Equipa inclusiva com novo fôlego nas 24 Horas de TT

As BP Ultimate 24 Horas TT Vila de Fronteira, que está a decorrer na vila do Baixo Alentejo, marca a estreia de uma equipa inclusiva. Um problema ao nível eléctrico afastou-a do traçado durabte 11 horas, mas não arrefeceu o entusiasmo da formação do buggy Astra GTC.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt) – Fotos: JOÃO DA FRANCA / ACP

A passagem pela área dos boxes às 23h07 deste sábado ditou que a viatura da equipa inclusiva ficasse “estacionada” por um longo espaço de tempo, levando os elementos da equipa de assistência a desenvolver uma operação vagarosa nos ajustes na configuração eléctrica do Astra GTC com o número 71 nas portas.

A equipa de assistência MM 6018 Parts 4×4, de Leiria, liderada por Miguel Marques e que integra ainda Élio Mateus, Pedro Sousa e Nelson Vieira, teve um trabalho aturado, devolvendo de novo o entusiasmo à formação inclusiva 11 horas depois. Na estreia nas BP Ultimate 24 Horas TT Vila de Fronteira, a equipa inclusiva regressou assim ao traçado desenhado pelo Automóvel Club de Portugal (ACP) com a mesma determinação como iniciou esta odisseia.

Se Ivo Monteiro foi quem detectou a anomalia, coube a Nuno Neto pegar no volante para reiniciar a prova, contando com Telmo Pinão na baquet do lado direito do Astra GTC, um buggy que tem “alojado” um conjunto de pessoas com deficiência motora. Além do piloto Telmo Pinão, fazem parte da equipa André Venda e João Luz, mas este último não se deslocou a Fronteira por motivos de saúde.

O volante do “Astronda”, como é apelidado carinhosamente o Astra GTC, tem sido repartido pelo ciclista paralímpico Telmo Pinão, Ludgero Santos, Nuno Neto, Ivo Monteiro e Milton Dias.

Telmo Pinão, que participou nos Jogos Paralímpicos Rio2016 e Tóquio2020, garantiu ser um apaixonado pelos desportos motorizados e assumiu que a participação no Rali Dakar é um sonho de vida» que ainda espera concretizar.

Aos 42 anos, e 19 depois de ter perdido a perna direita num acidente de quad, Telmo Pinão, de Montemor-o-Velho a residir em Cantanhede, ambos do distrito de Coimbra, explica que a participação na 23.ª edição das BP Ultimate 24 Horas de Fronteira tem uma vertente social e de inclusão muito importante.

«Estamos todos unidos no mesmo espírito, ou seja, por uma nobre causa. Pretendemos angariar fundos para comprar uma “handbike” para a Associação Portuguesa de Ciclismo Adaptado (APCA). A componente da inclusão é importantíssima», sublinhou Telmo Pinão, um verdadeiro “motor” que faz mover quem quer que seja, numa forma muito peculiar e estar na vida e um exemplo a seguir.

Por seu turno, Ludgero Santos sustentou que, depois de 11 horas parados na box, «a equipa está agora centrada em alcançar 40% das voltas quando faltam cerca de duas horas para o termo da competição». «As equipas, tanto a inclusiva como a de assistência, estão fortemente empenhadas para que este objectivo seja atingido.

Refira-se que a equipa inclusiva conta com total apoio do Automóvel Club de Portugal que sempre revelou enorme entusiasmado com este projecto inclusivo e inédito. O apoio da estrutura organizativa da prova «permitiu promover o desporto motorizado adaptado, mostrando que não existe “Fronteiras”, para que todos, como mais ou menos handicap, possam participar e concretizar sonhos», sublinhou ainda Telmo Pinão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.