“Falcão” satisfeito com treinos apesar da chuva

Miguel Oliveira, que prefere que não chova no domingo, terminou a sua melhor volta em 1m33,400s, ficando a 0,328 segundos do melhor tempo do dia, do espanhol Maverick Viñales (Yamaha).

(auto.look2010@gmail.com)

O piloto de Almada mostrou-se hoje «satisfeito» com o trabalho desenvolvido no primeiro dia de treinos livres para o Grande Prémio dos Países Baixos de MotoGP, oitava prova do Mundial, em que conseguiu o terceiro lugar.

«Foi um bom primeiro dia. Não o melhor devido à má sessão de manhã. À tarde, senti imediatamente que seria mais competitivo. Foi pena não conseguir perceber até onde poderíamos ir devido à chuva», começou por dizer o piloto luso, na conferência de imprensa virtual.

O objectivo para este sábado passa por «ser rápido na FP3 (terceira sessão de treinos livres) para entrar directamente na Q2», a segunda fase da qualificação, onde participam os 10 mais rápidos dos treinos livres 1, 2 e 3 e os dois melhores da Q1.

Apesar de a chuva ter feito a sua aparição, limitando o trabalho dos pilotos na sessão da tarde, Miguel Oliveira revelou ter conseguido «uma boa base de trabalho» para o resto do fim-de-semana, sobretudo com as alterações feitas na KTM RC16 para o treino da tarde.

«Esperávamos ganhar mais agilidade nas curvas rápidas. As alterações que fizemos foi para isso. Temos de melhorar isso mais um pouco. No molhado também foi bom, construí uma boa referência. Se chover amanhã (sábado), já temos uma boa base», frisou o piloto português.

Miguel Oliveira chega a esta oitava prova da temporada como um dos pilotos em melhor forma, contanto dois segundos lugares e uma vitória nas últimas três corridas. Por isso, dado o momento de forma, revela que até preferia que no domingo não chovesse.

«Prefiro sempre uma corrida em piso seco. Só se estiver muito lento no seco é que prefiro correr com o piso molhado. Mas as previsões indicam que poderá estar seco no domingo. É esse o trabalho que temos de fazer e esperar mais piso seco para trabalhar mais nesse aspeto ao longo do fim-de-semana», destacou Miguel Oliveira.

O piloto luso explicou ainda que ao longo dos anos tem trabalhado para «melhorar as sensações com a aceleração». «Assen é um circuito com mudança de direção, com a frente da mota muito carregada. Ao longo dos anos, temos aproximado o carácter da moto para que mude de direcção mais naturalmente. Para já, em Assen, a nossa mota parece que funciona bem», concluiu.

Miguel Oliveira ocupa a sétima posição do campeonato, com 74 pontos, a 57 do líder, o francês Fábio Quartararo (Yamaha).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *