Descalabro da Ferrari na magia de Hamilton

O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) fez hoje a volta mais rápida da história da Fórmula 1, que lhe valeu a conquista da “pole position” para o Grande Prémio de Itália, que se disputa este domingo. O campeão mundial em título gastou 1m18,887s para percorrer os 5,793 quilómetros do traçado de Monza.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Com o alemão Sebastian Vettel (Ferrari) a não passar da Q1 (17.º) e com o monegasco Charles Leclerc (Ferrari) a quedar-se pela Q2 (13.º), a Ferrari confirmou o mau momento que está a viver e logo num circuito (Monza) que muito diz aos “tiffosi” da marca de Maranello, desta vez afastados das bancadas e poupados a mais uma humilhação sofrida pelo construtor italiano.

Indiferente ao que se passa com a concorrência e mesmo sem puderem utilizar o “party mode”, que segundo alguns lhes dava vantagem da qualificação, os Mercedes dominaram de forma clara, com o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) a bater o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes), por 0,069”, mas a deixar o terceiro, o espanhol Carlos Sainz (McLaren/Renault) a quase um segundo (0,808”), num traçado com 5,793 km, no qual durante a maior parte do tempo, os pilotos vão a fundo.

O mexicano Sergio Perez (Racing Point/Mercedes) assegurou a quarta posição da grelha, com os dois a conseguirem superar o holandês Max Verstappen (Red Bull/Honda), habitual freguês da terceira posição da grelha mas que, desta feita, foi relegado para a quinta posição, tendo a seu lado o inglês Lando Norris (McLaren/Mercedes), o que mostra que os carros da equipa criada pelo neo-zelandês Bruca McLaren parecem ser os “melhores dos outros no traçado italiano.

O australiano Daniel Ricciardo (Renault), com a marca oficial a ser de novo batida, e logo pelos dois carros do cliente, o canadiano Lance Stroll (Racing Point/Mercedes), o inglês Alexander Albon (Red Bull/Honda) e o francês Pierre Gasly (Alpha Tauri/Honda) completarem o lote de pilotos que chegou à Q3, com o francês a “apertar” com o inglês querendo, uma vez mais, mostrar que a troca dos dois não foi a melhor opção da Red Bull e apostado em justificar o regresso à equipa principal no próximo ano.

O descalabro da Ferrari é, ainda, mais acentuado, pelo facto do finlandês Kimi Raikkonen (Alfa Romeo/Ferrari), o dinamarquês Kevin Magnussen (Haas/Ferrari) e o francês Romain Grosjean (Haas/Ferrari), todos com unidade motrizes fornecidas por Maranello, terem ficado à frente de Sebastian Vettel. E para a semana a corrida é em Mugello, a pista de testes da Ferrari…

GRELHA DE PARTIDA

Lewis Hamilton
Mercedes
1’18,887″
Valtteri Bottas
Mercedes
1’18,956″
Carlos Sainz
McLaren/Renault
1’19,695″
Sergio Perez
Racing Point/Mercedes
1’19.720″
Max Verstappen
Red Bull/Honda
1’19,795″
Lando Norris
McLaren/Renault
1’19,820″
Daniel Ricciardo
Renault
1’19,864″
Lance Stroll
Racing Point/Mercedes
1’20,049″
Alexander Albon
Red Bull/Honda
1’20,090″
Pierre Gasly
Alpha Tauri/Honda
1’20,177″
Danill Kvyat
Alpha Tauri/Honda
1’20,169″
Esteban Ocon
Renault
1’20,234″
Charles Leclerc
Ferrari
1’20,273″
Kimi Raikkonen
Alfa Romeo/Ferrari
1’20,926″
Kevin Magnussen
Haas/Ferrari
1’21.573″
Romain Grosjean
Haas/Ferrari
1’21,139″
Sebastian Vettel
Ferrari
1’21,151!
Antonio Giovinazzi
Alfa Romeo/Ferrari
1’21,206″
George Russell
Williams/Mercedes
1’21,587″
Nicolas Latifi
Williams/Renault
1’21,717″

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: