Fernando Teotónio foi rei em Castelo Branco

Com mais este triunfo, o piloto reforçou a liderança nos Desafios Kumho Asfalto e Centro, bem como no Campeonato Centro de Ralis. Um furo acabou por atirar Armando Carvalho e Ana Santos para o quinto lugar quando eram segundos. Já Gonçalo Henriques triunfou novamente nas duas rodas motrizes.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: NUNO DINIS PHOTOS

Fernando Teotónio e Luís Morgadinho

O Rali de Castelo Branco distribuía pontos aos participantes nos Desafio Kumho Asfalto e Centro e foram 19 as duplas que assinaram presença na prova albicastrense, distribuídos pela Divisão 1, onde alinharam 6 e pela Divisão 2, que ostentou 13 participantes.

A prova da Escuderia de Castelo Branco acabaria por ser atribulada para os concorrentes do Campeonato Centro de Ralis. Das sete especiais previstas no percurso, duas foram anuladas, por razões de segurança relacionadas com um incêndio florestal e com a assistência médica a uma equipa, na sequência de uma saída de estrada, retirando cerca de 30 km de competição ao percurso programado.

 

Armando Carvalho e Ana Santos

Tábua, Mortágua e agora Castelo Branco. São já três os triunfos em termos gerais assinados pela dupla formada por Fernando Teotónio e Luís Morgadinho, no competitivo e fiável Mitsubishi Lancer EVO IX preparado pela Domingos Sport, sendo deles a contribuição mais forte para os cinco triunfos absolutos Kumho já alcançados esta época.

A história da vitória em Castelo Branco resume-se a uma coisa: domínio total. Fernando Teotónio venceu à geral a prova, no que respeita às contas do Campeonato Centro de Ralis e, obviamente, entre os Kumho, tendo sido o mais rápido em todas as especiais de classificação, imprimindo um ritmo que se revelou completamente inalcançável para a concorrência.

Nuno Mateus e Paulo Pimentel

Quem mais perto ousou rodar foram Armando Carvalho e Ana Santos. Cada vez mais competitivos aos comandos do Mitsubishi EVO V, a equipa de Vila Nova de Poiares assinou sempre o segundo tempo absoluto nas três especiais que disputaram de forma “normal” e, quando se preparavam para assegurar um justo segundo lugar nas contas do Campeonato Centro de Ralis e da Divisão 1 Kumho, um furo na penúltima especial forçou-a a parar para substituir a roda. Neste processo perderem quase oito minutos, ficando assim arredados dos lugares cimeiros, concluindo a prova no 5.º lugar da Divisão 1. Um desfecho inglório pelo que mereciam muito melhor.

 

António Santos e Tiago Silva

Desta forma, a segunda posição na Divisão 1 Kumho foi reivindicada por Nuno Mateus e Paulo Pimentel (Mitsubishi Lancer EVO IV), que estiveram envolvidos numa dupla batalha em Castelo Branco, pois, além de estarem a lutar pelas posições de relevo no Desafio Kumho Portugal, assumiram um papel de destaque na “guerra” do Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis, onde viriam a oferecer a primeira vitória aos pneus KUMHO nesta competição.

A regularidade foi a arma utilizada por Nuno Ferreira e Pedro Cação, no caminho para o último degrau do pódio. Logo atrás de si, a quarta posição coube a Rui Santos e Eduardo Santos. O seu Subaru Impreza WRX permitiu-lhes recolher mais um bom pecúlio de pontos para as contas Kumho da temporada.

Gonçalo Henriques e Tomás Branco

GONÇALO HENRIQUES IMPLACÁVEL NA DIVISÃO 2

A dificuldade em subir ao pódio final e o ruído do motor do Renaul Clio não enganavam. Percorrer a última especial e a ligação até ao pódio final do Rali de Castelo Branco foi uma verdadeira odisseia para Gonçalo Henriques e Tomás Branco.

Depois de cinco troços cronometrados em que, não só dominaram a seu belo prazer nas contas da Divisão 2 do Desafio Kumho Portugal, como rapidamente chegaram ao comando entre as duas rodas motrizes e ao pódio absoluto nas contas do Campeonato Centro de Ralis, viram o motor do Renault Clio falhar na última especial e se, o avanço que detinham, lhes permitiu vencer o Desafio Kumho na sua divisão, viram-se relegados para fora do pódio do CCR, onde tudo fizeram para merecer ficar.

Luís Almeida e Ricardo Bettencourt

Aplauso para a prova de António Santos e Tiago Silva. A dupla “espreme” tudo do Opel Kadett e voltou a assinar uma exibição de grande nível, coroada com o segundo lugar final nesta divisão.

O pódio da Divisão 2 Kumho, ficou preenchido com Pedro Silva e Luís Ribeiro (Peugeot 206 GTi). Chegaram ao terceiro lugar logo no primeiro troço cronometrado do segun do dia de prova e construíram uma vantagem que lhes permitiu ficar a salvo de ataques nesta luta pelo pódio.

A quarta posição foi para o Ford Escort MKII de Hélder Cordeiro e Bruno Pereira, na frente de David Lucas/Roberto Santos (Peugeot 206 GTi), quints na prova da sua terra. Já o sexto lugar foi garantido por Paulo Santos e Valter Santos, num Peugeot 205, com mais um “leão” a suceder na ordem classificativa, já que, Vítor Gomes e Joel Oliveira lograram ser sétimos, aos comandos de um Peugeot 206 GTi.

Ainda não foi uma prova isente de sobressaltos a que foi protagonizada pela dupla da Habimóvel, Luís Almeida e Ricardo Bettencourt. Pelo menos, concluíram o rali mas têm ambição para ir muito mais além do que o oitavo posto na Divisão 2. O nono lugar para António Almeida e Pedro Henriques (BMW 325i) é relevante, cabendo fechar as contas do “top10” a equipa Marco Martins e Pedro Dias, num Honda Civic.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação