Emoção e muito público no sucesso do Estoril Classics

O segundo dia do Estoril Classics carimbou o sucesso do evento deste ano, com muito público a afluir ao Autódromo do Estoril e com corridas e máquinas que deixarão memórias vivas nos adeptos que se deslocaram à mais antiga pista permanente de Portugal.

(auto.look2010@gmail.com)

O evento de Historic Racing pretende juntar as grandes disciplinas do desporto motorizado desde a F1, Sports Cars, Motos, Rally, Turismos e GT e a verdade é que conquistou novamente imenso público. O dia irrompeu com o desfile das máquinas de diversos clubes presentes no evento, para se seguir o Spirit of Speed – FIM 70th Anniversary, com diversas motos a evoluírem no traçado do circuito situados nos arredores de Cascais.

O “pequeno-almoço” competitivo foi dado ao público que já se juntava nas bancadas pelo emotivo Troféu Mini, que juntou dezassete concorrentes que prometiam muita animação. Na primeira corrida, depois de intensas lutas e indefinição até à bandeirada de xadrez, era Philippe Quirière que vencia, sendo acompanhado na subida ao pódio por Fernando Soares e Jorge Correa. Nos Minis de grupo 1, reservados ao Troféu Mighty MINI, o vencedor foi Manuel Teixeira.

Na segunda prova, realizada ao fim da tarde, a receita foi a mesma. Grande emoção e lutas no meio do pelotão, mas o francês voltaria a triunfar, seguido por Fernando Soares, ao passo que António Silva completaria o pódio. Na luta mais aguerrida entre os Minis do Troféu, o vencedor desta segunda corrida foi Paulo Leitão.

Se os Mini impressionavam pela irrequietude, a categoria seguinte, a Classic F1 Pre-1986 apelavam aos sentidos de todos os presentes – o cantar agudo dos motores, as cores, a velocidade, deixavam qualquer um de queixo caído, apesar dos mais de trinta anos que qualquer monolugar já ostentava no seu “Cartão de Cidadão”.

A primeira prova do programa viu o vistoso Tyrrell 012 de Martin Stretton a impor-se, batendo o clássico Lotus 91-07 de Katsuaki Kubota e o Shadow DN8 de Jamie Constable, depois do japonês e do inglês terem trocado de posições por algumas vezes.

A segunda corrida do dia do Classic F1 Pre-1986, foi disputada já durante a tarde, depois da pausa de almoço, apresentando-se a Bancada A do Autódromo do Estoril cheia para voltar a sentir os motores dos carros de Grande Prémio ecoarem pelo circuito.

Martin Stretton voltou a ditar a lei do seu Tyrrell, vencendo a segunda corrida, seguido pelo berrante McLaren M26 de Frank Lyons, que de manhã abandonara. Jamie Constable voltaria a repetir o terceiro lugar com o seu Shadow, ao passo que Katsuaki Kubota sentia problemas na caixa de velocidades do seu Lotus, abandonando.

O FIA Lurani Trophy voltou a dar uma ideia do que eram as fórmulas de promoção de antigamente. Os monolugares da antiga Fórmula Junior mostraram que ainda obtêm performances muito respeitáveis, permitindo a Richard Bradley (Brabham BT2) vencer, seguido de Mark Shaw (Brabham BT6) e Bruno Weibel (Lotus 22), repetindo o pódio da prova de sábado.

Dos monolugares dos anos cinquenta e sessenta passou-se para o exotismo dos protótipos, GT e turismos dos anos sessenta e setenta, com o Iberian Historic Endurance. O pódio teve um representante de cada uma das categorias, com Carlos Barbot a impor o seu Merlyn Mk4 frente ao Ford Escort RS 1600 de Miguel Ferreira e Francisco Carvalho e ao Ginetta G10 de James Guess e James Hilliard.

Depois dos desfiles de clubes e da celebração do 60.º aniversário da MINI com mais de 200 MINI em pista, os carros de rali voltaram à recta da meta do Autódromo do Estoril para mais um slalom de exibição, levando o imenso público que ocupava a bancada A ao êxtase. Ari Vatanen e Mikko Hirvonen voltaram a impressionar pela mestria com que negociavam os mecos, sempre a bordo das máquinas nas quais se notabilizaram – Opel Manta 400 e Ford Focus WRC, respectivamente.

A tarde abriu com nova revisita ao passado da Fórmula 1, desta feita através do HGPCA F1 – Pre 1966, voltando os Brabham, Lotus, Cooper, entre outros a assumir o protagonismo. Jon Fairley em Brabham BT11 repetiu o triunfo de ontem, ao bater Andrew Beaumont por um segundo, numa corrida em que a indefinição durou até à última volta. Sid Hoole, em Cooper T66 F1 completou o pódio, tendo esta prova servido de aperitivo aos concorrentes da Classic F1 Pre 1986.

Do passado da categoria máxima do desporto automóvel os espectadores que enchiam o Autódromo do Estoril passaram para as máquinas que evocam o passado do ícone que são as 24 Horas de Le Mans. Max Hilliard e Nick Padmore, em Chevron B19, repetiram o triunfo do dia anterior, batendo o Osella PA3 de John Spiers e o Lola T292, do Team Bip, tripulado pelo português Carlos Tavares, que replicaram o pódio de ontem.

O fim-de-semana competitivo terminava com o regresso dos turismos ao palco, o Group 1 Portugal. João Diogo Lopes foi o melhor, em Ford Escort RS 2000, seguido pelo Jaguar XJ8 V12 de André Castro Pinheiro e o Ford Escort RS 2000 de Paulo Vieira encetou o pódio.

Com a noite a querer descer sobre o Autódromo do Estoril, foi a vez dos clubes se exibirem mais uma vez ao longo da mais antiga pista permanente portuguesa, despedindo-se do público que escolheu ficar nas bancadas até ao último instante do Estoril Classics deste ano.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação