Alemã Mercedes sem oposição na Bélgica

Lewis Hamilton venceu o Grande Prémio da Bélgica em Fórmula 1 e consolidou ainda mais a sua liderança no mundial de pilotos. O inglês da Mercedes partiu da “pole position” e conseguiu ganhar em Spa-Francorchamp com 8,448 segundos de vantagem sobre o finlandês e companheiro de equipa, Valtteri Bottas.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

A Mercedes continua a exibir a sua superioridade, com o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) a vencer pela quinta vez, em sete corridas, esta temporada, depois de comandar a corrida do primeiro ao último metro, e com o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) a assegurar o segundo lugar, depois dos “flechas pretos” terem “passeado” pelo traçado de Spa-Francorchamps, onde a chuva, que estava anunciada e podia ter trazido alguma emoção à corrida, esteve ausente.

Apesar da vitória, o inglês confessava que «não foi uma corrida fácil, porque tive problemas de vibração e com a temperatura a descer os pneus perderam eficácia e fiquei nervoso, porque parecia que estava de novo em Silverstone, com problemas nos pneus dianteiros»

Como tem sido habitual, o holandês Max Verstappen (Red Bull/Honda), terceiro na grelha, limitou-se a seguir os homens da Mercedes e completou o pódio, à frente do francês Daniel Ricciardo (Renault) que arrecadou o ponto destinado à volta mais rápida, na derradeira passagem pela meta, numa altura em que os três homens da frente só queriam “salvar” os pneus, para não lhes suceder o mesmo que acontecera na primeira corrida em Silverstone.

Aliás os quatro primeiros à partida, mantiveram as posições até à bandeira de xadrez, com o francês Esteban Ocon (Renault) a conseguir, na última volta, ultrapassar o inglês Alexander Albon (Red Bull/Honda), algo que o inglês Lando Norris (McLaren/Renault) não conseguiu, com o francês Pierre Gasly (Alpha Tauri/Honda), autor de uma excelente corrida, prejudicada pela entrada do “Safety Car”, a colocar em causa a opção pelos pneus duros, na fase inicial da corrida, o canadiano Lance Stroll (Racing Point/Mercedes) e o mexicano Sérgio Perez (Racing Point/Mercedes) a completarem o lote dos pilotos que terminou nos lugares pontuáveis.

Mais um dia para esquecer para a Ferrari, apesar do monegasco Charles Leclerc (Ferrari) ter começado bem, ao “saltar” de 13.º para nono na primeira volta, mas depois começou a andar para trás, para terminar em 14.º, atrás do seu colega de equipa, o alemão Sebastian Vettel (Ferrari).

E a situação é tão complicada que o melhor classificado, de todos os que usam unidades motrizes produzidas em Maranello, foi o finlandês Kimi Raikkonen (Alra Romeo/Ferrari), 12.º, à frente dos dois carros da equipa oficial.

De assinalar que o espanhol Carlos Sainz (McLaren/Renault) deixou o sétimo lugar da grelha vazio, por problemas detectados na unidade motriz, que não puderam ser resolvidos e o reduziram à posição de espectador.

A corrida seria marcada pelo acidente que envolveu o italiano Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo/Ferrari) e o inglês George Russell (Williams/Mercedes) felizmente sem consequências para os pilotos.

Tudo começou no despiste do italiano, com o Alfa Romeo a bater nas barreiras de protecção e a espalhar destroços pelo asfalto, com uma das rodas a acertar no Williams do inglês, o que obrigou à entrada do “Safey Car”, com quase todos os pilotos a aproveitarem para dirigirem-se às “boxes” e trocar de pneus.

FICHA DA PROVA

Grande Prémio – Rolex Belgium Grand Prix

Circuito – Spa-Francorchams

Extensão – 308,052 km = 44 x 7,004 km

“Pole position” – Lewis Hamilton (Mercedes W11/Mercedes), 1 volta (7,004 km), em 1’41,252” (249,026 km/h)

Grelha de partida1.ª linha: Lewis Hamilton (Mercedes W10/Mercedes), 1’41,252”; Valtteri Bottas (Mercedes W10/Mercedes), 1’41,763”; 2.ª linha: Max Verstappen (Red Bull RB16/Honda), 1’41,778”; Daniel Ricciardo (Renault RS20/Renault), 1’42,061”; 3.ª linha: Alexander Albon (Red Bull RB16/Honda), 1’42,264”; Esteban Ocon (Renault RS20/Renault), 1’42,396”; 4.ª linha: Carlos Sainz (McLaren MCL35/Renault), 1’42,438”; Sergio Perez (Racing Point RP20/Mercedes), 1’42,532”; 5.ª linha: Lance Stroll (Racing Point RP20/Mercedes), 1’42,603”; Lando Norris (McLaren MCL35/Renault), 1’42,657”; 6.ª linha: Daniil Kvyat (Alpha Tauri AT01/Honda), 1’42,730”; Pierre Gasly (Alpha Tauri AT01/Honda), 1’42,745”; 7.ª linha: Charles Leclerc (Ferrari SF1000/Ferrari), 1’42,996”; Sebastian Vettel (Ferrari SF100/Ferrari), 1’43,261”; 8.ª linha: George Russell (Williams FW43/Mercedes), 1’43,468; Kimi Raikkonen (Alfa Romeo C39/Ferrari), 1’43,743; 9.ª linha: Romain Grosjean (Haas VF-20/Ferrari), 1’43,838”; Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo C39/Ferrari), 1’43,950”; 10.ª linha: Nicholas Latifi (Williams FW43/Mercedes), 1’44,138”; Kevin Magnussen (Haas VF-20/Ferrari), 1’44,314”

Comandantes sucessivos – Lewis Hamilton, da 1.ª à 44.ª volta

Volta mais rápida – Daniel Ricciardo (Renault RS20/Renault), 1 volta (7,004 km), em, 1’47,483” (234,589 km/h)

Vencedor – Lewis Hamilton (Mercedes W11/Mercedes), 44 voltas (308,052 km), em 1.24’08,761” (219,655 km/h)

CLASSIFICAÇÃO

POS. PILOTO CARRO MOTOR TEMPO
         
1.º Lewis Hamilton Mercedes W11 Mercedes 1.24’08,761″
2.º Valtteri Bottas Mercedes W11 Mercedes a 8,448″
3.º Max Verstappen Red Bull RB16 Honda a 15.455″
4.º Daniel Ricciardo Renault RS20 Renault a 18,877″
5.º Esteban Ocon Renault RS20 Renault a 40,650″
6.º Alexander Albon Red Bull RB16 Honda a 42,712″
7.º Lando Norris McLaren MCL35 Renault a 43,774″
8.º Pierre Gasly Alpha Tauri AT01 Honda a 47,371″
9.º Lance Stroll Racing Point RP20 Mercedes a 52,603″
10.º Sergio Perez Racing Point RP20 Mercedes a 53,179″
11.º Danill Kvyat Alpha Tauri AT01 Honda a 1’10,200″
12.º Kimi Raikkonen Alfa Romeo C39 Ferrari a 1’11,504″
13.º Sebastian Vettel Ferrari SF1000 Ferrari a 1’12,894″
14.º Charles Leclerc Ferrari SF1000 Ferrari a 1’14,920″
15.º Romain Grosjean Haas VF-20 Ferrari 1 1’16,793″
16.º Nicholas Latifi Williams FW 43 Mercedes a 1’17,795″
17.º Kevin Magnussen Haas VF-20 Ferrari a 1’25,540″

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º, Lewis Hamilton, 157 pontos; 2.º, Max Verstappen, 110; 3.º, Valtteri Bottas, 107; 4.º, Alexander Albon, 48; 5.º, Charles Leclerc, 45; 6.º, Lando Norris, 45; 7.º, Lance Stroll, 42; 8.º, Daniel Ricciardo, 33; 9.º Sérgio Perez, 33; 10.º, Esteban Ocon, 26; 11.º, Carlos Sainz, 23; 12.º, Pierre Gasly, 18; 13.º, Sebastian Vettel, 16; 14.º, Nico Hulkenberg, 6; 15.º, Antonio Giovinazzi, 2; 16.º, Daniil Kvyat, 2; 17.º, Kevin Magnussen, 1

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 264 pontos; 2.º, Aston Martin Red Bull Racing, 158; 3.º, McLaren F1 Team, 68; 4.º, BWT Racing Point F1 Team, 66; 5.º, Scuderia Ferrari, 61; 6.º, Renault DP World F1 Team, 59; 7.º, Scuderia Alpha Tauri Honda, 20; 8.º, Alfa Romeo Racing ORLEN, 2; 9.º, Haas F1 Team, 1

Próxima prova – Gran Premio Heineken D’Italia, no Circuito de Monza, dia 6 de Setembro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: