“Foi o Paulo (Gonçalves) que navegou por mim”

Apesar das lembranças, Joaquim Rodrigues Jr. conseguiu hoje o melhor resultado até ao momento na prova, ao terminar na sexta posição, a apenas 7m21s do vencedor, o espanhol Joan Barreda (Honda).

(auto.look2010@gmail.com)

O piloto de Barcelos, Joaquim Rodrigues Jr. (Hero) admitiu que a quarta etapa do Dakar, que terminou na sexta posição das motos, foi «muito difícil» pelas lembranças «do trágico acidente do ano passado», que vitimou Paulo Gonçalves, o seu cunhado.

«Hoje foi uma etapa muito dura para mim pois foi neste local que o trágico acidente aconteceu no ano passado. Trouxe-me de volta memórias dolorosas e nem consegui dormir toda a noite», começou por explicar o piloto de Barcelos. Apesar das lembranças, Joaquim Rodrigues Jr. conseguiu hoje o melhor resultado até ao momento na prova, ao terminar na sexta posição, a apenas 7m21s do vencedor, o espanhol Joan Barreda (Honda).

«Tive um início um pouco nervoso, mas depois comecei a rodar, fui entrando no ritmo e a minha navegação foi perfeita. Acredito que era o Paulo a navegar por mim e fiquei contente por sentir isso», explicou o barcelense.

Joaquim Rodrigues Jr. deixou, ainda, votos de «rápidas melhoras» ao “irmão” Santosh, o companheiro de equipa indiano que hoje sofreu uma violenta queda ao quilómetro 135 da especial e que está em coma induzido num hospital local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *