Começo demolidor do açoriano Ricardo Moura

O Azores Rally começou com algumas saídas de estrada, com o russo Alexey Lukyanuk a não evitar um furo e a ceder tempo precioso Ao cabo de três especiais, o açoriano chegou ao topo da classificação.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Alexey Lukyanuk e Alexey Arnautov (Citroën C3 R5)

A inversão das etapas levou os concorrentes a abrirem as “hostilidades” na especial de Graminhais, que estava molhada, o que levou à saída de estrada do polaco Norbert Herczig (Skoda Fabia Rally2 Evo) e do espanhol Nil Solans (Skoda Fabia Rally2 Evo). Já o russo Alexey Lukyanuk (Citroën C3 Rally2) não evitou um furo e teve de parar para trocar o pneu, o que determinou quase dois minutos de atraso.

No que diz respeito ao Campeonato dos Açores, o líder Ruben Rodrigues (Citroën C2 Rally2) desistiu com problemas de transmissão e Pedro Antunes (Citroën C3 Rally2) ficou pelo caminho por avaria na caixa de velocidades.

Com tudo isto, Ricardo Moura (Skoda Fabia Rally2 Evo) tirou partido da posição de partida e do conhecimento do terreno e tornou-se no primeiro comandante da prova. O piloto açoriano possui 5,9 segundos de avanço sobre o norueguês Andreas Mikkelsen (Skoda Fabia Rally2 Evo), que viu Alexey Lukyamuk atrasar-se e ficou com uma vantagem significativa.

Dani Sordo e Candido Carrera (Hyundai i20 R5)

As condições atmosféricas melhoraram nas Tronqueiras, onde Alexey Lukyanuk iniciou a recuperação e fez o melhor tempo, ganhando 50 segundos a Andreas Mikkelsen, que ficou sem limpa pára-brisas e saiu prejudicado ao nível da visão, atrasando-se ao cair para quinto.

Apesar de batido pelo russo, Ricardo Moura manteve o comando da prova, agora com 16,8 segundos de avanço sobre o espanhol Dani Sordo (Hyundai i20 R5), que ganhou cinco lugares e ascendeu ao segundo lugar à frente do polaco Erik Cais (Ford Fiesta R5 MK II), que manteve a terceira posição, alcançada no troço de abertura.

Na derradeira especial da manhã, Lagoa de S. Brás, onde o nevoeiro voltou a marcar presença, dificultando a visibilidade, Ricardo Moura voltou a tirar partido de “jogar em casa” e foi o mais rápido cimentando a posição de comandante, para terminar a manhã com 27,8 segundos de vantagem sobre Dani Sordo (Hyundai i20 R5).

Andreas Mikkelsen e Elliot Edmondson (Skoda Fabia Rally2)

O experiente piloto espanhol tem vindo, paulatinamente, a aumentar o ritmo graças a um progressivo maior conhecimento do desempenho dos pneus MRF, que está a testar.

O seu compatriota Efrén Llarena (Skoda Fabia Rally2 Evo) terminou a manhã à frente de Andreas Mikkelsen, com Alexey Lukyanuk a recuperar da 14.ª posição, em que terminou a classificativa de abertura, para sétimo, com a especial a ser interrompida em consequência do despiste do francês Yoann Bonato (Citroën C3 Rally2), que bateu e deixou a estrada bloqueada, com os tempos dos pilotos que não a concluíram a ser atribuídos mais tarde.

Classificação após três especiais – 1.º, Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia Rally2), 48’05,1”; 2.º, Dani Sordo/Candido Carrera (Hyundai i20 R5), a 27,8”; 3.º, Efrén Llarena/Sara Fernandez (Skoda Fabia Rally2 Evo), a 39,5”; 4.º, Andreas Mikkelsen/Elliot Edmondson (Skoda Fabia Rally2).a 46.2”; 5.º, Erik Cais/Jindriska Záková (Ford Fiesta R5 MK II), a 53,9”; 6.º, Luís Miguel Rego/Jorge Henriques (Skoda Fabia Rally2 Evo), a 1’30.8”; 7.º, Alexey Lukyanuk/Alexey Arnautov (Citroen C3 R5), a 1’45,0”; 8.º, Benito Guerra/Daniel Cue (Skoda Fabia Raly Evo), a 2’03,4”; 9.º, Umberto Scandola/Danilo Fappani (Hyundai i20 R5), a 2’06,3”; 10.º, Rafael Botelho/Rui Raimundo (Skoda Fabia R5), a 2’21,0”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *