Faleceu Zé Regêncio do Clube Automóvel do Centro

Foi esta quinta-feira que Zé Regêncio terminou, precocemente, a etapa mais difícil que teve em mãos: o Rali da Vida. Zé Regêncio era um apaixonado pelos automóveis que, de forma desinteressada, nunca deixou de colocar em marcha a sua capacidade organizativa.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

José Carlos Freire Regêncio faleceu esta quinta-feira. O vice-presidente do Clube Automóvel do Centro estava internado no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Coimbra e lutava com todas as suas forças contra uma doença oncológica. Parafraseando João Pedro Marcelino – amigo, médico, piloto e também um enorme apaixonado pelos ralis –, «o Zé Regêncio era um dos maiores “doentes” de automóveis que conheci» e um homem respeitado por tudo o que fez em prol do Clube Automóvel do Centro, pelo desporto motorizado a convite de dirigentes de outros clubes, entregando-se de corpo e alma elevar os padrões de qualidade do desporto que escolheu para servir com a maior dose de profissionalismo.

Quando lhe foi diagnosticada a doença, Zé Regêncio nunca se deu por vencido, ao ponto de querer dar o seu contributo nas tarefas para o Rali Rota da Lampantana, realizado recentemente em Mortágua, assim como no Rally Legends Luso Bussaco, promovido pelo Clube LusoClássicos e que vai para a estrada de 13 a 15 de Dezembro, ma inicialmente previsto para meados de Setembro, mas que foi adiado devido ao alerta vermelho decretado pela Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil.

Zé Regêncio defendia arduamente as cores do Clube Automóvel do Centro, tanto na qualidade de dirigente desportivo, como somente de associado, sem ganhar um tostão e tudo em nome da sua paixão que veio de berço e não se explica. Zé Regêncio era um apaixonado pelos automóveis que, de forma desinteressada, nunca deixou de colocar em marcha a sua capacidade organizativa, rejeitando sempre a palavra impossível para erigir provas de quilate superior. O seu talento, versátil e competente era de tal forma reconhecido, que era “requisitado” inúmeras vezes para coadjuvar na organização do Rali de Portugal, mas sempre com o carimbo do Clube Automóvel do Centro.

José Regêncio também “vestiu” a pele de presidente, mas foi na qualidade de vice-presidente do Clube Automóvel do Centro que partiu precocemente. Foi também com muito pesar que a Direcção, liderada por Luís Santos, comunicou o falecimento «do grande e inesquecível amigo José Regêncio, enorme sócio e dirigente do Clube Automóvel do Centro», endereçando as mais sentidas condolências à família.

Zé Regêncio era casado com Maria da Graça Peixoto Carvalho Neto Regêncio e pai de Carlos André Neto Regêncio e Rita Carlos Neto Regêncio. Zé Regêncio era uma pessoa especial. Além da falta que vi fazer, naturalmente à sua família, mas similarmente ao Clube Automóvel do Centro, a sua segunda família. O mundo acabou de perder um pouco do seu brilho, alegria e cor.

O funeral realiza-se esta sexta-feira, a partir das 15h30, da capela mortuária da Igreja de S. José para o Complexo Funerário Municipal de Coimbra. A equipa AUTOLOOK.PT expressa os sentimentos à sua família e Clube Automóvel do Centro e que Deus conforte familiares e amigos neste momento de dor. Até já, Zé (Regêncio).

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação