Corridas disputadíssimas no calor de Montalegre

A vila raiana portuguesa, fazendo parte do Alto Tâmega, pertencendo à Região do Norte e ao Distrito de Vila Real, viveu intensamente dois dias de competição com temperaturas altíssimas, tanto em termos do ar como no que respeita às emoções e lutas em pista. Foi um fim de semana que obrigou a enormes abrasamentos a pilotos e máquinas de ralicross e kartcross.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: JOÃO DA FRANCA

Guilherme Nunes e Duarte Camelo

O verão chegou para ficar, pelo menos a julgar pelo fim-de-semana quente que se viveu em Montalegre, mas a verdade é que as exigentes condições climatéricas que se fizeram sentir, com temperaturas elevadas ao longo do sábado e domingo, parecem não ter afetado a prestação de pilotos e equipas naquele que é o traçado mais elevado de todo o calendário do Campeonato de Portugal de Ralicross by Transwhite.

Tal como no arranque da jornada, a abertura das hostilidades das finais ficou a cargo dos quatro Iniciados de Ralicross, que têm apresentado elevada competitividade desde o arranque da época. Tanto assim é que, até meio da final, tudo indicava que Guilherme Nunes, que em Terras do Barroso, parecia ser o novo líder da geral por troca com Duarte Camelo.

Adão Pinto

Guilherme Nunes, que venceu as qualificações, liderou a final com grande tranquilidade mas, problemas de motor no Peugeot 106 na derradeira volta, ditou um revés de última hora. Quem mais lucrou com isso foi Duarte Camelo, que acabou por ver a vitória cair-lhe no colo e, com isso, reforçar a liderança no campeonato. Ainda assim, Guilherme Nunes conseguiu ver a bandeira de xadrez em segundo lugar, enquanto Rafaela Barba viu premiado todo o seu esforço com o mais baixo do pódio.

Muito disputada foi também a categoria das Duas Rodas Motrizes, com o vencedor de Montalegre a ser conhecido apenas nos derradeiros momentos da final, naquela que foi uma das corridas mais emocionantes do fim-de-semana.

Adão Pinto, que perdeu a liderança do campeonato em Lousada, há três semanas, veio para Montalegre apostado em recuperar a posição e foi isso mesmo que fez. O campeão em título não começou da melhor forma, desistindo logo na primeira corrida, mas a partir daí foi só recuperar para chegar à final com a segunda posição da grelha.

Leandro Macedo e Telmo Costa

Uma partida excelente deu-lhe a liderança, posição que não mais perdeu até final. Enquanto isso, atrás dele Bruno Campos, que liderava a tabela pontual à chegada a Montalegre, não conseguiu encontrar os argumentos necessários para superar Andreia Sousa, que mostrou grande sangue-frio para fazer face a todos os ataques e garantir mais um segundo lugar do pódio, o segundo da época.

Mais fácil acabou por ser o embate na Nacional 1.6. Leandro Macedo, que não está inscrito no campeonato, deu cartas, tal como já tinha feito em Lousada. Depois de dominar as três corridas de qualificação, o piloto do Citroën Saxo disparou para a liderança da corrida mal se apagaram as luzes para não mais perder a posição e ver a bandeira de xadrez em primeiro, com uma vantagem de mais de 10 segundos para Ricardo Costa e com Telmo Costa a completar o pódio, já com 14,441 segundos de atraso para a frente.

José Oliveira

Ainda assim, em termos de campeonato, nada se altera, já que Leandro Macedo não pontua, o que faz com Ricardo Costa e Telmo Costa mantenham as primeira e segunda posição na tabela pontual, respetivamente.

Já no que toca aos Super Cars, os problemas sentidos por Joaquim Santos com o Ford Focus logo na primeira volta, fizeram com que José Oliveira tivesse apenas de garantir a chegada à bandeira de xadrez para assegurar a vitória. Ainda assim, o piloto rodou com bom ritmo para no final brindar o público presente em Montalegre com alguns “donuts” na reta da meta.

Guilherme Matos

Para fechar, o Troféu Júnior Kartcross, com Guilherme Matos a vingar o segundo lugar conquistado ao cabo das três corridas de qualificação com uma vitória brilhante. O jovem do Semog Bravo esteve em muito bom plano ao defender-se dos ataques de João Dinis desde o apagar dos semáforos, com ambos a tocarem-se de forma ligeira, mas sempre com o cuidado de não determinar o desfecho da corrida dessa força.

A luta foi intensa até final, mas já ao cair do pano, Yéssica Lorenzo, aos comandos de um LBSRX01, que assistia um pouco mais recuado à luta dos dois primeiros, surpreendeu João Dinis para reclamar o intermédio do pódio e relegar o rival do Semog Bravo para o terceiro lugar. Gustavo Henriques (Semog Bravo), Ana Gonçalves (AG Sport) e Gabriela Godinho (Semog Bravo) terminaram nas posições seguintes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.