Elisabete Jacinto está a uma etapa da vitória

Piloto do MAN mantém a liderança dos camiões no Africa Eco Race 2019 – quinta na tabela conjunta com os automóveis – após ter sido disputada as cidades de Ain Attaya a Akjout, na Mauritânia.

CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Elisabete Jacinto mantém a liderança dos camiões no Africa Eco Race 2019, após ter sido disputada a décima especial desta grande maratona africana que foi cumprida hoje ao longo de 471,58 quilómetros cronometrados que ligaram Ain Attaya a Akjout, na Mauritânia. Na classificação geral, o trio português subiu uma posição ocupando agora o 5.º lugar da tabela conjunta com os automóveis e está, neste momento, a apenas uma etapa de triunfar pela primeira vez no Africa Eco Race.

Na longa e difícil 10.ª jornada desta prova, onde predominaram os percursos de areia e travessias de dunas, a equipa da piloto portuguesa gastou 7h24m33s a percorrer o sector selectivo terminado no 4.º lugar da sua categoria, a apenas 15 minutos de Tomas Tomecek o vencedor da etapa de hoje entre os T4.

A última especial do rali que ainda integra a classificação será disputada amanhã na Mauritânia onde são aguardadas várias dificuldades. No entanto, os portugueses estão motivados e confiantes uma vez que o segundo lugar dos camiões, que pertence ao belga Noel Essers, permanece com uma desvantagem de 2 horas para a formação lusa.

Elisabete Jacinto, apesar das dificuldades que o sector selectivo apresentava, alcançou mais um bom resultado: «A etapa de foi muito comprida e difícil porque o percurso tinha muitas dunas complicadas de transpor. Da nossa parte fizemos bem todas as dunas e apenas perdemos algum tempo num sítio onde a areia estava muito mole».

«Ficámos presos e tivemos que cavar. O nosso maior problema foi a descer uma duna e batemos numa erva de camelo muito grande. Ficámos com o camião preso e tivemos que pedir ajuda à equipa do Iveco para nos puxar. Foi uma jornada difícil, mas no conjunto acabámos por não ficar mal classificados», revelou a piloto que hoje terminou a especial na 9.ª posição da classificação conjunta.

Recorde-se que Elisabete Jacinto tem no seu currículo vários triunfos entre os T4 nas mais diversas provas africanas (Rali de Marrocos e Rali da Tunísia), mas nesta longa maratona de todo-o-terreno, uma das maiores da actualidade, a sua melhor classificação foi o 2º lugar da classe que alcançou em dois anos consecutivos, 2011 e 2012.

Será disputado este sábado o 11.º sector selectivo do Africa Race 2019. Como é habitual, esta última especial da Mauritânia será relativamente curta para não perder tempo e permitir que todos se juntem no acampamento em St. Louis ao pôr-do-sol. Com 217,69 quilómetros cronometrados esta jornada será cumprida maioritariamente em pistas arenosas e dunas.

Nos automóveis, e depois de ter passado pelo inferno com um problema mecânico, a dupla Yves Fromont e Paul Vidal (Optimus) assinou a segunda vitória, o que lhe permite alcançar a terceira posição na classificação geral no ranking entre automóveis e camiões.

Na segunda posição e a 10m36 s de diferença para os vencedores, ficaram David Gerard e Pascal Delacour, também num buggy Optimus, apresentando um bom desempenho nesta etapa, conservando o segundo lugar do pódio.

Já Jean-Pierre Strugo e François Borsotto não evitaram um enorme susto, ao pensar que tinham perdido muito tempo depois de se terem extraviado. Na realidade, os líderes estavam no caminho certo e chegam no terceiro posto, a 11m56s, mantendo a posição de comandantes da geral, com Jean-Nöel e Rabha Julien a alcançar o 4.º lugar, a 19m55s.

Nas duas rodas, a surpreendente e escaldante vitória de Francisco Arredondo (KTM) arrefeceu, de certa forma, o duelo titânico que tem sido protagonizado por Alessandro Botturi (Yamaha) e Pal Anders Ullevalseter (KTM). Na etapa desta sexta-feira, os dois pilotos que esgrimem argumentos pelo triunfo à geral, teve um atractivo especial, já que estiveram perdidos, percorrendo cerca de 16 quilómetro na direcção oposta na companhia de Simone Agazzi e Felix Jensen.

No regresso à pista, os pilotos que estiveram perdidos limitaram-se a seguir Francisco Arredondo para terminar a etapa todos juntos, com benefício para o vencedor da tirada, embora esteja a distantes 5h34m07s do líder da competição, o italiano Alessandro Botturi, que a um dia da consagração disfruta de 7m08s para o norueguês Pal Anders Ullevalseter.

A uma etapa final da Africa Eco Race, o piloto italiano tem praticamente um pé no degrau mais alto do pódio, a não ser que uma catástrofe o retire da vitória certa em termos globais.

Este sábado terá lugar a etapa final da Africa Eco Race 2019 que levará os sobreviventes de Akjoujt a Fimlit após 218 quilómetros de pista arenosa entre as dunas.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação