Filipe Paiva com “apetite” apurado pelo Trial

A idade é um número e, felizmente, que nem sempre agimos de acordo com a nossa idade. Filipe Paiva, piloto de trial e CEO da Trialmotor, empresa sedeada na Lousã, é um excelente exemplo disso mesmo, continuando, aos 39 anos de idade, a exibir primazia com a sua TRRS no Nacional de Trial.

Texto: CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt) – Fotos: FMP

Filipe Paiva é um piloto de trial que dispensa apresentações, um embaixador de quilate superior numa disciplina que, de forma paulatina, tem conquistado superiormente novos “discípulos”. A sua “genica” e estado de espírito não deixa ninguém indiferente. Ano após ano, o piloto lousanense evidencia os seus dotes entre pedras, rochas e muita terra, independentemente das dificuldades que encontra pelo caminho.

Manter os motores a carburar e aprimorar, todos os dias, a condição física, são duas componentes que Filipe Paiva não descura, razão pela qual afirma que «mantém o gosto pelo trial de forma consistente e, por via disso, a idade é um número».

«Nunca estive em tão boa forma física como agora», sublinhou o lousanense Trialmotor, piloto de 39 anos de idade que alinha na categoria TR1 (Elite) no Campeonato Nacional de Trial há já longas temporadas e na qual coleciona vários títulos. Numa disciplina das duas rodas bastante exigente, Filipe Paiva sabe que «novos valores estão a despontar – como é o caso de Diogo Vieira, um piloto de referência na modalidade e não só, assim como Paulo Ballas Jr. –, e que um dia terei de deixar de competir pelo peso da idade, mas que ainda sinto estar longe esse desígnio».

Nos dois últimos compromissos no Campeonato Nacional de Trial, nomeadamente Barcelos e Gondomar, o piloto da Lousã evidenciou frescura, física e emocional, embora em ambos os casos tenha “encontrado” um “mochileiro” de enorme importância em todos os sentidos.

Paulo Ballas, progenitor de Paulo Ballas Jr, piloto de Famalicão que tem estado arredado da competição devido a lesão, «tem desempenhado comigo um papel precioso e um elemento fundamental para alcançar a performance desejada». «Em Barcelos, de dificuldade média, mas com zonas de muita técnica no Monte do Facho, com rochas, granito e terra solta, consegui um bom resultado no terreno escorregadio que obrigou a atenção redobrada. Nas zonas que estavam superiormente marcadas, Paulo Ballas foi elementar a coadjuvar a minha prestação».

Depois de Barcelos, a terceira ronda do Campeonato Nacional de Trial prosseguiu em Gondomar, com pilotos e máquinas a desenvolver as suas aptidões nas assombrosas instalações da Enduro Code, de Paulo Melícias.

Com oito zonas de obstáculos naturais que juntaram-se aos artificiais, entre riachos escorregadios e acentuadas inclinações, revelou-se elevada a fasquia em termos de dificuldade. Filipe Paiva encarou este desafio bastante técnico com a mesma atitude que o carateriza e, à semelhança do que sucedeu em Barcelos, Paulo Ballas “vestiu” a roupagem de “mochileiro” para proporcionar um dia mais facilitado no “escritório” circunstancial do piloto lousanense.

«As secções foram feitas dentro do Enduro Code, com a frescura do rio próximo, acabando por traduzir-se por um teste muito técnico aliado a algumas complicadas e escorregadias incursões pelos segmentos desenhados no traçado. No cômputo geral, foi um bom dia para provas, excetuando, naturalmente, as temperaturas altíssimas para a época», revelou Filipe Paiva.

De acordo com o piloto Trialmotor, que em ambas as provas terminou no lugar intermédio do pódio, atrás de Diogo Vieira, «é de elementar justiça endereçar o meu agradecimento a Paulo Ballas pela cooperação prestada, o que traduz na perfeição que o trial é, efetivamente, diferente de outras disciplinas, em que a distância não é rival para a amizade. Ou seja, apesar de rivais na competição, a amizade é conservada».

«Gostaria de deixar vincado o meu sincero agradecimento a todas as pessoas que me ajudaram antes, durante e após a corrida, endossando, de igual forma, a minha gratidão para com os parceiros que depositam a confiança das suas marcas na equipa Trialmotor.

A quarta ronda do Campeonato Nacional de Trial está agendada para o dia 11 de setembro, ainda com local a designar. Seguindo-se, a 16 de outubro, no Funchal, e a 20 de novembro, em Amarante, com o clube organizador a anunciar. O termo do campeonato está previsto para 4 de dezembro, com local e clube a designar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.