Filipe Albuquerque: “Sonho concretizado”

Após vencer as 24 Horas de Le Mans em LMP2, piloto de Coimbra considerou que foi uma “corrida incrível”. O próximo compromisso é no Bahrain e, depois, “correr” a Belém para receber insígnias do grau de comendador, numa audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

(auto.look2010@gmail.com)

Filipe Albuquerque (United Autosports) considera «um sonho concretizado» ter vencido hoje a prova das 24 Horas de Le Mans em automobilismo, na classe LMP2, «por Portugal». O triunfo valeu ao piloto de Coimbra, que faz equipa com os britânicos Phil Hanson e Paul di Resta no Oreca número 22, a conquista matemática da Taça do Mundo de Resistência.

Para que o título seja efectivo, basta Filipe Albuquerque e aos companheiros de equipa no United Autosports alinhar à partida da última prova, a disputar no Bahrain.

«Pontualmente, já o conseguimos, mas, regulamentarmente, precisamos de alinhar na última corrida no Bahrain. Por isso, para já, podemos festejar a vitória em Le Mans, o resto virá a seu tempo. A equipa fez um trabalho extraordinário, nós pilotos demos sempre o nosso melhor e não tenho dúvida que somos justos vencedores», disse Filipe Albuquerque, que viveu o último turno de condução a partir das boxes.

O embaixador do Clube Automóvel do Centro considerou que foi uma «corrida incrível». «Foi uma corrida muito suada, mas trazemos o caneco para casa. Foi mesmo até à última volta», comentou Filipe Albuquerque, após ver o companheiro Phil Hanson cortar a meta em primeiro, batendo a equipa do outro português em prova, António Félix da Costa (Jota).

As últimas voltas foram de cortar a respiração, com o Oreca da equipa de Filipe Albuquerque a ter de ir às boxes reabastecer a sete minutos do final. No entanto, Phil Hanson, que quase se despistava à entrada e à saída das boxes, conseguiu sair à frente do britânico Anthony Davidson, um dos companheiros de António Félix da Costa, juntamente com o mexicano Robert González.

Anthony Davidson acabaria por parar uma volta mais tarde, também para reabastecer, deixando Filipe Albuquerque com um suspiro de alívio: «Não estava à espera que eles fossem parar. Foi de loucos. Uma corrida dura, todos dentro do limite. Conseguimos ganhar nós e a equipa está toda de parabéns. É um sonho concretizado. Ganhar Le Mans por Portugal foi óptimo», concluiu o conimbricense.

Esta é a segunda vitória portuguesa na mais emblemática das provas de resistência na Europa depois de, em 2012, Pedro Lamy ter vencido a categoria GT AM. Para António Félix da Costa, foi um «excelente resultado». «Partimos de sétimo, andámos para a frente, andámos para trás, esprememos ao máximo as laranjas. Não ganhei eu, ganhou o Filipe Albuquerque, a taça está muito bem entregue», felicitou o piloto de Cascais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: