Corridas escaldantes em Mação Verde Horizonte

Rodrigo Correia (Iniciação), Santinho Mendes (Nacional 2RM), Pedro Tiago (Nacional A1.6), Nelson Barata (Super Buggy), João Ribeiro (Super 1600) e Luís Almeida (Kartcross) saíram de Mação co os louros do triunfo na quarta ronda do PTXR, versão 2019.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: PAULO BRAGA

Em Mação decorreu a quarta jornada do PTRX 2019. Tempo quente e corridas escaldantes marcaram as provas que foram vencidas por Rodrigo Correia (Peugeot 205) na Iniciação, Santinho Mendes (Opel Astra) na Nacional 2RM, Pedro Tiago (Citroen Saxo) na Nacional A1.6, Nelson Barata (Toniauto Power UB) na Super Buggy, João Ribeiro (Citroën Saxo S1600) na Super 1600 e Luís Almeida (LBS Motorclube Rx01), no Kartcross.

Na iniciação, quase se pode dizer que a classificação da final ficou decidida na saída da curva um, mas a corrida foi discutida até ao fim. O piloto de Oliveira de Frades, Rodrigo Correia (Peugeot 205), arrancou como uma bala, mas o certo é que os quatro finalistas chegaram praticamente ao mesmo tempo ao final da recta da meta e o toque foi inevitável.

Rodrigo Correia, piloto AUTOLOOK e AUTOJAC levou a melhor e colocou-se na liderança, mas Gonçalo Macedo (VW Polo) não lhe deu um segundo de descanso. Foi assim a corrida toda e até foram juntos à joker lap. Depois vinham André Monteiro (Toyota Corolla) e Gonçalo Novo (Toyota Starlet) a discutir o terceiro posto. André Monteiro, que aparentemente estava com alguns problemas de caixa de velocidades, defendeu-se dos ataques e seguiu para a restante posição do pódio.

No Nacional 2RM, João Novo ficou pelo caminho, com o motor do Peugeot 106 partido durante a qualificação, que foi vencida pelo retornado Santinho Mendes (Opel Astra). Santinho Mendes partiu na frente com Andreia Sousa (Peugeot 306) no encalço e Nuno Génio (Opel Kadet) a ser o terceiro elemento do grupo. O piloto de Abrantes distanciou-se, pois pelos vistos a quem sabe não esquece e depois ficou ainda mais na frente. Andreia Sousa tocava o talude, o Peugeot 306 capotava, caia sobre as quatro rodas e Andreia Sousa seguia para terminar em segunda, vencedora do troféu feminino, à frente de Nuno Génio.

Já no que diz respeito ao Nacional A1.6, Leandro Macedo (Citroën Saxo) partia bem, mas o facto de ter cruzado demasiado cedo as linhas que balizam o arranque, determinou a classificação final. Leandro Macedo estava na frente e Pedro Tiago (Citroën Saxo) ficava “no meio”, com Tiago Ferreira (Peugeot 106) a ser terceiro.

A luta pelo mais alto do pódio esteve ao rubro, com Macedo e Tiago a afirmarem-se como dois galos para um poleiro. Uma luta dura, constante, mas sobretudo limpa, em que Macedo cortou a meta em primeiro. Em termos de terceiro posto, as coisas foram igualmente muito disputadas e Tiago Ferreira (Citroën Saxo) travava um diálogo muito interessante com Leonel Sampaio (Citroën Saxo), que entretanto levava a melhor.

Macedo era o primeiro a ver a bandeirada xadrez, mas cinco segundos de penalização por ter cruzado as linhas, colocavam-no no terceiro posto da classificação final. Assim, Pedro Tiago voltava a vencer e Leonel Sampaio subia para segundo. O quarto posto foi posse de Tiago Ferreira, seguido de Avelino Martins (Citroen Saxo) e Américo Sousa, também em Citroen Saxo.

A competição destinada ao Super Buggy ficou marcada desde logo pela falha da partida de Mauro Reis, que deixou o motor do HSPort TT ir abaixo e caiu para último, atrás de Álvaro Faria, que tinha o motor do Atmos a falhar.

Alheio a estes problemas esteve Nelson Barata (Toniauto Power UB) que teve um início de corrida muito discutido com o comandante do campeonato, Paulo Godinho (PG0012), mas que depois foi sedimentando uma vantagem confortável.

Nuno Magalhães (Toniauto T) subiu ao restante lugar do pódio, a 1,8 segundos de Paulo Godinho. Miguel Mota (Proto HSport) foi quarto. Mauro Reis ainda recuperou do falhanço da partida e foi quinto, à frente de Arménio Rodrigues (GRT MXG) e de Álvaro Faria, que ficavam pelo caminho, com problemas mecânicos.

Na Super 1600, João Ribeiro (Citroën Saxo S1600) partia da “pole-position” mas teve que suar para manter o primeiro lugar na curva 1. Muito bem na partida esteve Joaquim Machado (Peugeot 208 S1600), que furava da segunda linha para a segunda posição.

O pelotão da frente rodava compacto, muito compacto. Ricardo Soares (Citroën Saxo S1600) e Hélder Ribeiro (Citroën C2 S1600) faziam parte do grupo e mais para trás, os toques faziam vítimas, como foi o caso de António Sousa (Peugeot 208 S1600), que ficava com a roda traseira direita danificada.

A estratégia das idas à joker lap, foi decisiva e João Ribeiro conseguiu sair mesmo na frente do Peugeot de Machado e dessa forma seguiu para vitória, pela margem de um segundo. Joaquim Machado, no fim tinha Hélder Ribeiro a colocar-lhe a posição em risco, mas uma diferença de um segundo e meio, ditava o terceiro posto para o homem do C2.

Ricardo Soares, talvez tenha feito uma escolha má para a ida à joker e caiu para quarto, à frente de Sérgio Dias (Renault Twingo), Nuno Araújo, que estreou aqui o Skoda Fabia S1600 e de António Sousa, que desistia devido aos problemas na roda.

Finalmente, no Kartcross, Luís Almeida (LBS Motorclube Rx01) partiu bem e chegou à frente logo na primeira curva, o que é meio caminho andado para que as coisas corram bem. De facto logo atrás gerava-se alguma confusão e quem levava a melhor era Nuno Bastos (ASK EVO12) que furava desde o oitavo lugar da grelha para terceiro. Pedro Rosário (Semog Bravo ER) era terceiro e Jorge Gonzaga (ASK EVO18) tinha caído para quarto. Isto era assim e ainda nem uma volta tinha decorrido.

A maior parte da corrida foi disputada com Luís Almeida, Nuno Bastos e Pedro Rosário a rodarem completamente colados. Jorge Gonzaga era terceiro, mas Rui Nunes (Semog Bravo) andava por perto e depois da ida à “joker lap” de Gonzaga, as coisas ficavam mais difíceis e Gonzaga tinha que suar ainda mais um bocadinho, para recuperar o quarto lugar.

Na frente Luís Almeida seguia para a bandeirada final, com Nuno Bastos a menos de um segundo e meio, mas que por sua vez trazia Pedro Rosário a quatro décimas. Já vimos que Jorge Gonzaga terminou em quarto. Seguiram-no Rui Nunes (Semog Bravo) e Daniela Godinho (Semog Bravo), a vencedora do troféu feminino.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação