Azar voltou a perseguir Filipe Albuquerque…

Um problema no sensor do acelerador para o trio do Oreca #22 fez cair os pilotos para o último lugar e não conseguiram recuperar o “tempo perdido”. Depois de terem partido da “pole position” os pilotos da equipa da United Autosports terminaram a prova em Monza no 13.º lugar.

(auto.look2010@gmail.com)

Filipe Albuquerque e os seus companheiros de equipa na United Autosports, Phil Hanson e Will Owen, arrancaram para as 6 Horas de Monza, pontuáveis para o Campeonato do Mundo de Resistência, da primeira posição entre os LMP2. No entanto, bastou um problema no sensor do acelerador para o trio do Oreca #22 cair para último e não conseguir recuperar, terminando a prova no 13.º lugar.

A malapata continua para Filipe Albuquerque sem que este consiga de uma vez por todas virar o jogo a seu favor: «Nem sei o que dizer. Começamos sempre bem, da linha da frente, mas há sempre alguma coisa a acontecer para nos impedir de conseguir traduzir o nosso andamento em resultados efetivos», começou por referir o piloto de Coimbra.

«Desta vez foram problemas no acelerador, que aconteceu logo após a uma situação de “safety-car”. Estávamos todos muito juntos e fomos para último. Quando a sorte não nos acompanha, não há nada a fazer», explicou o experiente piloto conimbricense.

Filipe Albuquerque estava ciente que pouco haveria a fazer em termos de campeonato, mas mantinha a ambição de até ao final da época conseguir pelo menos subir ao pódio: «Não nos basta as “poles positions”, queremos mais que isso. E sabemos que temos tudo para o conseguir. Mas o azar não nos anda a dar tréguas. Claro que não vamos deitar a toalha ao chão. Há mais duas corridas e vamos continuar a dar o nosso melhor», referiu Filipe Albuquerque.

O FIA WEC regressa a 8 e 9 de setembro para as 6 horas de Fugi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.