Altitude no México pode ser determinante

O México, no contexto teórico, favorece a Red Bull, em parte devido à altitude e à força da Honda em tais condições. Em Austin, Max Verstappen assegurou a “pole position” e ganhou num traçado em que a Mercedes dominava.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

O Campeonato do Mundo da Fórmula 1 está de regresso ao Autódromo Hermanos Rodriguez, situado na Cidade do México, onde, do ponto de vista teórico, por causa da altitude, que penaliza a Mercedes, o neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda) tem hipótese de aumentar os 12 pontos de avanço sobre o inglês Lewis Hamilton (Mercedes).

À partida é de esperar mais um episódio do duelo que vêm travando, ao longo de uma das mais emotivas temporadas, com o holandês a sentir que está cada vez mais perto de entrar na lista dos campeões do Mundo e o inglês a tudo fazer para conservar o titulo que é seu desde 2014, com excepção de 2016, quando o finlandês Nico Rosberg, seu colega de equipa, o conseguiu bater, depois de um primeiro título conquistado em 2008.

Para Lewis Hamilton há, ainda, a motivação extra de tornar-se o piloto com mais títulos mundiais, desempatando a igualdade que tem, nesse capítulo, com o alemão Michael Schumacher, cujos resultados tem batido de forma esmagadora.

Só que este ano, Max Vertappen tem sido “um osso duro de roer, como consequência do aumento da maturidade e da eficácia revelada pelo RB16B, que tem sido, em muitos casos, mais competitivo que o W12.

E tudo poderá decidir-se numa eventual troca de motores, que obrigue, como já sucedeu, um dos dois a largar do fundo da grelha e a perder pontos preciosos, numa altura em que há cada vez menos hipóteses de os recuperar.

Interessante será, também, o duelo dos seus escudeiros, o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) e o mexicano Sergio Perez (Red Bull/Honda) pois os seus resultados serão determinantes na decisão do “Mundial “ de Construtores, com a Mercedes a chegar ao México com 23 pontos de vantagem sobre a Red Bull.

E se, do ponto de vista teórico, Max Verstappen e Lewis Hamilton não serão incomodados no seu duelo, já os seus companheiros de equipa terão de preocupar-se com os homens da Ferrari e da McLaren, equipas que lutam pelo derradeiro lugar do pódio entre os construtores e que estão separadas por 3,5 pontos.

O monegasco Charles Leclerc e o espanhol Carlos Sainz, do lado de Maranello e o inglês Lando Norris e o australiano Daniel Riccardo, do lado da equipa de Woking, podem baralhar as contas do título de construtores em função dos pontos que roubarem à Mercedes e Red Rull, pelo que a corrida mexicana promete muita emoção, num traçado rápido e onde o entusiasmo do público contribui para o espectáculo.

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º, Max Verstappen, 287,5 pontos; 2.º, Lewis Hamilton, 275,5; 3.º, Valtteri Bottas, 185; 4.º Sérgio Perez, 150; 5.º, Lando Norris, 149; 6.º, Charles Leclerc, 128; 7.º, Carlos Sainz, 122,5; 8.º, Daniel Ricciardo, 105; 9.º, Pierre Gasly, 74; 10.º, Fernando Alonso, 58; 11.º, Esteban Ocon, 46; 12.º, Sebastian Vettel, 36; 13.º, Lance Stroll, 26; 14.º, Yuki Tsunoda, 20; 15.º, George Russell, 16; 16.º, Nicholas Latifi, 7; 17.º, Kimi Raikkonen, 6; 18.º, Antonio Giovinazzi, 1;

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 460,5 pontos; 2.º, Red Bull Racing Honda, 437,5; 3.º, McLaren F1 Team, 254; 4.º, Scuderia Ferrari Mission Winnow, 250,5; 5.º, Alpine Renault, 104; 6.º, Scuderia Alpha Tauri Honda, 94; 7.º, Aston Martin Cognizant F1 Team, 62; 8.º, Williams Mercedes, 23; 9.º, Alfa Romeo Racing Ferrari, 7.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *