Esposende vai eternizar Paulo Gonçalves

Benjamim Pereira, presidente da Câmara Municipal, diz que o piloto português, que, além de «ser um cidadão de eleição, levava com muito orgulho o símbolo da terra».

(auto.look2010@gmail.com)

Benjamim Pereira

O piloto Paulo Gonçalves, falecido no domingo após uma queda no Rali Dakar, irá ser “eternizado” pela Câmara Municipal de Esposende, onde nasceu e residiu, afirmou o presidente Benjamim Pereira: «Levava com muito orgulho o símbolo da terra. Se soubermos bem o quanto valem os espaços na camisola de um desportista da categoria do Paulo, percebemos bem o que estava a fazer. Pode ser uma rua, uma avenida, um pavilhão ou uma estátua. Não queria particularizar agora, mas garanto que o nome dele será eternizado», referiu o autarca.

Antes de decidir «com alguma frieza» as homenagens futuras a «um homem super humilde, nada vedeta e totalmente dado à comunidade», as prioridades de Benjamim Pereira passam por «proteger a família, manter a comunidade serena e tratar das questões logísticas» necessárias à transladação dos restos mortais.

«A autópsia seria feita na Arábia Saudita, mas também poderia ser cá. Há muitas dúvidas e o processo pode demorar três a sete dias, de acordo com o conhecimento que tenho da embaixada. Esperemos que seja o mais rápido possível», frisou.

A secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, e o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, já entraram em contacto com Benjamim Pereira, de modo a disponibilizar «toda a ajuda necessária» aos familiares de Paulo Gonçalves, oriundo de Gemeses, freguesia de Esposende, com cerca de 1.000 habitantes.

«Estão frágeis e querem viver estes momentos com o recato possível. Sabemos que o tempo ajuda a amenizar, mas a forma inesperada como isto aconteceu deixa as pessoas por terra, porque houve projectos de vida que se desmoronaram de repente», partilhou.

Ainda a digerir «uma total surpresa», o edil irá decretar um dia de luto municipal, a coincidir com a realização do funeral, em data a definir pela autarquia, família e igreja, após existirem as «condições ideais para acolher muita gente e preparar uma despedida digna».

«Não negava um autógrafo, muito menos que as pessoas se aproximassem da sua moto para verem e experimentarem. Era um ídolo para a juventude, uma pessoa muito especial para o município e uma figura mundial. Perdemos um cidadão de eleição», lamentou.

Destacando o altruísmo de Paulo Gonçalves no Dakar2016, quando parou para auxiliar o austríaco Matthias Walkner, numa atitude reconhecida pela organização da prova, mas que podia ter custado a liderança da classificação das motos, Benjamim Pereira espera que o «exemplo» do piloto em termos desportivos e sociais «sirva de inspiração para muitos».

«Naquele momento foi fantástico e ganhou muito mais do que o Dakar. O Paulo era um rapaz de origens humildes, mas conseguiu chegar ao topo na carreira que escolheu, mostrando aos jovens que podem sonhar com um mundo melhor», apontou.

O piloto português morreu no domingo após uma queda ao quilómetro 276 da sétima de 12 etapas da 42.ª edição do Rali Dakar de todo-o-terreno, na Arábia Saudita, tendo o alerta sido comunicado às 10h08 locais, menos três em Lisboa. De imediato foi enviado um helicóptero que chegou junto do piloto às 10h16, tendo encontrado Paulo Gonçalves inconsciente e em paragem cardiorrespiratória, antes de seguir para o hospital, onde foi declarada a sua morte.

«Depois de várias tentativas de reanimação no local, o piloto foi helitransportado para o hospital de Layla, onde foi confirmada a morte», referiu a organização do Dakar, prova na qual foi segundo em 2015 e participava pela 13.ª vez, ocupando a 46.ª posição das motos.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação