Candidatos não faltam no Alto Tâmega

Lista de Inscritos CPR

Lista de Inscritos CNR

Vinte e nove anos depois, da sua última edição a contar para o Campeonato de Portugal, o Rali Alto Tâmega está de regresso ao calendário da mais importante competição de estrada nacional.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmil.com)

A sua primeira edição data de 1983 e esteve na estrada até 1991, sempre com organização do Estrela e Vigorosa Sport, responsável, também, pelas várias corridas efectuadas no Circuito da Vila do Conde, que em 2005 colocou na estrada o Rali Nordeste Transmontano, que o último da responsabilidade do clube portuense, a contar para o Campeonato de Portugal.

A prova ressurgiu em 2018, integrada no Campeonato Norte, com organização do Clube Aventura do Minho que, dois anos depois, consegue entrar no Campeonato de Portugal, sendo uma das provas que sobreviveu no calendário.

Com 51 equipas inscritas tudo aponta para que a prova seja um êxito, tanto mais que o facto da regulamentação do campeonato ter sido alterada faz com que todos os potenciais candidatos ao título estejam presentes.

Batido na Madeira, de onde saiu, ainda, no comando do campeonato, Armindo Araújo (Skoda Fabia R5 Evo) tem oportunidade de regressar às vitórias, depois dos triunfos em Fafe e Castelo Branco, com Bruno Magalhães (Hyundai i20 R5), o mais pontuado na prova insular, a querer repetir o feito e ascender ao comando do campeonato do qual dista 1,63 pontos, em consequência de um sistema de pontuação de difícil entendimento pelo comum dos mortais.

Para Armindo Araújo «numa prova com estas características não existirão grandes tácticas, porque temos de entrar ao ataque e manter o ritmo até ao fim da sexta especial, porque a margem de erro é muito pequena, tanto mais que estamos perante uma prova nova, o que a torna ainda mais interessante».

Apesar de ser terceiro, Ricardo Teodósio (Skoda Fabia R5 Evo), campeão em título, sente que precisa de vencer para poder continuar a aspirar à manutenção do ceptro, o mesmo sucedendo a José Pedro Fontes (Citroen C3 R5) penalizado pelo mau resultado de Castelo Branco (10.º).

Consciente do facto, o campeão nacional não esconde que «não quero perder “o barco” e espero que, desta vez, corra tudo bem, numa prova que é nova para todos, que tem troços grande e rápidos, mas em escasso número, pelo que tem de ser feita sempre ao ataque».

Deste quarteto deverá sair o vencedor da prova transmontana, pois não é crível, pelo que se viu até agora, que Pedro Meireles (VW Golf GTi R5) e João Barros (Citroen C3 R5) tenham “argumentos” para entrar na luta pelos lugares do pódio,

PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA EM TRÁS-OS-MONTES

Criada em 2018, a terceira edição da Peugeot Rally Cup Ibérica arranca no Alto Tâmega, com 16 equipas, antes de rumar a Espanha, para o Rally Princesa de Asturias – Ciudad de Oviedo e regressar a Portugal para o Rallye Vidreiro Centro de Portugal – Marinha Grande, por não se saber onde será concluída, em consequência da anulação do RACC Catalunya/Rally de España, que devia fechar a temporada.

Face a esta decisão, resta aos responsáveis da Peugeot Rally Cup Ibérica encontrar uma quarta prova, de preferência em Espanha, e aí surgem como mais prováveis o Rali La Nucia e o Rali Comunidad de Madrid, havendo ainda a possibilidade de ser o Rali Montelongo, potencial candidato ao Campeonato da Europa, poder vir a ser escolhido.

Novidade é a nova “arma”, o “208 Rally4”, com a lista de inscritos a integrar Pedro Antunes, “totalista” da competição, Roberto Blach, vencedor da edição de 2018, Josep Bassas, campeão de Espanha da categoria R2, e Pedro Almeida, que brilhou em Roma, numa pravo do Campeonato da Europa, onde esteve a um passo da vitória, perdida num despiste na derradeira especial, e na Madeira, onde venceu entre as duas rodas motrizes, o que lhe permite chegar à prova de abertura com uma superior rodagem face à concorrência.

De assinalar que o vencedor do ano passado, o espanhol Daniel Berdomás (Citroen C3 R5) vai estar presente mas desta ao volante de um RC2.

LUCAS SIMÕES DEFENDE COMANDO NO CAMPEONATO NORTE

Vencedor das duas provas efectuadas (Ralis Serras de Fafe e Felgueiras e Mesão Frio), Lucas Simões (Mitsubishi Lancer VI) chega a Chaves com a moral em alta e disposto a manter e invencibilidade, com Gaspar Pinto (Mitsubishi Lancer VIII) e Fernando Peres (Mitsubishi Lancer IX) a perfilarem-se como os seus mais directos adversários, que, em caso de vitória,

A ESTRADA

A prova transmontana arranca no sábado (15.30), no Parque Nadir Afonso em Chaves, e, no primeiro dia de competição os concorrentes percorrem as especiais de Alto Tâmega (15,06 km – 16h10) e Chaves (18,72 km – 16h53) para regressarem ao local de partida (18h35).

No domingo, o arranque acontece às 9h00 e o itinerário integra uma dupla passagem pelas classificativas de Chaves/Boticas (19,40 km – 9h48 e 13h15), a mais extensa, e Boticas (14,23 km – 11h09 e 14h36), com a festa da chegada a acontecer às 15h39.

As equipas envolvidas no Campeonato Norte só cumprem a etapa de domingo, com o primeiro concorrente a arrancar para a prova cinco minutos depois do último do Campeonato de Portugal

Classificação dos campeonatos

PORTUGAL

PILOTOS – 1.º, Armindo Araújo, 88,94 pontos; 2.º, Bruno Magalhães, 87,31; 3,º, Ricardo Teodósio, 56,78; 4.º, José Pedro Fontes, 51,26; 5.º, Pedro Meireles, 29; 6.º, Miguel Correia, 24; 7.º, Manuel Castro, 20; 8.º, António Dias, 18; 9.º, João Barros, 13; 10.º, Paulo Neto, 12. Estão classificados mais cinco pilotos.

NAVEGADORES – 1.º, Carlos Magalhães, 86,38; 2.º, Luís Ramalho, 85,94; 3,º, José Teixeira, 52,78; 4.º, Inês Ponte, 45,64; 5.º, Mário Castro, 27; 6.º, Vítor Calado, 24,55; 7.º, Pedro Alves, 20; 8.º, Ricardo Cunha, 20; 9.º, Alexandre Ramos, 15; 10.º, Jorge Henriques, 13. Estão classificados mais cinco navegadores.

MARCAS – 1.º, Skoda, 133 pontos; 2.º, Hyundai, 74; 3.º, Citroen, 73

EQUIPAS – 1.º, Sports & You, 121 pontos; 2.º. ARC Sport, 91; 3.º, The Racing Factory, 88; 4.º, Racing 4you, 51; 5.º, Domingos Sport, 28; 6.º, Inside Motor, 12; 7.º, Prolama, 5

NORTE

PILOTOS – 1.º, Lucas Simões, 55,67 pontos; 2.º, Gaspar Pinto, 25,63; 3,º, Miguel Teixeira, 24; 4.º, Fernando Peres, 20,63; 5.º, Augusto Costa, 17; 6.º, Rui Guedes, 14; 6.º, José Adriano Costa, 14; 8.º, Tiago Caetano, 12; 9.º, Héldet Miranda, 12; 10.º, José Carlos Magalhães, 10. Estão classificados mais 20 pilotos.

NAVEGADORES – 1.º, Simplício Gonçalves, 56,30; 2.º, Bernardo Gusmão, 27,63; 3,º, Vítor Pereira, 26; 4.º, Susana Silva, 20; 5.º, Tiago Ferreira, 17; 6.º, Luís Boiça, 14; 7.º, Rui Teixeira, 14; 8.º, João Magalhães, 12; 9.º, Hugo Marques, 12; 10.º, Afonso Gonçalves, 10. Estão classificados mais 14 navegadores.

VENCEDORES DO RALI ALTO TÂMEGA

As nove edições do Rali Alto Tâmega, pontuável para o Campeonato de Portugal, tiverem os seguintes vencedores

ANO EQUIPA CARRO
     
1983 António Rodrigues/José Cotter Opel Ascona 400
1984 Joaquim Moutinho/Edgar Fortes Renault 5 Turbo “Tour de Corse”
1985 Joaquim Moutinho/Edgar Fortes Renault 5 Turbo “Tour de Corse”
1986 Joaquim Santos/Miguel Oliveira Ford RS 200
1987 Joaquim Santos/Miguel Oliveira Ford Sierra Cosworth
1988 José Miguel/Ricardo Caldeira Ford Sierra Cosworth
1989 Joaquim Santos/Miguel Oliveira Ford Sierra Cosworth
1990 Carlos Bica/Fernando Prata Lancia Delta Integrale 16V
1991 José Miguel/Luís Lisboa Ford Sierra Cosworth

NÚMERO DE VITÓRIAS

PILOTOS

3 – Joaquim Santos

2 – José Miguel Joaquim Moutinho

1 – Carlos Bica, António Rodrigues

NAVEGADORES

3 – Miguel Oliveira

2 – Edgar Fortes

1 – Ricardo Caldeira, José Cotter, Luís Lisboa, Fernando Prata

MARCAS

5 – Ford (Sierra Cosworth, 4; RS 200, 1)

2 – Renault (5 Turbo “Tour de Corse”, 2)

1 – Lancia (Delta Integrale 16V, 1); Opel (Ascona 400, 1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: