“Fogo cruzado” entre Verstappen e Hamilton

Os dois pilotos apresentaram os seus pontos de vista sobre a “guerra” travada em Jeddah, numa competição em que Lewis Hamilton (Mercedes) apanhou o neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda). Em Abu Dhabi, o “fogo cruzado” evidencia-se pela conquista do título…

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Lewis Hamilton e Max Verstappen não têm segredos um para o outro. Todos sabem que as “armas” estão apontadas para o título em Yas Marina, circuito em que só o triunfo interessa, ou a desistência de um beneficia o outro, ou a volta mais rápida, em caso de abandono dos dois, dita automaticamente o título ara um dos lados.

Mas vamos por partes: para que o britânico ganhe o Mundial de Pilotos, deve superar Max Verstappen pelo menos por um ponto. Existem, no entanto, dois cenários em que o par pode empatar: se Hamilton terminar em nono e Max Verstappen em 10.º com a volta mais rápida, ou se nenhum dos pilotos terminar entre os 10 primeiros lugares. Se tal acontecer, Max Verstappen vencerá com nove vitórias contra as oito de Lewis Hamilton.

Uma semana antes, no traçado urbano de Jeddah, o inglês Lewis Hamilton alcançou sua oitava vitória na temporada de 2021 – 103.ª de sua carreira na Fórmula 1 –, mas passou por maus momentos. Max Verstappen revelou-se muito difícil e extremamente intempestivo. Não cortou em nada.

O heptacampeão enfatizou após a corrida que foi difícil não cair nas armadilhas do neerlandês. Agora, em Abu Dhabi, Lewis Hamilton terá de ter toda a perseverança do mundo para manter o Mercedes intacto a fim de acalentar a esperança de “disparar” o seu “canhão” rumo ao à nona vitória da temporada e oitavo título da sua carreira.

“Sir” Lewis Hamilton, de 36 anos, já conquistou os títulos de 2014, 2015, 2017, 2018, 2019 e 2020 na Mercedes, à qual chegou em 2013, depois de ter-se sagrado campeão do mundo em 2008, então na McLaren.

Por sua vez, Max Verstappen persegue o primeiro título da carreira. O piloto neerlandês, que na semana passada contestou da penalidade de cinco segundos, afirmado terem acontecido muitas coisas com as quais não concordou, mas também procurou evitar manchetes.

Uma coisa é certa. Os dois pilotos partem para a derradeira prova com os mesmos pontos, tornando empolgante o Grande Prémio de Abu Dhabi. Este sábado e domingo, a telemetria vai ser, com toda a certeza, um elemento fulcral para a Mercedes e Red Bull, enquanto o DRS vai estar entregue aos pilotos.

Esperam-se muitas manobras em pista para, no final, descodificar o enigma de quem vai ser o novo campeão do mundo de Fórmula 1, disciplina em que os comissários vão estar atentos a eventuais irregularidades e “utilizar” as regras para admoestar abusos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.