Dia atípico com triunfo de Mathieu Serradori

Piloto francês e antigo motociclista venceu a oitava de 12 especiais do Rali Dakar na categoria automóvel, batendo o espanhol Fernando Alonso por 4h04s. Carlos Sainz cedeu terreno para Nasser Al-Attiyah e Stéphane Peterhansel na geral.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Sem motos nem “quads”, em consequência da morte de Paulo Gonçalves, que levou a direcção da prova a anular a etapa para as duas categorias, o dia revelou-se mais difícil para os automóveis, com os homens da frente a não terem as habituais referências proporcionadas pelos “motards” que, ao abrirem a estrada, deixam sulcos, que são depois lidos pelos pilotos e navegadores dos carros.

Foi por isso, que tirando partido do facto de partir lá para trás que o francês Mathieu Serradori (Century) foi o mais rápido no SS, à frente do espanhol Fernando Alonso (Toyota), que alcançou o melhor resultado num SS, até agora, e beneficiou, tal como o francês, de partir mais atrás.

Em contrapartida os três homens da frente tiveram dificuldades e perderam tempo, com o francês Sébastien Peterhansel (Mini), navegado pelo português Paulo Fiúza, a conseguir ser nono e a ganhar tempo aos seus adversários, embora esteja ainda a mais de 10 minutos do espanhol Carlos Sainz (Mini), que conserva o comando, mas não foi além do 15.º tempo no SS, quatro lugares atrás do qatari Nasser Al-Attiyah (Toyota) que reduziu, para pouco mais de seis minutos, o atraso para o espanhol.

A quatro dias do final da 42.ª edição da prova, Carlos Sainz mantém a liderança, agora com 6m40s de vantagem sobre Nasser Al-Attiyah e 13m09s sobre Stéphane Peterhansel. O português Ricardo Porém (Borgward) já não alinhou para a etapa de hoje devido a problemas com o seu carro.

Nos SSV, o brasileiro Reinado Varela (Cam-Am) fez o melhor tempo, com o norte-americano Casey Currie (Can-Am), apesar de ter sido sexto, a conservar o comando, enquanto o zinbabuano Conrad Rautenbach (PH-Sport), que tem a seu lado o português Filipe Palmeiro, foi nono no SS mas subiu ao quinto lugar da geral.

EQUIPA DE PAULO GONÇALVES RETIRA-SE DO DAKAR

Entretanto, a Hero Motorsports anunciou esta segunda-feira que vai abandonar o Dakar e que não vai participar no que resta da prova. Um porta-voz da equipa referiu ao site “Motorsport.com” que a equipa considera não haver condições para continuar, após a trágica morte de Paulo Gonçalves.

«É triste, mas sentimos que precisamos de espaço para fazer o luto pelo nosso amigo e companheiro de equipa», afirmou o porta-voz da Hero. Lesões «graves na cabeça, pescoço e coluna «terão sido a causa da morte de Paulo Gonçalves», adiantou hoje fonte da equipa Hero, explicando que, neste momento, estão a ser «tratados todos os trâmites burocráticos necessários» para a libertação do corpo, algo que «deverá acontecer ainda hoje».

Espera-se que a trasladação dos restos mortais do piloto aconteça, «na melhor das hipóteses», esta terça-feira. Segundo explicou a organização e foi possível ver nas imagens difundidas pelas televisões, o local onde Paulo Gonçalves morreu era uma recta em que os pilotos seguiam «a alta velocidade», e em que, segundo o piloto australiano Toby Price (KTM), havia «uma lomba».

O piloto português foi encontrado «inconsciente e em paragem cardiorrespiratória» e o óbito foi declarado já no hospital de Layla.

9.º ETAPA MARCA O REGRESSO DE MOTOS E QUADS

Após as duas noites em Wadi Al-Dawasir, a caravana ruma esta terça-feira a Haradh, tendo de enfrentar um Sector Selectivo de 410 km, a que se junta uma ligação de 476 km, a maior parte dela antes do arranque da etapa. As dunas voltam aparecer e a navegação volta a ser importante, com o regresso das motos e quads à pista a ajudar os homens dos automóveis.

CLASSIFICAÇÕES

8.ª ETAPA 477 KM

AUTOMÓVEIS – 1.º, Mathieu Serradori/Fabian Lurquin (Century), 3.48’23”; 2.º, Fernando Alonso/Marc Coma (Toyota), a 4’04”; 3.º, Orlando Terranova/Bernardo Graue (Mini), a 6’19”; 4.º, Giniel De Villiers/Alex Haro (Toyota), a 6’29”; 5.º, Yazzed Al-Rahji/Konstantin Zhiltsov (Toyota), a 7’16”; 6.º, Jakub Przygonski/Timo Gottschalk (Orlen), a 9’29”; 7.º, Bernhard Ten Brinke/Tom Colsoul (Toyota), a 10’19”; 8.º, Erik Van Loon/Sébastien Delaunay (Toyota), a 12’41”; 9.º. Stéphane Peterhansel/Paulo Fiuza (Mini), a 13’11”; 10.º, Nani Roma/Daniel Carreras (Borgward), a 14’33”; …;  17.º, Benediktas Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota), a 20’52”

SSV – 1.º, Reinaldo Varela/Gustavo Gugelmin (Can-Am9, 4.50’48”; 2.º, Francisco Lopez/Juan Pablo Vinagre (Can-Am), a 22”; 3.º, Austin Jones/Kellon Walch (Can-Am), a 7’21”; 4.º, Sergei Kariakin/Anton Vlasiuk (Can-Am), a 8’17”; 5.º, Aron Donzala/Maciej Marton (Can-Am), a 13’10”; …; 9.º, Conrad Rautenbach/Pedro Bianchi Prata (PH-Sport), a 23’09”

GERAL

AUTOMÓVEIS – 1.º, Carlos Sainz/Lucas Cruz (Mini), 31.56’52”; 2.º, Nasser Al-Attiyah/Mathieu Baumel (Toyota), a 6’40”; 3.º Stéphane Peterhansel/Paulo Fiuza (Mini), a 13’09”; 4.º, Yazzed Al-Rahji/Konstantin Zhiltsov (Toyota), a 32’25”; 5.º, Orlando Terranova/Bernardo Graue (Mini), a 43’02”; 6.º, Giniel De Villiers/Alex Haro(Toyota), a 53’12”; 7.º, Mathieu Serradori/Fabian Lurquin (Century), a 1.02’42”; 8.º, Bernard Ten Brinke/Tom Colsoul (Toyota), a 1.07’00”; 9.º, Yasir Seaidan/Kuzmich Alexy (Mini), a 2.37’18”; 10.º, Wei Han/Min Liao (Geely), a 3.06’20”; …; 19.º, Benediktas Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota), a 6.03’14”.

SSV – 1.º, Casey Currie/Sean Berriman (Can-Am), 39.47’37”; 2.º, Francisco Lopez/Juan Pablo Vinagre (Can-Am), a 15’40”; 3.º, Sergei Kariakin/Anton Vlasiuk (Can-Am), a 34’29”; 4.º, Conrad Rautenbach/Pedro Bianchi Prata (PH-Sport), a 1.06’03”; 5.º, Jose Antonio Lopez/Diego Gil (Can-Am), a 1.08’25”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: