Fábio Quartararo “aniquilou” domínio da Ducati

Miguel Oliveira terminou no 15.º posto o Grande Prémio de Doha de MotoGP e somou mais um ponto no campeonato. Segue-se o Grande Prémio 888 de Portugal, em 18 de Abril, em Portimão, onde o português venceu em 2020.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

A história repetiu-se. Uma semana depois do espanhol Maverick Viñales (Yamaha) ter suplantado as Ducati que tinham dominado os treinos e a primeira metade da corrida, foi a vez do francês Fábio Quartararo (Yamaha) repetir o feito e garantir a segunda vitória da marca dos três diapasões, em outras tantas corridas.

O espanhol Jorge Martin (Ducati), que arrancou da “pole” comandou as primeiras 18 voltas da corrida, mas a quatro voltas do fim não resistiu ao ataque do francês e seria ainda ultrapassado na derradeira volta, pelo francês Johann Zarco (Ducati), que repetiu o segundo lugar da corrida anterior e vai chegar a Portugal no comando do campeonato.

O português Miguel Oliveira (KTM) fez um arranque fantástico, que o levou do 12.º lugar da grelha a terceiro na primeira curva, mas foi incapaz de manter o ritmo, desde cedo começou a andar para trás e terminou em 15.º, o último dos lugares pontuáveis.

A corrida de Moto2 não teve a emoção da corrida de Moto3, com o inglês Sam Lowes (Kalex) e o australiano Reny Gardner (Kalex) a repetirem os resultados da corrida de domingo passado, à frente do espanhol Raul Fernandez (Kalex) e do italiano Marco Bezzecchi (Kalex) que cedo formaram um quarteto que fugiu dos perseguidores.

O italiano comandou as três primeiras voltas, mas a partir da quarta o inglês assumiu o comando para não mais o largar, com as quatro primeiras posições a ficarem definidas na sexta das 20 voltas da corrida.

Para se ter uma ideia da superioridade do quarteto dianteiro basta referir que a diferença entre o quarto, Marco Bezzecchi, e o quinto, o japonês Ai Ogura (Kalex) foi de 10 segundos.

O espanhol Pedro Acosta (KTM), um dos “rookie” do ano, venceu a corrida de Moto3, depois de uma espectacular recuperação que o levou do 23.º lugar, a 10” dos homens da frente, à vitória alcançada na derradeira volta, depois de uma impressionante cavalgada que ninguém foi capaz de travar.

O atraso inicial foi consequência do espanhol e mais seis pilotos terem sido obrigados a partir da via das boxes, por, no segundo treino livre, aquele que definiu, pelas condições atmosféricas, os apurados para a Q2 terem reduzido, de forma ostensiva o andamento na parte final da sessão para prejudicarem os adversários.

Mas isso não impediu o espanhol de garantir a primeira vitória na categoria e ascender ao comando do respectivo campeonato, sendo de assinalar que o segundo classificado dos que partiram da via das boxes, o italiano Romano Fenati (Husqvarna), foi 10.º.

Para trás ficou uma corrida em que, como de costume, as trocas de posições foram uma constante, com o sul-africano Brad Binder (Honda) a tentar, nos derradeiros metros, graças ao efeito de aspiração, bater o espanhol mas a ter de contentar-se com o segundo lugar, depois de ter comandado a prova, por mais de uma vez, à frente, do italiano Niccolò Antonelli (KTM), que completou o pódio.

CLASSIFICAÇÕES

CORRIDAS

MotoGP – 1.º, Fábio Quartararo (Yamaha), 22 voltas (118,360 km), em 42’23,997” (167,4 km(h); ; 2.º, Johann Zarco (Ducati), a 1,457”; 3.º Jorge Martin (Ducati), a 1,500”; 4.º, Alex Rins (Suzuki), a 2,008”; 5.º, Maverick Viñales (Yamaha), a 2,110”; 6.º, Francesco Bagnaia (Ducati), a 2,642”; 7.º, Joan Mir (Suzuki), a 4,868”; 8.º, Brad Binder (KTM), a 4’979”; 9.º, Jack Miller (Ducati), a 5,365”; 10.º, Aleix Espargaro (Aprilia), a 5,382”; …; 15.º, Miguel Oliveira (KTM), a 8,928”. Classificaram-se mais cinco pilotos.

Moto2 – 1.º, Sam Lowes (Kalex) 20 voltas (107,60 km), em 39’52,702” (161,8 km/h); 2.º, Remy Gardner (Kalex), a 0,190”; 3.º, Raul Fernandez (Kalex), a 3,371”; 4.º, Marco Bezzecchi (Kalex), a 6,789”; 5.º, Ai Ogura (Kalex), a 16,640”; 6.º, Augusto Fernandez (Kalex), a 16,887”; 7.º, Celestino Vietti (Kalex), a 17,254”; 8.º, Stefano Manzi (Kalex), a 17,283”; 9.º, Xavi Vierge (Kalex), a 17,515”; 10.º, Fábio Di Giannantonio (Kalex), a 18,167”. Classificaram-se mais 11 pilotos.

Moto3 – 1.º, Pedro Acosta (KTM), 18 voltas (96,840 km), em 38’22,430” (151,4 km/h; 2.º, Darryn Binder (Honda), a 0,039”; 3.º, Niccolò Antonelli (KTM), a 0,482”; 4.º, Andrea Migno (Honda), a 0,514”; 5.º, Kaito Toba (KTM), a 0,651”; 6.º, Izan Guevara (Gas Gas), a 0,708”; 7.º, Ayumu Sasaki (KTM), a 1,805”; 8,º, Ryusei Yamanaka (KTM), a 1,857”; 9.º, Jaume Masia (KTM), a 1,875”; 10.º, Romano Fenati (Husqvarna), a 1’967”. Classificaram-se mais 13 pilotos.

CAMPEONATOS

PILOTOS

MotoGP – 1.º, Johann Zarco, 40 pontos; 2.º, Maverick Viñales, 36; 3.º, Fábio Quartararo, 36; 3.º, Francesco Bagnaia (Ducati), 26; 5.º, Alex Rins, 23; 6.º, Joan Mir, 22; 7.º, Jorge Martin, 17; 8.º, Aleix Espargaro, 15; 9.º, Jack Miller, 14; 10.º, Pol Espargaro, 11; …; 16.º, Miguel Oliveira, 4.

Moto2 – 1.º, Sam Lowes, 50 pontos; 2.º, Remy Gardner, 40; 3.º, Raul Fernandez, 27; 4.º, Marco Bezzecchi, 26; 5.º, Fábio Di Giannantonio, 22; 6.º, Celestino Vietti, 13; 7.º, Augusto Fernandez, 12; 8.º, Ai Ogura, 11; 9.º, Bo Bendsneyder, 11; 10.º, Joe Roberts, 10. Estão classificados mais 11 pilotos.

Moto3 – 1.º, Pedro Acosta, 45 pontos; 2.º, Darryn Binder, 36; 3.º, Jaume Masiam 32; 4.º, Niccolò Antonelli, 26; 5.º, Izan Guevara, 19; 6.º, Kaito Toba, 18; 7.º, Gabriel Rodrigo, 14; 8.º, Sérgio Garcia, 13; 9.º, Andrea Migno, 13; 10.º, Tatsuki Suzuki, 12. Estão classificados mais oito pilotos.

CONSTRUTORES

MotoGP – 1.º, Yamaha, 50 pontos; 2.º, Ducati, 40; 3.º, Suzuki, 26; 4.º, Aprilia, 15; 5.º, Honda, 11; 6.º, KTM, 11

Moto2 – 1.º, Kalex, 50 pontos; 2.º, Boscoscuro, 9

Moto3 – 1.º KTM, 50 pontos; 2.º, Honda, 36; 3.º, Gasgas, 13; 4.º, Husqvarna, 11

EQUIPAS

MotoGP – 1.º, Monster Energy Yamaha MotoGP, 72 pontos; 2.º, Pramac Racing, 57; 3.º, Team Suzuki Ecstar, 45; 4.º, Ducati Lenovo Team, 40; 5.º, Repsol Honda Team, 18; 6.º, Aprilia Racing Team Gresini, 15; 7.º, Red Bull KTM Factory Racing, 14; «8.º, Esponsorama Racing, 11; 9.º, Petronas Yamaha SRT, 8.

Moto2 – 1.º, Red Bull KTM Ajo, 67 pontos; 2.º, ELF Marc VDS Racing Team, 62; 3.º, Sky Racing Team VR46, 39; 4.º, Federal Oil Gresini Moto2, 22; 5.º, Petronas Sprinta Racing, 18; 6.º, Liqui Moly Intact GP; 13; 7.º, Italtrans Racing Team, 12; 8.º, Pertamina Mandalika SAG Team, 12; 9.º, Idemitsu Honda Team Asia, 11; 10.º, MB Conveyors Speed Up,9; 11.º, Flexbox HR40, 8;  12.º, American Racing, 5; 13.º, Solunion Aspar Team, 4.

Moto3 – 1.º, Red Bull KTM Ajo, 77 pontos; 2.º Petronas Sprinta Racing, 36; 3.º, Gasgas Gaivota Aspar, 32; 4.º, Avintia Esponsorama Moto3, 30; 5.º, CIP Green Power, 21; 6.º, Carexpert Pruestel GP, 21; 7.º, Rivacold Snipers Team, 16; 8.º, Indonesian Racing Gresini Moto3, 14; 9.º, SIC58 Squadra Corse, 12; 10.º, Steril Garda Max Racing Team, 11; 11.º, Red Bull KTM Tech3, 9; 12.º, Honda Team Ásia, 1.

Próxima prova – Grande Prémio 888 de Portugal, dia 18 de Abril, no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, onde Miguel Oliveira venceu a corrida em 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *