Espanhol Carlos Sainz à grande e à britânica

Piloto espanhol soma primeira vitória da carreira em Grande Prémio da Grã-Bretenha de “loucos”. Corrida começou com um aparatoso acidente que a interrompeu e ainda teve uma entrada de “safety car” perto do fim, mas terminou com triunfo do espanhol, que tinha partido da “pole position”.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Um dia depois de, pela primeira vez, ter assegurado a “pole position”, o espanhol Carlos Sainz (Ferrari) inscreveu o seu nome na lista dos vencedores do Campeonato do Mundo de Fórmula 1, naquela que foi a sua 150.ª participação na competição. Vitória alcançada numa corrida emotiva, que foi parada logo após a partida, teve nove mudanças de comandante, uma situação de “safety car”, na fase final, que o beneficiou, com o espanhol a só não fazer o pleno (“pole”, volta mais rápida e vitória) porque na derradeira volta, o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) estabeleceu o melhor tempo por volta.

Apesar de largar da primeira posição da grelha, Carlos Sainz foi surpreendido no arranque pelo neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda), que partiu com pneus macios, contra os médios do seu adversário, mas a corrida seria de imediato interrompida, em consequência de dois acidentes, ocorridos na recta logo após a partida.

O primeiro foi consequência de um “toque” do inglês George Russell (Mercedes), que deixou de ser o único a pontuar em todas as provas, no chinês Guanyu Zhou (Alfa Romeo/Ferrari), cujo carro capotou, atravessou a gravilha, saltou os “rails” e só parou entre estes e as redes de protecção do público.

O segundo envolveu o japonês Yuki Tsunuda (Alpha Tauri/Honda), o tailandês Alexander Albon (Williams/Mercedes) e o francês Esteban Ocon (Alpine/Renault), com o japonês e o francês a conseguirem reparar os estragos no intervalo entre as duas partidas, enquanto o chinês e o tailandês eram conduzidos ao centro médico do circuito, com o segundo a ser conduzido ao hospital, como medida de precaução.

Para a segunda partida, que aconteceu com os carros nas posições iniciais, por não se ter completado uma volta, Max Verstappen trocou os pneus macios por médios e Carlos Sainz não se deixou surpreender e assumiu o comando da corrida.

Enquanto isso, atrás de si, a luta pelas primeiras posições foi intensa, chegando a haver três carros lado a lado, o que levou a um “toque” entre o mexicano Sergio Perez (Red Bull/Honda), que foi à “box” reparar os estragos, e o monegasco Charles Leclerc (Ferrari), que fez toda a corrida sem o perfil lateral direito da asa dianteira.

Contudo, à 10.ª volta, Carlos Sainz alargou demasiado a trajectória, numa das curvas, e Max Verstappen não perdoou e assumiu o comando, que perderia três voltas depois, quando parou para trocar pneus.

A partir daí o neerlandês começou a andar para trás para terminar em sétimo e somar seis pontos, que lhe permitem manter o comando, agora com 34 pontos de avanço sobre o mexicano Sergio Peres (Red Bull/Honda), seu colega de equipa.

Com a paragem do campeão do mundo, os dois Ferrari ficaram na frente, perseguidos por Lewis Hamilton, situação que se manteve até à altura em que os responsáveis da equipa italiana mandaram entrar os seus pilotos para trocar de pneus.

Enquanto isso, Sergio Perez, que tinha caído para 17.º, me consequência da paragem inicial na “box”, recuperava e já era sexto. E as bancadas de Silverstone explodiram quando Charles Leclerc, que comandava, parou e Lewis Hamilton assumiu o comando.

A partir daí foi um jogo do “rato e do gato”, com o inglês a tentar ganhar margem para trocar de pneus e manter o comando e os pilotos dos carros vermelhos a esforçarem-se para que isso não acontecesse.

Quando parou, a vantagem do piloto do Mercedes estava no limite, mas uma paragem demasiado prolongada fê-lo cair para terceiro, atrás de Charles Leclerc e Carlos Sainz, com as diferenças a serem pequenas e a ficar tudo em aberto quando faltavam 19 voltas para o fim da corrida.

Só que a 13 voltas do fim, Esteban Ocon (Alpine/Renault) ficou parado na pista, o “Safety Car” entrou em acção e alguns pilotos foram às “boxes” montar pneus macios para a fase final da corrida.

Numa jogada estratégica a Ferrari manteve Charles Leclerc, que comandava, em pista e fez entrar Carlos Sainz, com Lewis Hamilton, Sergio Perez e Fernando Alonso, entre outros a fazerem o mesmo.

Quando a corrida recomeçou assistiu-se a um intenso duelo entre os homens da frente, com os carros a estarem muito perto de se tocarem e com Charles Leclerc a não resistir aos ataques de Carlos Sainz, Sergio Perez e Lewis Hamilton, que terminaram por esta ordem, mas a “travar” o mexicano e o inglês o tempo suficiente para o espanhol triunfar.

Por ter trocado de pneus, o espanhol Fernando Alonso (Alpine/Renault) conseguiu superar o inglês Lando Norris (McLaren/Mercedes) e garantir o quinto lugar, com Max Verstappen a terminar à frente do alemão Mick Schumacher (Haas/Ferrari), que somou os primeiros pontos na F1, enquanto o seu compatriota Sebastian Vettel (Aston Martin/Mercedes) e o dinamarquês Kevin Magnussen (Haas/Ferrari) completaram o lote de pilotos que terminou nos pontos.

Ficha da prova

Prova – Lenovo British Grand Prix du Canada

Data – 2 de Julho

Circuito – Silverstone Circuit

Extensão – 306,198 km = 52 x 5,891 km

“Pole position” – Carlos Sainz (Ferrari F1-75/Ferrari), 1 volta (5,891 km), em 1’40,983” (210,011 km/h)

Grelha de partida1.ª linha: Carlos Sainz (Ferrari F1-75/Ferrari); Max Verstappen (Red Bull RB18/Honda); 2.ª linha: Charles Leclerc (Ferrari F1-75/Ferrari); Sérgio Perez (Red Bull RB18/Honda); 3.ª linha: Lewis Hamilton (Mercedes W13/Mercedes); Lando Norris (McLaren MCL36/Mercedes); 4.ª linha: Fernando Alonso (Alpine A522/Renault); George Russell (Mercedes W13/Mercedes); 5.ª linha: Guanyu Zhou (Alfa Romeo C42/Ferrari); Nicholas Latifi (Williams FW44/Mercedes); 6.ª linha: Pierre Gasly (Alpha Tauri AT03/Honda); Valtteri Bottas (Alfa Romeo C42/Ferrari); 7.ª linha: Yuki Tsunuda (Alpha Tauri AT03/Honda); Daniel Riccardo (McLaren MCL36/Mercedes); 8.ª linha: Esteban Ocon (Alpine A522/Renault); Alexander Albon (Williams FW44/Mercedes); 9.ª linha: Kevin Magnussen (Haas VF-22/Ferrari); Sebastian Vettel (Aston Martin AMR22/Mercedes); 10.ª linha: Mick Schumacher (Haas VF-22/Ferrari); Lance Stroll (Aston Martin AMR22/Mercedes)

Comandantes sucessivos – Max Verstappen, na 1.ª volta; Carlos Sainz, da 2.ª à 9.ª volta; Max Verstappen, da 10.ª à 12.ª volta; Carlos Sainz, da 13.ª à 20.ª volta; Charles Leclerc, da 21.ª à 25.ª volta; Lewis Hamilton, da 26.ª à 33.ª volta; Charles Leclerc da 34.ª à 38.ª volta; Lewis Hamilton, na 39.ª volta; Charles Leclerc, da 30.ª à 42;ª volta; Carlos Sainz, da 43.ª à 52.ª volta

Volta mais rápida – Lewis Hamilton (Mercedes W13/Mercedes), 1 volta (5,891 km), em 1’30,510” (234,312 km/h)

Vencedor – Carlos Sainz (Ferrari F1-75/Ferrari), 52 voltas (306,198 km), em 2.17’30,311” (133,285 km/h)

CLASSIFICAÇÃO

POS. PILOTO CARRO MOTOR TEMPO
1.º Carlos Sainz Ferrari F1-75 Ferrari 2.17’30,311”
2.º Sergio Perez Red Bull RB18 Honda a 3,779″
3.º Lewis Hamilton Mercedes W13 Mercedes a 6,225″
4.º Charles Leclerc Ferrari F1-75 Ferrari a 8,546″
5.º Fernando Alonso Alpine A522 Renault a 9,571″
6.º Lando Norris McLaren MCL36 Mercedes a 11,943″
7.º Max Verstappen Red Bull RB18 Honda a 18,777″
8.º Mick Schumacher Haas VF-22 Ferrari a 18,995″
9.º Sebastian Vettel Aston Martin AMR22 Mercedes a 22,355″
10.º Kevin Magnussen Haas VF-22 Ferrari a 24,590″
11.º Lance Stroll Aston Martin AMR22 Mercedes a 26,147″
12.º Nicholas Latifi Williams FW44 Mercedes a 32,511″
13.º Daniel Ricciardo McLaren MCL36 Mercedes a 32,817″
14.º Yuki Tsunoda Alpha Tauri AT03 Honda a 40,910″

CLASSIFICAÇÕES DOS CAMPEONATOS

PILOTOS – 1.º, Max Verstappen, 181 pontos; 2.º, Sergio Perez, 147; 3.º, Charles Leclerc, 138; 4.º, Carlos Sainz, 127; 5.º, George Russell, 111; 6.º, Lewis Hamilton, 93; 7.º, Lando Norris, 58; 8.º, Valtteri Bottas, 46; 9.º, Esteban Ocon, 39; 10.º, Fernando Alonso, 28; 11.º, Pierre Gasly, 16; 12.º, Kevin Magnussen, 16; 13.º, Daniel Riccardo, 15; 14.º, Sebastian Vettel, 15; 15.º, Yuki Tsunoda, 11; 16.º, Guaynu Zhou, 5; 17.º, Mick Schumacher, 4; 18.º, Alexander Albon, 3; 19.º, Lance Stroll, 3

CONSTRUTORES – 1.º, Oracle Red Bull Racing, 328 pontos; 2.º, Scuderia Ferrari, 265; 3.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 204; 4.º, McLaren F1 Team, 73; 5.º, Alfa Romeo F1 Team Orlen, 67; 6.º, BWT Alpine F1 Team 51; 7.º, Scuderia AlphaTauri, 27; 8.º, Aston Martin, 20; 9.º, Haas F1 Team, 18; 10.º, Williams Racing, 3

Próxima prova – Rolex Grosser Preis Von Osterreich, dia 10 de Agosto, no Red Bull Ring.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.