Dakar na recta final e com quase tudo decidido

A penúltima etapa do Rali Dakar ditou que estão praticamente encontrados os vencedores nas principais provas. Nas competições reservadas aos automóveis e motos, Stéphane Peterhansel (Mini) e Kevin Benavides (Honda) estão prontos para dar largas às alegrias do triunfo final.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

No dia em que passam 35 anos sobre a morte de Thierry Sabine, o criador do Dakar, as condições atmosféricas obrigaram a organização a encurtar o Sector Selectivo (SS), com o final a ser antecipado, mas mantendo-se no traçado as dunas e as dificuldades de navegação que tantas “dores de cabeça” têm causado.

A uma etapa do final da prova e tendo pela frente um SS de 225 km tudo parece decidido, com as maiores dúvidas a centrarem-se nas motos, embora o argentino Kevin Benavides (Honda) tenha conservado o comando, agora com 4m12s de vantagem sobre o inglês Sam Sunderland (KTM), mais rápido na tirada, que tudo fez para neutralizar os 10m36s com que partiu de atraso de Néon.

O esforço do inglês permitiu-lhe ganhar 6m24s ao argentino, mas o avanço deste deve bastar para inscrever o nome na lista de vencedores, naquele que será o segundo triunfo consecutivo da marca japonesa.

O norte-americano Ricly Brabec (Honda), vencedor o ano passado, completa o pódio provisório, a 3m01s de Sam Sunderland, pelo que, se nada de anormal suceder amanhã, as três primeiras posições estão definidas, já que o quarto, o australiano Daniel Sanders (KTM), está já a mais de 30 minuto de Kevin Benavides. De assinalar o abandono do espanhol Joan Barreda Bort (Honda), ao km 267, por falta de gasolina, como consequência de ter falhado a paragem no primeiro ponto de abastecimento, ao quilómetro 174.

Refira-se que o reabastecimento é obrigatório e implica uma paragem regulamentar de 20 minutos, de forma a que os pilotos possam descansar, sob pena de uma penalização de dois minutos por cada período de 30 segundos a menos que não seja respeitado. A ausência de paragem implica a penalização de mais de uma hora. Joan Barreda Bort acabou mesmo por solicitar assistência médica e foi transportado no helicóptero médico da organização para o acampamento.

Entre os portugueses, e contra o que tem sido habitual, Sebastian Buhler (Hero), 12.º, e Rui Gonçalves (Sherco Factory), 14.º, bateram Joaquim Rodrigues (Hero), 18.º, no SS, mas penalizado em 20 minutos, o que o atirou para o 26.º posto na tirada mas. No contexto global, Joaquim Rodrigues Jr. continua a ser o melhor piloto lusitano (12.º), apesar de ter perdido uma posição, em consequência da penalização, tornando o desejo de terminar nos 10 primeiros inviável. Já Sebastian Buhler e Rui Gonçalves a ganharem um lugar, o segundo passar o colocar os três pilotos lusos no “top ten”.

AL-ATTIYAH VENCE ETAPA E “PETER”

JÁ PISCA O OLHO AO TRIUNFO FINAL

Nos automóveis, o príncipe do Qatar, foi “rei e senhor” na etapa, ao lograr o triunfo pela sexta vez, pese embora Stéphane Peterhansel esteja mais perto da vitória final. O qatari Nasser Al-Attiyah (Toyota Hilux), voltou a ser o mais rápido no SS, ganhando 1m56s ao francês Stéphane Peterhansel (Mini JCW Buggy), mas os 15m05s que este tem de vantagem sobre o árabe, traduz-se em margem suficiente para garantir a 14.ª vitória na prova (oito nos automóveis e seis nas motos).

O derradeiro lugar do pódio será ocupado pelo espanhol Carlos Sainz (Mini JCW Buggy) que desde cedo ficou numa posição de espectador, sem desviar a atenção do duelo “franco-qatari”, com a esperança de poder vir a colher dividendos da toada de ataque imposta pelos dois pilotos.

O lituano Benediktas Vanagas (Toyota Hilux), que é navegado por Filipe Palmeiro, foi 15.º no SS e desceu um lugar, passando a ser 12.º da geral, 9m32s do “top ten”, enquanto Ricardo Porém (Borgward), apesar do 30.º tempo no SS, manteve a 20.ª posição da tabela classificativa em termos gerais.

Já o piloto lituano Gintias Petrus (Optimus), que é acompanhado por José Marques, terminou no 34.º lugar na etapa e passou a ser 29.º da classificação geral.

Nos SSV, o jovem americano Seth Quintero (OT3) venceu pela segunda vez um SS, à frente do chileno Francisco Lopez Cortado (Can-Am), que vai partir, para o derradeiro SS, com 18m24s de avanço sobre o americano Austin Jones (Can-Am), vantagem que não deve colocar em risco o seu triunfo na categoria.

De referir o quinto tempo do inglês Kris Meeke (PH-Sport), mais um piloto dos ralis convertido ao todo-o-terreno, que apareceu, finalmente, no lote dos mais rápidos da categoria.

Entre os portugueses, excelente começo de Lourenço Rosa (Can-Am), que chegou a ser quinto, a meio do percurso, teve um final “impróprio para consumo”. Uma passagem atribulada por uma duna, quando estavam a tentar retomar o percurso ideal, levou Lourenço Rosa e Joaquim Dias a ficarem parados na etapa com uma roda a menos no seu Can-Am Maverick, sendo auxiliados por um dos camiões de assistência da equipa, o que permitiu à dupla regressarem ao bivouac e manter-se em prova.

Por seu turno, Rui Carneiro (MMP) foi 29.º no SS e é 21.º da geral. De assinalar que, ao km 170 do SS, Xavier Blanco, navegador de Ricardo Ramilo, num gesto insólito, decidiu descer do SVV e deixar o piloto seguir sozinho, depois de um desentendimento entre os dois

CLASSIFICAÇÕES

Sector Selectivo (464 km)

Motos – 1.º, Sam Sunderland (KTM), 4.35’12”; 2.º, Pablo Quintanilla (Husqvarna), a 2’40”; 3.º, Kevin Benavides (Honda), a 6’24”; 4.º, Daniel Sanders (KTM), a 8’34”; 5.º, Matthias Walkner (KTM), a 9’27”; 6.º, Ricky Brabec (Honda), a 12’46”; 7.º, Lorenzo Santolini (Sherco Factory), a 15’09”; 8.º, Stefan Svitko (KTM), a 16’45”; 9.º Oriol Mena (KTM), a 18’15”; 10.º, Adrien Van Beveren (Yamaha), a 19’48”; …; 12.º, Sebastian Buhler (Hero), a 23’49”; …;  14.º, Rui Gonçalves (Sherco Factory), a 27’06”; …; 26.º, Joaquim Rodrigues (Hero), a 57’30”

Automóveis – 1.º, Nasser Al-Attiyah/Matheu Baumel (Toyota Hilux), 4.34’’24”; 2.º, Stéphane Peterhansel/Edouard Boulanger (Mini JCW Buggy), a 1’56”; 3.º, Carlos Sainz/Lucas Cruz (Mini JCW Buggy), a 2’26’’; 4.º, Yazzed Al-Rahji/Dirk Von Zitzewitz (Toyota Hilux), a 4’02’’ ; 5.º, Cyril Despres/Michael Horn (Peugeot 308 DKR), a 8’31”; 6.º, Wei Han/Min Lião (SMG), a 10’56”; 7.º, Giniel De Villiers/Alex Haro (Toyota Hilux), a 13’30”; 8.º, Vladimir Vasilyev/Dmitro Tsyro (Mini JCW Rally), a 13’58”; 9.º, Khalid Al Qassimi/Xavier Panseri (Peugeot 308 DKR), a 14’30’’; 10.º, Yasir Seaidan/Alexey Kuzmich (Century CR6), a 14’51”; …; 15.º, Benediktas Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota Hilux), a 23’20”; …; 30.º, Ricardo Porém/Jorge Monteiro (Borgward), a 44’13”; …;  34.º, Gintias Petrus/José Marques (Optimus), a 48’56”.

SSV – 1.º, Seth Quintero/Dennis Zenz (OT3), 4’58’17”; 2.º, Francisco Lopez Cortado/Juan Pablo Latrach (Can-Am), a 12’13”; 3.º, Gerard Farres Guell/Armand Monleon (Can-Am), a 17’34”; 4.º Khalifa Al-Attiyah/Paolo Ceci (Can-Am), a 18’02”; 5.º, Kris Meeke/Wouter Rosegaar (PH-Sport), a 18’02”; …; 29.º, Rui Carneiro/Filipe Serra (MMP), a 102’08”

Geral

Motos – 1.º, Kevin Benavides (Honda), 45.01’44”; 2.º, Sam Sunderland (KTM), a 4’12”; 3.º, Ricky Brabec (Honda), a 7’13””; 4.º, Daniel Sanders (KTM), a 33’05”; 5.º, Skyler Howes (KTM), a 49’07”; 6.º, Lorenzo Santolini (Sherco Factory), a 49’26”; 7.º, Pablo Quintanilla (Husqvarna), a 1.00’18”; 8.º, Adrien Van Beveren (Yamaha), a 1.20’48”; 9.º, Stefan Svitko (KTM), a 1’26’40”; 10.º, Martin Michek (KTM), a 2.14’55”; …; 12.º, Joaquim Rodrigues (Hero), a 2.38’58”; …; 15.º, Sebastian Buhler (Hero), a 3.48’33”; …; 20.º, Rui Gonçalves (Sherco Factory), a 6.21’35”

Automóveis – 1.º, Stéphane Peterhansel/Edouard Boulanger (Mini JCW Buggy), 42.09’26”; 2.º, Nasser Al-Attiyah/Matheu Baumel (Toyota Hilux), 15’05”; 3.º, Carlos Sainz/Lucas Cruz (Mini JCW Buggy), a 1.04’14”; 4.º, Jakub Przygonski/Timo Gottschalk (Toyota Hilux), a 2.32’24”; 5.º, Nani Roma/Alexandre Winocq (Hunter BRX), a 3.15’54”; 6.º, Khalid Al Qassimi/Xavier Panseri (Peugeot 3008 DKR), a 3.25’48”; 7.º, Vladimir Vasilyev/Dmitro Tsyro (Mini JCW Rally), a 3.26’58”; 8.º, Giniel De Villiers/Alex Haro (Toyota Hilux), a 3.55’02”; 9.º, Martin Prokop/Viktor Chytka (Ford RS Cross Country), a 3.59’23”; 10.º, Cyril Despres/Michael Horn (Peugeot 308 DKR), a 4.49’05”; …; 12.º, Benediktias Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota Hilux), a 4.58’37”; …; 20.º, Ricardo Porém/Jorge Monteiro (Borgward), a 7.29’30”; …; 29.º, Gintias Petrus/José Marques (Optimus), a 11.35’10”.

SSV – 1.º, Francisco Lopez Cortado/JuanPablo Latrach (Can-Am), 50.49’48”; 2.º, Austin Jones/Gustavo Gugelmin (Can-Am), a 18’24”; 3.º, Aron Donzala/Maciej Marton (Can-Am), a 54’16”; 4.º, Michal Goczal/Szymon Gospodarczyk (Can-Am), a 1.21’18”; 5.º, Reinaldo Varela/Maykel Justo (Can-Am), a 1’36’ 07”; …; 21.º, Rui Carneiro/Filipe Serra (MMP), a 11’09’49”

ETAPA DE AMANHÃ

Amanhã é dia de festa para aqueles que, tendo largado de Jeddah, dia 2, regressam ao ponto de partida 13 dias depois de uma prova repleta de “armadilhas”, às quais muitos não souberam escapar. A ligação de 452 km entre Yambu e Jeddah encerra o derradeiro SS (225 km), repleto de dunas e de areia, que pode provocar dores de cabeça, quem opte por correr demasiados riscos.

Mas a chegada junto ao Mar Vermelho será a maior satisfação para todos os que terminarem a prova, qualquer que seja o lugar que ocupem nas respectivas classificações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *