Dakar agiganta-se com mudanças de comandantes

Nos automóveis, o espanhol Carlos Sainz manteve um aceso duelo com o francês Stéphane Peterhansel, ambos em MINI, que terminou a apenas 25 segundos do madrileno. Já nas duas rodas, Toby Price (KTM) assumiu a liderança da classificação geral.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

O primeiro dia a sério do Dakar 2021 provocou mudanças de comandantes nas várias categorias por ter havido quem se perdesse na primeira abordagem às areias do deserto saudita.

Carlos Sainz (Mini) venceu hoje a etapa inaugural das 12 previstas para a 43.ª edição da prova dos automóveis do Dakar, e assumiu a liderança da classificação geral. Nas duas rodas, o australiano Toby Price (KTM) também venceu a tirada de hoje e lidera a pauta classificativa em termos globais.

De facto, nas motos, a KTM, que tinha sido batida de forma clara pela Honda, no Prólogo, reagiu e dominou o primeiro Sector Selectivo (SS), ao colocar três motos nas quatro primeiras posições. O argentino Kevin Benavides (Honda), segundo, intrometeu-se entre os pilotos da marca austríaca que viu o australiano Toby Price (KTM), vencedor em 2016 e 2019, a ser o mais rápido no SS e ascender ao primeiro lugar, com 23 segundos de vantagem sobre o argentino.

Para Toby Price, «a primeira etapa foi muito difícil em termos de navegação e cheguei a estar perdido a cerca de sete quilómetros da chegada». «Estar na frente não significa nada de especial, pois penso que vamos ter constantes mudanças de comando ao longo da prova», asseverou.

O francês Xavier de Soultrait (Husqvarna) foi o mais rápido durante a primeira parte do SS, mas viria a terminar no sexto lugar, a mais de quatro minutos do vencedor. O americano Ricky Brabec (Honda), vencedor da edição anterior e mais rápido no Prólogo, pagou a factura de abrir a pista. Perdeu-se na fase inicial do SS e cedeu mais de 18 minutos em relação ao australiano, ficando atrás de Joaquim Rodrigues Jr. (Hero), o mais rápido dos pilotos lusos, que é, agora, 23.º da geral. Refira-se que o piloto de Barcelos chegou integrado no grupo dos primeiros pilotos em pista, cedendo 13m11s para o vencedor.

Para além do norte-americano, também o chileno Pablo Quintanilla (Husqvarna), que terminou o ano passado na segunda posição da tabela classificativa, bem como o espanhol Joan Barreda Bort (Honda), segundo no Prólogo, tiveram problemas com a navegação e perderam a mais de 15 minutos para Toby Price. Refira-se, por outro lado, que o luso-germânico Sebastian Bühler (Hero) terminou a primeira etapa no 19.º lugar, a 28m36.

CARLOS SAINZ E STÉPHANE

PETERHANSEL GIGANTES EM MINI

Nos automóveis, e o facto de ter sido 28.º no Prólogo, ajudou o espanhol Carlos Sainz (Mini JCW Buggy) a ser o mais rápido no SS e a ascender ao comando nos automóveis, depois de na fase inicial ter sido o lituano Vaidotas Zala (Mini JCW Buggy), navegado pelo português Filipe Palmeiro, a ocupar o primeiro lugar, altura em que o espanhol furou e teve problemas com o “road-book”.

Mas resolvidos esses problemas Carlos Sainz “voou” para a vitória, à frente do francês Stéphane Peterhansel (Mini JCW Buggy), seu companheiro de equipa, enquanto o qatari Nasser Al-Attiyah (Toyota Hilux), vencedor do Prólogo, sofria dos mesmos problemas que Ricky Brabec, perdia-se, terminava a mais de 10 minutos de Carlos Sainz e fechava o lote dos 10 mais rápidos, posição em que vai partir amanhã, e que o poderá beneficiar.

O alentejano Filipe Palmeiro, que acompanha o lituano Benediktas Vanagas (Toyota Hilux), acabou por ser o melhor entre os portugueses (32.º), depois de Vaidotas Zala ter perdido muito tempo na parte final do SS, que chegou a comandar.

A dupla portuguesa Ricardo Porém e Jorge Monteiro, aos comandos de um Borgward, foi apenas a 43.ª no final da tirada que ligou Jeddah a Bisha, com uma especial de 277 quilómetros cronometrados, a 48m51s de Carlos Sainz, sendo 41.º na geral.

Nos SSV, o inglês Kris Meeke (Can-Am), vencedor do Prólogo, foi mais um dos pilotos dos ralis a ser traído pelo deserto, com a espanhola Cristina Gutierrez Herrero (OT3) a impor-se no SS e a assumir o comando da categoria, com quase dois minutos de avanço sobre o brasileiro Reinaldo Varela (Can-Am), que foi, ao longo do dia, o seu mais directo perseguidor.

Com esta prestação memorável, a piloto espanhola de Burgos entrou na história da prova francesa Amaury Sport Organisation (ASO) e “fez frente” à alemã Jutta Kleinschmidt. De facto, Cristina Gutierrez Herrero, que logrou o triunfo na primeira etapa do Dakar, passou a liderar a categoria de veículos ligeiros e os protótipos T3, uma vitória que entra na história do Dakar por ser a primeira a ser alcançada por uma mulher nesta nova categoria. Cristina Gutiérrez segue os passos de Jutta Kleinschmidt, a piloto germânica com mais triunfos no Dakar, com 10 (a última foi em 2005).

Os portugueses Lourenço Rosa e Joaquim Dias, num Can-Am), foram 18.º na etapa, ocupando igual posição a 44m58s da líder, a espanhola Cristina Gutierrez Herreno.

Nos Clássicos, a dupla francesa da equipa Marc Douton e Emilien Etienne (Equipe Sunhill) foi a mais consistente, com 121 pontos, com os espanhóis Carlos Vento Sanchez e Juan Carlos Ramirez Moure (Rumbo Zero), com mais 55 pontos.

Os também espanhóis Antonio Gutierrez e Luis Heras Rodriguez (Rumbo Zero), ocupam a terceira posição, com 265, pontos, com os compatriotas Juan Donatiu e Pere Serrat Puig (Doria Racing), com 404, na quarta posição. Já os franceses Frédéric Verdaguer e Julie Verdaguer (Team Sunhill) encerram o top five, com mais 349 pontos que os líderes.

CLASSIFICAÇÕES

SECTOR SELECTIVO (277 KM)

Motos – 1.º, Toby Price (KTM), 3.18’26”; 2.º, Kevin Benavides (Honda), a 31”; 3.º, Matthias Walkner (KTM), a 32”; 4.º, Sam Sunderland (KTM), a 2’03”; 5.º, Lorenzo Santolini (Sherco Factory), a 4’23”; 6.º, Xavier De Soultrait (Husqvarna), a 4’35”; 7.º, Franco Caimi (Yamaha), a 4.48”; 8.º, Skyler Howes (KTM), a 5’25”; 9.º, Luciano Benavides (Husqvarna), a 6’37”; 10.º, Martin Michek (KTM), a 8’10”; …; 23.º, Joaquim Rodrigues (Hero), a 16’27”; …; 27.º, Rui Gonçalves (Sherco Factory), a 26’41”; ..; 29.º, Sebastian Buhler (Hero), a 31’54”; …;  64.º, Alexandre Azinhais (KTM), a 1.51’07”.

Automóveis – 1.º, Carlos Sainz/Luvas Cruz (Mini JCW Buggy), 3.05’56”; 2.º, Stéphane Peterhansel/Edouard Boulanger (Mini JCW Buggy), a 25”; 3.º, Martin Prokop/Viktor Chytka (Ford), a 3’18”; 4.º, Mathieu Serradori/Fabian Lurquin (Century), a 6’33”; 5.º, Yasir Seaidan/Alexey Kuzmich (Century), a 8’10”; 6.º, Khalid Al Qassimi/Xavier Panseri (Peugeot), a 8’13”; 7.º, Giniel De Villiers/Alex Haro (Toyota Hilux), a 8’43”; 8.º, Nani Roma/Alexandre Winocq (Hunter BRX), a 9’39”; 9.º, Jakub Przygonski/Timo Gottschalk (Toyota Hilux), a 9’46”; 10.º, Nasser Al-Attiyah/Matheu Baumel (Toyota Hilux), 12’34”; …; 32.º, Benediktas Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota Hilux), a 41’16”; …; 36.,º Vaidotas Zala/Paulo Fiúza (Mini JCW Buggy), a 44’16”; …; 43.º, Ricardo Porém/Jorge Monteiro (Borgward), a 48’51”; …; 50.º, Gintias Petrus/José Marques (Optimus), a 1.13’10”.

SSV – 1.º, Cristina Gutierrez/François Cazalet (OT3), 3’41,37”; 2.º, Reinaldo Varela/Maykel Justo (Can-Am), a 1’55”; 3.º, Austin Jones/Gustavo Gugelmin (Can-Am), a 2’23”; 4.º, Francisco Lopez/Juan Pablo Latrach (Can-Am), a 2’37”; 5.º, Gerard Farres Guell/Armand Monleon (Can-Am), a 4’16”; …; 18.º, Lourenço Rosa/Joaquim Dias (Can-AM), a 44’46”

GERAL

Motos – 1.º, Toby Price (KTM), 3.43’58”; 2.º, Kevin Benavides (Honda), a 23”; 3.º, Matthias Walkner (KTM), a 1’12”; 4.º, Sam Sunderland (KTM), a 4’11”; 5.º, Lorenzo Santolini (Sherco Factory), a 4’59”; 6.º, Franco Caimi (Yamaha), a 5’16”; 7.º, Xavier De Soultrait (Husqvarna), a 5’23”; 8.º, Skyler Howes (KTM), a 5’45”; 9.º, Luciano Benavides (Husqvarna), a 7’05”; 10.º, Andrew Short (Yamaha), a 8’30”; 23.º, Joaquim Rodrigues (Hero), a 16’31”; …; 27.º, Rui Gonçalves (Sherco Factory), a 27’33”; ..; 29.º, Sebastian Buhler (Hero), a 31’30”; …;  63.º, Alexandre Azinhais (KTM), a 2.’01’07”.

Automóveis – 1.º, Carlos Sainz/Lucas Cruz (Mini JCW Buggy), 3.12,20”; 2.º, Stéphane Peterhansel/Edouard Boulanger (Mini JCW Buggy), a 8”; 3.º, Martin Prokop/Viktor Chytka (Ford), a 2’59”; 4.º, Mathieu Serradori/Fabian Lurquin (Century), a 6’13”; 5.º, Yasir Seaidan/Alexey Kuzmich (Century), a 7’53”; 6.º, Khalid Al Qassimi/Xavier Panseri (Peugeot), a 7’53”; 7.º, Giniel De Villiers/Alex Haro (Toyota Hilux), a 8’43”; 8.º, Nani Roma/Alexandre Wincq (Hunter BRX), a 9’22”; 9.º, Jakub Przygonski/Timo Gottschalk (Toyota Hilux), a 9’22”; 10.º, Nasser Al-Attiyah/Matheu Baumel (Toyota Hilux), 11’58”; …; 32.º, Benediktias Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota Hilux), a 41’03”; …; 34.,º Vaidotias Zala/Paulo Fiúza (Mini JCW Buggy), a 44’00”; …; 41.º, Ricardo Porém/Jorge Monteiro (Borgward), a 48’34”; …; 50.º, Gintias Petrus/José Marques (Optimus), a 1.14’44”.

SSV – 1.º, Cristina Gutierrez/François Cazalet (OT3), 3.48’38”; 2.º, Reinaldo Varela/Maykel Justo (Can-Am), a 1’41”; 3.º, Austin Jones/Gustavo Gugelmin (Can-Am), a 2’05”; 4.º, Francisco Lopez/Juan Pablo Latrach (Can-Am), a 2’27”; 5.º, Gerard Farres Guell/Armand Monleon (Can-Am), a 4’30”;…; 18.º, Lourenço Rosa/Joaquim Dias (Can-AM), a 44’58”

A etapa de amanhã

Um Sector Selectivo de 457 km, numa etapa que tem 685 km e estabelece a ligação entre Bisha e Wadi Ad-Dawasir, os concorrentes vão ter de enfrentar as primeiras dunas, numa extensão de cerca de 30 km, na parte inicial do Sector Selectivo. Segue-se uma longa secção fora de pista, para a parte final decorrer em pistas de areia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *