionantes no que diz respeito à sua utilização, pode suceder que aconteçam surpresas no que diz respeito às posições na grelha de partida, havendo curiosidade em ver o que o inglês George Russell (Williams/Mercedes), que pela primeira vez ao volante de um Williams chegou à Q3 na Áustria, vai fazer.

O mesmo sucede com o espanhol Fernando Alonso (Alpine/Renault), que só falhou a Q3 na prova austríaca por ter sido prejudicado pelo alemão Sebastian Vettel (Aston Martin/Mercedes), o francês Pierre Gasly (Alpha Tauri/Honda) e o japonês Yuki Tsunuda (Alpha Tauri/Honda), que estiveram na Q3 na corrida anterior, serão capazes de lutar por uma das 10 primeiras posições da grelha de partida para a corrida de Qualificação.

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º Max Verstappen, 182 pontos; 2.º Lewis Hamilton, 150; 3.º Sérgio Perez, 104; 4.º Lando Norris, 101; 5.º Valtteri Bottas, 92; 6.º Charles Leclerc, 62; 7.º Carlos Sainz, 60; 8.º Daniel Ricciardo, 40; 9.º Pierre Gasly, 39; 10.º Sebastian Vettel, 30; 11.º Fernando Alonso, 20 ; 12.º Lance Stroll, 14; 13.º Esteban Ocon, 12; 14.º Yuki Tsunoda, 9; 15.º Antonio Giovinazzi, 1; 16.º Kimi Raikkonen, 1.

CONSTRUTORES – 1.º Red Bull Racing Honda, 286 pontos; 2.º Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 242; 3.º McLaren F1 Team, 141; 4.º Scuderia Ferrari Mission Winnow, 122; 5.º Scuderia Alpha Tauri Honda, 49; 6.º Aston Martin Cognizant F1 Team, 44; 7.º Alpine Renault, 31; 8.º Alfa Romeo Racing Ferrari, 2.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *