Corrida de Fórmula E pode não ter acabado

O mais certo é a corrida de hoje prolongar-se por mais alguns dias, depois de uma jogada táctica da Audi, que colocou o brasileiro Lucas Di Grassi (Audi) no comando numa situação de “Safety Car”.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Tudo aconteceu já na fase final da corrida, quando Alain McNish percebeu que se o piloto passasse pela via das “boxes”, face à lentidão com que o “Safety Car”, regressava à pista no comando da corrida como sucedeu.

A partir daí foi a discussão, com a Audi a argumentar que o piloto parara nas “boxes”, contra a opinião do Colégio de Comissários que começou por decidir penalizar o piloto com uma passagem pela via das “boxes”, que o brasileiro não cumpriu, sendo-lhe mostrado a bandeira negra, o que implicou a desclassificação.

O mais certo é a Audi apelar para a entidade federativa, tanto mais que Lucas Di Grassi foi o primeiro a ver a bandeira de xadrez, que, nesse caso, terá de tomar pouco tempo para tomar uma decisão, por as derradeiras corridas do campeonato a terem lugar dentro de três semanas em Berlim.

A corrida, onde os “toques” foram constantes, acabou por ser ganha pelo inglês Alex Lynn (Mahindra), à frente do holandês Nyck De Vries (Mercedes), que assumiu o comando do campeonato, com seis pontos de vantagem sobre o seu compatriota Robin Frijns (Virgin), que foi quarto, atrás do neo-zalandês Mitch Evans (Jaguar), que completou o pódio.

Apesar de partir do fundo da grelha, o português António Felix da Costa (DS) estava a fazer uma corrida de recuperação e a aproximar-se dos lugares pontuáveis, quando o alemão Andre Lotterer (Porsche) reagiu de forma agressiva à tentativa de ultrapassagem e obrigou António Félix da Costa a bater no muro e abandonar, com o português, que desceu para quinto, em termos de campeonato, a entrar para as duas últimas corridas do ano com 15 pontos de atraso em relação a Nyck De Vries.

Classificações

Corrida – 1.º, Alex Lynn (Mahindra), 46’29,532”; 2.º, Nyck De Vries (Mercedes), a 0,599”; 3.º, Mitch Evans (Jaguar), a 6,257”; Robin Frijns (Virgin), a 6,682”; 5.º, Pascal Wehrlien (Porsche), a 9,212”; 6.º, Max Gunther (BMW), a 10,637”; 7.º, Nick Cassidy (Virgin), a 12,685”; 8.º, Sérgio Sette Câmara (Penske), a 19,237”; 9.º, Jake Dennis (BMW), a 24,914”; 10.º, Joel Eriksen (Penske),a 27,920”. Classificaram-se mais nove pilotos

Campeonatos

Pilotos – 1.º, Nyck De Vries, 95 pontos; 2.º, Robin Frijns, 89; 3.º, Sam Bird, 81; 4.º, Jake Dennis, 80; 5.º, António Félix da Costa, 80; 6.º, Alex Lynn, 78; 7.º, Nick Cassidy, 76; 8.º, Mitch Evans, 75; 9.º, Edoardo Mortara, 74; 10.º, René Rast, 72; 11.º, Pascal Wehrlein, 71;

12.º, Jean-Eric Vergne, 68; 13.º, Lucas di Grassi, 66; 14.º, Stoffel Vandoorne, 63; 15.º, Maximilian Gunther, 62 ; 16.º, Oliver Rowland, 59; 17.º, André Lotterer, 45; 18.º, Alexander Sims, 44; 19.º, Nico Muller, 30; 20.º, Sébastien Buemi, 20; 21.º, 21.º, Norman Nato, 17; 22.º, Sérgio Sette Câmara, 14; 23.º, Oliver Turvey, 13; 24.º, Tom Blomqvist, 5

Equipas – 1.º, Envision Virgin Racing, 165 pontos; 2.º, Mercedes-EQ Formula E Team, 158; 3.º, Jaguar Racing, 156; 4.º DS Techeetah, 148; 5.º, BMW i Andretti Motorsport, 142; 6.º, Audi Sport ABT Schaeffler, 138; 7.º, Mahindra Racing, 122; 8.º, TAG Heuer Porsche Formula E Team, 116; 9.º, Rokti Venturi Racing, 91; 9.º, Nissan e-Dams, 79; 11.º, Dragon/Penske Autosport, 44; 12.º, Nio 333 FE Team, 18.

Próxima prova – Berlim, a 14 de Agosto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *