Duelo de campeões no Rali de Monte Carlo

O francês Sébastien Ogier lidera o Rali de Monte Carlo no arranque da era híbrida do Mundial de Ralis, após a disputa das duas primeiras especiais da prova, na noite de hoje. Para amanhã, sexta-feira, estão previstas seis especiais, com um total de 97,86 quilómetros cronometrados.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Sébastien Ogier (Toyota GT Yaris Rally1)

Os franceses Sébastien Ogier (Toyota GT Yaris Rally1) e Sébastien Loeb (Ford Puma Rally1) terminam o primeiro dia da 90.ª edição do Rali de Monte Carlo, que assinala o arranque do 50.º “Mundial” da especialidade, nas duas primeiras posições, separados por 6,7 segundos com vantagem do piloto da marca japonesa.

Trata-se de um duelo de campeões que se adivinha, com a Ford a mostrar uma competitividade que não era visto nos últimos anos, demonstrada pelo facto do francês Adrien Fourmaux (Ford Puma Rall1) e o inglês Gus Greensmith (Ford Puma Rally1) a terminarem o dia em quarto e quinto, respectivamente. Ambos os pilotos terminaram atrás do inglês Elfyn Evans (Toyota GT Yaris Rally1), o terceiro, a 11,2 segundos de Sébastien Ogier, posições em que não é habitual ver as equipas da marca da oval.

Sébastien Loeb (Ford Puma Rally1)

«Estamos a tentar fazer pequenos ajustes no carro, mas estamos satisfeitos por termos chegado ao final», disse Sébastien Ogier, campeão mundial em título. Já Sébastien Loeb, que este ano regressou ao campeonato a tempo parcial com a Ford, mostrou-se satisfeito com o desempenho.

«Divertimo-nos. Mas, foi muito duro para os pneus, que sobreaqueceram a meio do (segundo) troço, tornando difícil manter o carro na estrada», sublinhou o piloto da Alsácia, que já conquistou nove títulos mundiais (entre 2004 e 2012).

Mau começo para a Hyundai, com o belga Thierry Neuville (i20 N Rally) em sexto, o melhor classificado, com o estónio Ott Tanak, em viatura idêntica que, de manhã, no “shakedown”, a ter problemas que o levaram regressar ao Parque de Assistência, a voltar a queixar-se problemas de motor.

Elfyn Evans (Toyota GT Yaris Rally1)

Também o sueco Oliver Solberg (Hyundai i20 N Rally1) não evitou um pião na segunda especial, a exemplo do que aconteceu na classificativa de abertura ao finlandês Kalle Rovampera (Toyota GR Yaris Rally1), o que justifica o facto de serem os últimos dos novos carros.

Em termos de geral, o finlandês foi superado pelo francês Eric Camilli (Citroën C3 Rally2), primeiro dos RC2, com 9,1 segundos de vantagem sobre o norueguês Andreas Mikkelsen (Skoda Fabia Rally2 Evo), que inicia a defesa do respectivo título.

Apesar da noite fria, as duas classificativas apresentaram-se, de um modo geral, secas, embora com algumas zonas com água, mas a maior dificuldade dos pilotos foi a adaptação ao seu estilo de condução aos novos carros, que dispõem de uma potência da ordem dos 500 cv e combina motores de combustão, com motores eléctricos, o que obriga a guiar de outra maneira. E uma coisa é testar outra é competir.

Amanhã, sexta-feira, haverá seis classificativas que, na realidade, são três feitas por duas vezes: Roure/Beuil (18,33 km), Guillames/Péone/Valberg (13,49 km), e Val-de-Chavagne/Entrevaux (17,11 km).

CLASSIFICAÇÃO, APÓS DUAS ESPECIAIS – 1.º Sébastien Ogier/Benjamin Veillas (Toyota GR Yaris Rally1), 25’48,4”; 2.º Sébastien Loeb/Isabelle Galmiche (Ford Puma Rally1), a 6,7”; 3.º Elfyn Evans/Scott Martin (Toyota GR Yaris Rally1), a 11,2”; 4.º Adrien Fourmaux/Alexandre Coria (Ford Puma Rally1), a 17,9”; 5.º Gus Greensmith/Jonas Andersson (Ford Puma Rally1), a 21’9”; 6.º Thierry Neuville/Martijn Wydaeghe (Hyundai i20 N Rally1), a 28,5”; 7.º Craig Breen/Paul Nagle (Ford Puma Rally1), a 29,2”; 8.º Ott Tanak/Martin Jarveoja (Hyundai i20 N Rally1), a 41,1”; 9.º Takamoto Katsuta/Aaron Johnstone (Toyota GR Yaris Rally1), 48,2”; 10.º Oliver Solberg/Elliott Edmondson (Hyundai i20 N Rally1), a 58,8”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.