Chuva e lama abençoaram campeões do PTRX

Muita chuva e nevoeiro marcaram a última prova do PTRX 2019, tendo as condições atmosféricas sido um desafio para o Vouga Sport Clube. Os títulos foram conquistados por Rodrigo Correia (Peugeot 205), o primeiro campeão da jornada ao vencer a Iniciação; João Novo (Peugeot 106) arrumou a seu favor o título da Nacional 2RM e Mauro Reis (HSport TT) conquistou o título dos Super Buggy. A maior parte das corridas foram disputadas com muita emoção, num ambiente marcado pela chuva mas que não retirou o brilho à prova do Vouga Sport Clube que esteve à altura, pese embora a pista já esteja a precisar urgentemente de uma intervenção de fundo porque, quando chove, a lama acumula-se e, quando está sol, o pó é o grande inimigo de pilotos e público em geral. Mas vamos ao derradeiro capítulo do Campeonato Nacional de Ralicross, Kartcross e Super Buggy (PTXR), versão 2019.

(auto.look2010@gmail.com)

Na Iniciação, Rodrigo Correia (Peugeot 205), venceu a final e levou para casa os louros do título de campeão nacional de 2019. Uma conquista suada, porque Gonçalo Macedo (VW Polo) nunca lhe deu a mínima margem de manobra. Foi segundo e chegou a liderar a corrida e só as obrigatórias passagens pela Joker Lap “serenaram os ânimos”, com Rodrigo Correia a “saltar” para a liderança e gerir a posição com sapiência até cruzar a bandeira de xadrez. Gonçalo Novo, assistiu sempre de perto à luta pelo melhor lugar do pódio, mas não conseguiu contrariar o ritmo da dupla da frente e conquistou o terceiro lugar do pódio. Posição em que termina também a temporada.

No Nacional 2 RM, João Novo (Peugeot 106) venceu a jornada de Sever do Vouga e também o campeonato. Com João Novo na frente desde cedo, a animação centrou-se na conquista da segunda posição, alcançada por Ricardo Soares (Toyota Starlet), que teve um verdadeiro “braço de ferro” com o Opel Astra de Adão Pinto e que só “sossegou” com as habituais passagens pela Joker Lap. O quarto lugar do pódio, pertenceu a Nuno Magalhães (Peugeot 206), mas também nunca teve a vida facilitada, sobretudo por Andreia Sousa (Peugeot 306), melhor entre as Senhoras e que assinou o fecho do top five na derradeira prova do campeonato e assim terminou como vice-campeã

Quanto ao SuperCars, Pedro Matos (Citroën DS3), voltou a vencer neste seu regresso à competição. Joaquim Santos não arrancou melhor na final e quando conseguiu colocar o Ford Focus de novo em funcionamento, teve que ir atrás do prejuízo, ainda chegou a alcançar o segundo lugar, mas na saída da Joker Lap perdeu a posição para Daniel Pacheco. Este acabou por ocupar o lugar intermédio do pódio e vencer a Divisão 2. Joaquim Santos assegurou o último lugar do pódio e Jorge Rodrigues o quarto lugar à geral e segundo da Divisão 2.

 

Já no que diz respeito ao Nacional A 1.6, Pedro Tiago (Citroën Saxo) já com o título garantido, fez questão de assinar mais uma conquista, numa batalha perdida por Leonel Sampaio (Citroën Saxo). Sampaio rodava na frente, mas na penúltima volta o Saxo ficou parado na subida que dá acesso à parte de cima do traçado, mesmo assim, as voltas cumpridas garantiram-lhe o segundo lugar do pódio. No final acabou por não haver um terceira presença no pódio, que esteve inicialmente entregue a Vítor Sousa, mas o piloto acabou por ser alvo de uma desqualificação.

No Super 1600 e com João Ribeiro (Citroën Saxo) já sorridente com o ceptro de 2019 do seu lado, fez questão de mostrar, mais uma vez, que o título é inteiramente merecido. Arrancou melhor e começou progressivamente a ganhar terreno e a afastar-se das confusões atrás de si. A discussão pelo segundo posto começou por ser travada entre Mário Teixeira e Hélder Ribeiro, mas com as passagens pela Joker Lap e mais alguns “contratempos” à mistura, o segundo posto acabou por não ir para nenhum destes candidatos, mas sim, para Joaquim Machado em Peugeot 208. Ribeiro acabou por ficar no terceiro posto e Teixeira em quarto. Bruno Gonçalves fechou o grupo dos cinco mais, desta última corrida do ano. António Sousa e Rogério Sousa não tiveram a sorte do seu lado e acabaram por abandonar de forma prematura.

Relativamente ao Super Buggy, Nélson Barata (Power NB) venceu todos os embates do fim-de-semana frente a Mauro Reis (HSport TT). Contudo, o fecho das contas de 2019 foi mais favoráveis a Reis, sagrando-se campeão da disciplina. Refira-se que Nélson Barata, aos comandos do seu Power NB e apesar de ter chegado ao Alto do Roçario em desvantagem face a Mauro Reis (HSport TT), não se deixou abater e, paulatinamente, foi ganhando pulso ao traçado e dominou por completo toda a qualificação, deixando Reis com o segundo posto.

 

No Kartcross, José Mota (Semog Bravo) foi o primeiro a chegar à travagem no final da recta da meta e nunca mais perdeu a posição. O segundo posto foi conquistado por Rui Nunes também em Semog Bravo, mas só depois de conseguir resolver “as coisas” com Luís Almeida (LBS RX01), com quem trocou várias vezes de posição. Pedro Palma nunca perdeu o contacto com o grupo da frente, mas acabou por fechar a jornada no quarto posto e Nuno Bastos em quinto.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação