Ferrari ambiciona vingar-se em Hungaroring

A Fórmula 1 regressa a Hungaroring pela 37.ª vez que, traduzido por “miúdos”, é, atrás de Monza, com a presença contínua no calendário de corridas, numa altura em que Verstappen (Red Bull/Honda) e Charles Leclerc (Ferrari) luta pelo ceptro.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Charles Leclerc (Ferrari)

Batida em Paul Ricard, em consequência de uma saída de pista do monegasco Charles Leclerc (Ferrari), que parecia ter a corrida controlada, a equipa italiana chega ao Hungaroring desejosa de “vingança”, com Mattia Binotto a querer a apostar no 1 – 2.

Sendo o traçado magiar um daqueles onde as ultrapassagens são mais difíceis, a luta pela “pole position” vai ser decisiva, pois na maior parte das vezes que parte da primeira posição da grelha sobe ao lugar mais alto do pódio.

Nas 12 corridas efectuadas, o monegasco partiu dessa posição sete vezes, impondo-se forma clara ao neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda) que, por sua vez, arrecadou igual número de vitórias noutras tantas corridas.

Para o campeão do mundo, os 63 pontos de vantagem que tem sobre Charles Leclerc permitem-lhe gerir a corrida doutra maneira, sem precisar de correr riscos, ao saber que, mesmo em caso de desistência, o comando do campeonato não está em risco.

Assim, tudo aponta para que a luta pela “pole” a ser travada entre os dois, com o espanhol Carlos Sainz (Ferrari) e o mexicano Sergio Perez (Red Bull/Honda) apostados em secundar os seus companheiros de equipa.

Max Verstappen (Red Bull/Honda)

Ao garantir dois lugares no pódio, na prova francesa, o que sucedeu pela primeira vez esta temporada, a Mercedes parece confirmar ter dado um passo em frente, pelo que os ingleses Lewis Hamilton (Mercedes) e George Russell (Mercedes) podem estar mais perto da concorrência e “baralhar” as contas dos favoritos.

Contudo, o mês de férias, que se segue à prova húngara, e as alterações regulamentares impostas pela FIA, podem permitir à marca de Brackley surgir em Spa, no regresso às pistas, com carros sem os problemas de oscilação que tanto têm condicionado o desempenho dos seus pilotos na primeira parte da temporada.

No segundo pelotão, a Alpine, graças em particular ao espanhol Fernando Alonso (Alpine/Renault) parece começar a levar a melhor, com McLaren e Alfa Romeo, mais a primeira que a segunda, a parecerem ser aquelas que podem colocar em causa a superioridade da marca francesa.

Há uma semana, o espanhol e o francês Esteban Ocon (Alpine/Renault) levaram a melhor, respectivamente sobre o inglês Lando Norris (McLaren/Mercedes) e o australiano Daniel Riccardo (McLaren/Mercedes).

Com esse resultado conjunto, a Alpine ultrapassou a McLaren, no “Mundial” de Construtores e pode, agora na Hungria cimentar essa posição, por os seus carros parecerem, neste momento, estar um passo à frente da concorrência.

CLASSIFICAÇÕES DOS CAMPEONATOS

PILOTOS – 1.º, Max Verstappen, 233 pontos; 2.º, Charles Leclerc, 170; 3.º, Sergio Perez, 163; 4.º, Carlos Sainz, 144; 5.º, George Russell, 143; 6.º, Lewis Hamilton, 127; 7.º, Lando Norris, 70; 8.º, Esteban Ocon, 56; 9.º, Valtteri Bottas, 46; 10.º, Fernando Alonso, 37; 11.º, Kevin Magnussen, 22; 12.º, Daniel Riccardo, 19; 13.º, Pierre Gasly, 16; 14.º, Sebastian Vettel, 15; 15.º, Mick Schumacher, 12; 16.º, Yuki Tsunoda, 11; 17.º, Guaynu Zhou, 5; 18.º, Lance Stroll, 4; 19.º, Alexander Albon, 3.

CONSTRUTORES – 1.º, Oracle Red Bull Racing, 396 pontos; 2.º, Scuderia Ferrari, 314; 3.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 270; 4.º, BWT Alpine F1 Team 93; 5.º, McLaren F1 Team, 89; 6.º, Alfa Romeo F1 Team Orlen, 51; 7.º, Haas F1 Team, 34; 8.º, Scuderia AlphaTauri, 27; 9.º, Aston Martin, 19; 10.º, Williams Racing, 3.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.