Diogo Ventura passa a porta do título nacional

Piloto do Góis Moto Clube, Lousãmotos e Alves Bandeira deixou o segundo classificado, Gonçalo Reis (Gas Gas), a 13 pontos, precisamente no dia 13, dia de sorte para a Honda CRF 300 RX, com o número 52.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Depois de ter dominado o primeiro de dois dias de competição do Motor Clube do Marco, Diogo Ventura apresentou-se determinado no segundo e deixou tudo em “pratos limpos” porque não há duas sem três. Depois dos dois triunfos alcançados na Lousã e Águeda, o piloto Góis Moto Clube, Lousãmotos e Alves Bandeira confirmou que estava dada a primazia aos resultados, de forma a garantir a terceira vitória e “limpar” qualquer dúvida que persistisse para chegar ao título absoluto do Campeonato Nacional de Enduro.

Nesta fase de retoma, era fundamental ganhar e poder recuperar o ceptro, embora tivesse de enfrentar o último capítulo de um livro aberto com a máxima determinação, porque algumas “personagens” perfilavam-se com o intuito de agarrar a oportunidade de assumir o papel principal.

Como cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém, Diogo Ventura, que na véspera já tinha garantido o ceptro da Elite 2, focou-se desde a partida nos objectivos traçados e, ao cabo das cinco primeiras especiais, apossou-se do comando da classificação geral, com Hugo Basaúla (KTM TPI) a ter de se conformar com o segundo lugar, separado por 3,1 segundos do goiense.

Na altura em que Diogo Ventura assumiu a liderança e a dar um passo de gigante rumo ao título, a prova foi irremediavelmente suspensa na sequência do falecimento de Filipe Nunes, que alinhava na categoria Hobby. O piloto de Felgueiras, recuperador de helicópteros, sentiu-se mal, imobilizou a sua moto, mas infelizmente o óbito foi confirmado no local.

Encontrado o campeão nacional Absoluto e Elite 2, o piloto de Sintra, Gonçalo Reis (Gas Gas), campeão nacional de Elite 1, procurou por todos os meios “remar contra a maré”, ocupou o lugar mais baixo do pódio e ver fugir o título por entre os dedos, dado que, à partida para a prova de Marco de Canaveses, tinha um ponto de vantagem para “Didi” Ventura.

Diogo Vieira (Yamaha YZ) encerrou a temporada na quarta posição, com João Lourenço (Beta RR 300), a ocupar o “top five”. Tomás Clemente (KTM SX) e Manel Teixeira (Beta RR 250) terminaram a prova no sexto e sétimo posto, respectivamente.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação