Esapekka Lappi testou Citroën C3 WRC em Mortágua

O finlandês voltou a acelerar com a viatura da marca francesa em território nacional, desta vez na especial da Tojeira, no concelho de Mortágua, verificando as potencialidades do C3 WRC tendo em vista os ralis da Argentina e Chile.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt) – Fotos: JOSÉ MOURA

A marca francesa prosseguiu esta quarta-feira os testes e Esapekka Lappi acelerou o C3 WRC na zona da Tojeira, em Mortágua, um concelho com uma paisagem intensamente rural e uma forte ligação das gentes ao rio e à terra. E foi exactamente na parte final da especial de terra que “alimenta” o mítico Rali de Mortágua – este ano na estrada a 3 e 4 de Maio, prova organizada pelo Clube Automóvel do Centro –, que o jovem finlandês voltou a sentir o pulsar da viatura, numa sessão que visou, essencialmente, testar as afinações.

Com o camião descaracterizado da equipa Citroën Total World Rally Team imobilizado num local sublime, com a paz de espírito e sossego, andam de mão dada com tranquilidade, em que se respira ar puro e com uma beleza natural a perder de vista, Esapekka Lappi “rompeu” com todos estes predicados para, pulverizar de pó o troço definido e elevar o entusiasmo dos recatados adeptos dos ralis.

À semelhança do que aconteceu na véspera, em Arganil, o piloto finlandês e a equipa francesa tiraram os devidos dividendos das excelentes condições existentes nos caminhos de terra batida da especial da Tojeira com o propósito de ajustar o Citroën C3 WRC para os desafios que se aproximam.

Sob a liderança atenta de Pierre Budar, o finlandês Esapekka Lappi foi subindo e descendo a especial com as pás das eólicas no topo da serra a “empurrar” o muito pó levantado pela viatura da marca do “double chévron”. O jovem piloto, não desperdiçou um segundo que fosse para regular os requisitos tendo em vista os ralis da Argentina e Chile, antes de voltar ao nosso país para alinhar, de 30 de Maio a 2 de Junho, no Vodafone Rali de Portugal.

E foi nesse “vai e vem” constante que Esapekka Lappi foi melhorando a performance da viatura, assinalando, a cada subida e descida, os comportamentos a alterar ou a manter. Entre os pequenos intervalos a que esteve sujeito, para que o staff trabalhasse no veículo de competição, o piloto finlandês e o seu navegador Janne Ferm nunca viraram as costas a um pedido para uma fotografia ou, simplesmente, uma selfie. Uma impressionante calma e serenidade desta jovem dupla, com a energia e atitude de cada um em crescendo.

Depois do Rali da Córsega, este fim-de-semana, Esapekka Lappi não se poupou a esforços para sair de Portugal com mais uma missão cumprida. O piloto afirmou ao “autolook.pt” que «trabalhámos arduamente nestes últimos dias, com a esperança de um bom resultado na Argentina e Chile, em que procurámos, gradualmente, corroborar o “set-up” do nosso C3 WRC».

Depois de dois dias intensos de trabalho do finlandês Esapekka Lappi em Arganil e Mortágua, cabe agora ao seu companheiro de equipa, o francês Sebastien Ogier, prosseguir o trabalho de testes aos comandos de um Citroën C3 WRC, mas desta vez na região de Viana do Castelo.

Serão dois dias de trabalho enérgico do campeão mundial em título para aperfeiçoar a condução nas duas próximas provas a disputar em território sul-americano. A Citroën Total World Rally Team terá pela frente a missão de continuar a trabalhar consistentemente no sentido de reduzir as diferenças com seus adversários, após uma prestação menos conseguida no Rali da Córsega.

 

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação