Fim da linha para o francês Sebastien loeb

Ainda não será em 2021 que o piloto francês vai vencer o Rali Dakar. O campeão mundial de ralis deixou a prova da Amaury Sport Organisation (ASO) na sequência de furos e sem o apoio da equipa.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Inserido no projecto da Prodrive, liderado pela nova equipa do Bahrain Raid Xtreme e companheiro de equipa do espanhol Nani Roma, o piloto francês Sebastian Loeb despediu-se sem glória da 43.ª edição do Dakar esta segunda-feira.

Tratou-se de um desfecho inglório devido a furos no BRX, protótipo de tracção total da categoria T1, com um motor V6 biturbo de 3.5 litros com 405 cv de potência, desenhado de raiz pela Prodrive para o Dakar, restando agora à equipa do Bahrain Raid Xtreme voltar todas as suas atenções para o catalão Nani Roma.

O piloto francês, navegado pelo compatriota Daniel Elena, não conseguiu concluir a segunda e derradeira parte da prova organizada pela ASO, terminando a odisseia de 2021 na oitava etapa entre Sakaka e Neom, na Arábia Saudita. Num ano em que o auxílio das equipas é bastante ínfimo devido às restrições impostas para a protecção dos pilotos e navegadores contra o novo coronavírus, Sebastian Loeb não evitou furos em dois pneus no seu BRX, ficando cerca de cinco horas parados à espera da equipa de assistência, acabando por abandonar.

Este desfecho resume-se, também, ao facto do MAN com o número 532 de Jordi Esteve, Rafa Tibau e Arnald Bastida ter problemas em plena especial durante a última especial e, por isso a ajuda nunca chegou a aparecer.

Refira-se que Sebastien Loeb já tinha passado por situações críticas ao nível da quebra de suspensões, bem como ter perdido imenso tempo perdido no meio do deserto árabe, “afundando-se” na tabela classificativa. No momento em que abandonou, o piloto francês ocupava a 43.ª posição, naquela que foi a sua quinta participação no Dakar e estava a mais de 13 horas de diferença do líder, o compatriota Stéphane Peterhansel, em Mini JCW Buggy.

Antes do início da prova organizada pela Amaury Sport Organisation, o piloto francês, que nove vezes campeão mundial de ralis entre 2004 a 2012, revelou enorme satisfação com o desempenho e o equilíbrio do BRX, sem nunca subestimar o desafio que representa o Dakar, especialmente para uma nova equipa e um novo carro. A quatro etapas do fim, Sebastien Loeb chegou ao fim da linha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *