Alexandre Borges vence Guarda Racing Days

A cidade mais alta de Portugal rendeu-se à iniciativa inédita do Clube Escape Livre. Lutas titânicas por entre a multidão ficaram seladas com o triunfo do jovem piloto de Nelas aos comandos de um Semog Bravo, desfeiteando na finalíssima as pretensões de Manuel Correia, em Mitsubishi Evo

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt) Fotos: LUÍS COSTA / NEWSMOTORSPORTS

Um mar de gente aplaudiu de pé a vitória de Alexandre Borges na edição inaugural do Guarda Racing Days. Depois de ultrapassar um excelente lote de adversários, muitos dos quais campeões nacionais, o piloto de Nelas “voou” literalmente no seu Semog Bravo para um triunfo sem mácula. Aliás, Alexandre Borges vestiu a pele de “actor” principal desde a sua primeira aparição e pista, rubricando quase sempre os melhores tempos em treinos e provas, pelo que a sua cotação nas “apostas” estavam elevadas, tal e qual como a cidade que acolheu este singular evento.

Depois do apuramento, nas duas mangas competitivas, dos 30 pilotos que chegaram ao fim sem avarias ou desistências, a primeira semi-final foi disputada entre as categorias A (ralis) e C (Off Road). Fernando Peres e Alexandre Borges perfilaram-se no traçado a roçar o urbano para uma esgrimir de argumentos presenciada por cerca de 7 mil pessoas.

Os dois pilotos deram tudo por tudo para chegar ao tão desejado lugar da final. Fernando Peres e Alexandre Borges cerraram os dentes e “entoaram” uma “melodia” arrebatadora entre a terra e o asfalto. Os dois pilotos cruzaram a linha de chegada e, após cerca de 1,5 quilómetros, o vencedor “saltou” para a final por um décimo de segundo de vantagem. Alexandre Borges assinou o registo de 2m49.978s para gáudio da equipa proveniente de Nelas.

Na segunda meia-final alinharam os vencedores das categorias B (Todo-o-Terreno) e D (SSV). Manuel Correia (Mitsubishi Evo) e Armindo Araújo (Can-Am) apresentaram-se à partida dispostos a conquistar um espaço de eleição na final. No entanto, e contra todas as previsões e prognósticos, o campeão nacional de ralis em título, Armindo Araújo, viu-se forçado a abandonar com problemas na caixa de direcção logo nos primeiros metros do traçado.

Um desfecho inglório para o piloto de Santo Tirso, mas que Manuel Correia aproveitou todos os centímetros de pista para dar espectáculo e avançar, sem apelo nem agravo, para a finalíssima, registando 3m04.188s.

Na finalíssima, e contra aa previsão de Alexandre Borges, que minutos antes tinha apostado nos “cavalos” do Cam-Am de Armindo Araújo para disputar o “tira-teimas”, teve de enfrentar a “manada” do potentíssimo Mitsubishi Evo de Manuel Correia.

A julgar pelos tempos das semi-finais, a bolsa de valores pendia para o piloto de Nelas, mas o bracarense não estava ali para se curvar ao facilitismo. As regras do “jogo” foram cumpridas à risca e, quem ficou a ganhar, foi, naturalmente, o público. Os espectadores e Alexandre Borges que “executou” um conjunto de manobras condizentes com as especificações e leveza do seu Semog Bravo para lograr a vitória.

Não se julgue, no entanto, que foi uma luta inglória entre os dois excelentes finalistas. Pelo contrário. Obviamente que nesta luta de “leves” e “pesados” beneficiou o primeiro, mas Manuel Correia presenteou o público com muito espectáculo, face ao peso potência da sua “montada”. O “foguete de Nelas, Alexandre Borges, com o tempo de 2m52,789s,“estoirou” com as “reivindicações” do endiabrado Manuel Correia, um bracarense talhado para o espectáculo, que saiu da Guarda com o segundo lugar, com o registo de 3m03.781s. Foram 11 segundos de diferença, embora os dois pilotos tenham desempenhado as suas funções de forma muito equivalente para “agarrar” o público até ao fim, levando-o mesmo a “espraiar-se” até ao pódio para aplaudir os vencedores das quatro diferentes categorias, o vencedor global e os vencidos.

Uma festa do automobilismo com rótulo de excelência e que já deixou saudades pelo convívio proporcionado. A julgar pelos discursos finais, quer dos responsáveis pelo Clube Escape Livre, na pessoa do presidente Luís Celínio, do presidente da Câmara Municipal da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, e de todos os protagonistas que ajudaram a elevar ainda mais alto a cidade egitaniense, a segunda edição do Guarda Racing Days deverá surgir para o ano ainda com maior fulgor.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação