Arrábida no regresso das emoções da Montanha

Ultrapassados os três meses de defeso provocado pela pandemia da Covid-19, o Campeonato de Portugal de Montanha JC Group tem o seu recomeço marcado para o último fim-de-semana de Junho. A Serra da Arrábida será o palco da segunda prova da temporada, sendo grande a expectativa para este regresso tão ansiado.

(auto.look2010@gmail.com)

Vai caber ao Clube de Motorismo de Setúbal as honras de reabertura do Campeonato de Portugal de Montanha (CPM) JC Group 2020. A 27 e 28 de Junho, a Rampa PêQuêPê Arrábida acolherá a caravana da Montanha, após este longo interregno, que dura já desse o início de Março. Então, a Rampa Porca de Murça foi o cenário do arranque de uma época que, logo após, viu a sua continuidade em risco, a exemplo de toda a actividade desportiva, devido ao confinamento imposto para combater o surto pandémico.

Esta retoma dá-se, após decisão governamental e vai obedecer a um conjunto de normas e restrições vincadas, conforme o disposto na Orientação 030/2020 emanada pela Direcção Geral de Saúde e do Plano de Contingência elaborado e aprovado pela Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK), para aplicação em todas as provas.

Depois da Arrábida, o CPM JC Group rumará ao Caramulo, para, a 25 e 26 de Julho, disputar a rampa organizada pelo Targa Clube, nessa mítica serra beirã. Em Setembro, será tempo de regressarmos a Trás-os-Montes, para a Rampa de Boticas, que será disputada nos dias 26 e 27.

Outubro apresenta-se como o único mês com duas jornadas. A Rampa Covilhã Serra da Estrela, a cargo do CAMI, tem marcação para os dias 10 e 11, com o campeonato a ter o seu fecho aprazado para terras vimaranenses. Sob a batuta do Demoporto, será na Rampa da Penha Paisagem protegida que o campeonato se decidirá e verá cair o pano sobre a sua actividade competitiva.

Do calendário saem a Rampa Internacional de Boticas e a Rampa de Santa Marta, ambas devido à crise pandémica. A prova transmontana, que preconizava uma das duas passagens previstas do campeonato por aquele traçado. O evento, organizado pelo Demoporto e que, pela primeira vez, integrava o calendário do Europeu de Montanha, transitou para 2021, mantendo o seu estatuto internacional.

As alterações de calendário, forçaram a mudanças no Regulamento Desportivo. Assim, conforme alteração do Art.º 2.1., será necessário disputar pelo menos três provas, para que os Campeonatos e Taças sejam validados. Com Porca de Murça homologada, terão de ser efectuadas duas das cinco provas previstas nesta segunda fase do campeonato, para que tal seja garantido.

Por outro lado, a diminuição para seis provas na época, faz com que, para efeitos de classificação final, contem os cinco melhores resultados dos seis possíveis. No caso de não se realizarem as todas provas agora previstas, por cada prova não realizada será considerada menos uma.

Para efeito de pior resultado não serão considerados uma não participação, ou seja, não será considerada qualquer prova onde o condutor não tenha ultrapassado a linha de partida de uma das subidas oficiais de prova. Considera-se subida oficial os três treinos cronometrados e as três subidas de prova.

O arranque da época na Rampa Porca de Murça augurava um ano com um aumento de participantes. Na prova inicial foram cinco dezenas e meia (recorde para a prova do CAMI) que compareceram à partida, sendo ainda de realçar um reforço da já grande qualidade do parque de viaturas, quebrando ainda aos recordes de público presente.

Neste capítulo, as restrições impostas pelo combate à pandemia, irão limitar profundamente, este impacto e a relação muito familiar que este campeonato tem com os seus aficionados e, até ao arranque da prova setubalense, existe ainda alguma incógnita quanto aos pilotos que darão continuidade à sua época desportiva.

No entanto, foram já muitos os que, quer nas redes sociais, quer em entrevistas a órgãos de comunicação social, confirmaram a continuidade, sendo por isso previsível que vamos ter um campeonato rico e com muita competição.

Na liderança da Geral do campeonato e da Categoria Protótipos está José Correia. O patrão e piloto do JC Group Racing Team levou o seu Osella à vitória em Murça, no que foi o primeiro triunfo absoluto da sua carreira.

Vítor Pascoal (Porsche 991 GT3) é o líder entre os GT, enquanto Joaquim Teixeira (Cupra TCR) chega à Arrábida no comando da Categoria Turismo. Luís Silva (BMW M3) é o comandante na Categoria Legends, enquanto Flávio Saínhas assume a mesma primazia nos Clássicos. Na TPM 1300, Francisco Milheiro (Peugeot 106) é o líder, o mesmo sucedendo com Domingos Fernandes (Autobiachi A112) nos clássicos com a mesma cilindrada.

CALENDÁRIO ACTUALIZADO

Campeonato Portugal de Montanha JC Group

27 e 28 de Junho – Rampa Pêquêpê Arrábida

25 e 26 de Julho – Rampa do Caramulo

26 e 27 de Setembro – Rampa de Boticas

10 e 11 de Outubro – Rampa Serra da Estrela

24 e 25 de Outubro – Rampa da Penha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: