André Villas-Boas: “Estou a viver um sonho”

O técnico de futebol confessou que, além da participação no Campeonato Norte de Ralis, em Vieira do Minho, em Abril, não teve grandes oportunidades para testar o carro.

(auto.look2010@gmail.com)

O treinador português André Villas-Boas confessou hoje estar a “viver um sonho” com a participação como piloto no Rali de Portugal, ao volante de um Citroën C3 Rally2 vincando o objectivo de «conseguir terminar a corrida».

«Ainda hoje estava no “shakedown” e comentava com o meu co-piloto que parecia impossível estamos no Rali de Portugal. Estou a viver um sonho, e, apesar de me confrontar com minha veia competitiva do futebol, também tenho uma parte sensata, de piloto amador, que me obriga a ir com segurança, para conseguir terminar a corrida», disse André Villas-Boas.

O técnico confessou que, além da participação no Rali de Viera do Minho, em Abril, não teve grandes oportunidades para testar o carro, partilhando a estratégia que irá seguir durante a corrida: «No primeiro dia, nas etapas do centro, vamos tentar ir com mais cuidado. Mas depois, já na zona norte, que conheço melhor, vou arriscar mais um pouco. O importante é levar o carro até ao fim e percorrer todas as etapas para dar visibilidade à “Race For Good”, a fundação de solidariedade social que estou a representar», disse André Villas-Boas.

Confessando ser um fã incondicional do desporto motorizado, também por influência familiar, André Villas-Boas vincou, ainda assim, que o seu futuro profissional será no futebol, e que esta participação numa prova do Mundial de Ralis «será uma experiência única».

«Os automóveis são minha paixão, mas o futebol é minha profissão. O mercado dos treinadores, por enquanto, está um pouco louco, vamos ver o que acontece a partir deste mês. Certo é que quando estiver longe dos relvados estarei a competir nos carros. É o que me acalma do stress do futebol. As provas todo-o-terreno estão mais no sangue, os ralis são muito mais difíceis», confessou o treinador.

André Villas-Boas partilhou ainda que já teve oportunidade de oferecer ao actual campeão do mundo, Sébestian Ogier, uma camisola do Marselha, o último clube que o treinador orientou, e do qual o piloto francês é fã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *