Filipe Albuquerque no “Pátio do Conhecimento”

Piloto de Coimbra não é caloiro nem finalista de Matemática, mas desenhou a “régua e esquadro” a atípica temporada de 2020. Garantidas vitórias e títulos, Filipe Albuquerque esteve na Universidade da sua terra natal mostrar as “notas” do brilhante exame no ELMS…

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Encontrar adjectivos para classificar o ano cintilante de Filipe Albuquerque é como achar uma agulha num palheiro. O experiente piloto de Coimbra viajou de país para país, passou por infindáveis “torturas” nos aeroportos aquando submetido aos mais exigentes testes como se fossem passaportes para chegar aos destinos as provas, coleccionado “poles positions”, vitórias e títulos.

Pese embora a constante azáfama pelos ares e a roda-viva pelo asfalto dos circuitos, foi em Coimbra que Filipe Albuquerque encontrou a “bateria” recomendável para retemperar energias e encarar lutas intensas e colossais. Para as provas de resistência é preciso ser resistente a quanto obrigas e, o conimbricense, soube sempre estar à altura.

De facto, Filipe Albuquerque foi surpreendente a todos os níveis. Em Monza, o conimbricense celebrizou um rasto de excelência que culminou com a conquista de Campeão Europeu do European Le Mans Series (ELMS), título que acumula ao de Campeão do Mundo e vencedor das 24 Horas de Le Mans na categoria LMP2. Simplesmente admirável.

O piloto português da formação britânica United Autosports, que no Autódromo Internacional do Algarve selou a participação do ELMS na versão 2020 na terceira posição, não embaciou absolutamente nada o seu singular carácter, até porque ajudou a equipa a garantir a dobradinha, face ao segundo lugar conquistado por Job Van Uitert, Alex Brundle e Will Owen no carro número 32.

Com o Autódromo Internacional do Algarve “despido” devido às novas medidas de restrição e combate à pandemia da Covid-19, o conimbricense Filipe Albuquerque não enjeitou a oportunidade para partilhar a felicidade com os seus conterrâneos e comunidade estudantil do ensino superior, levando o Oreca número 22 da United Autosports ao Pátio das Escolas da Universidade de Coimbra.

Numa operação também ela envolta em rígidas medidas de segurança impostas pela Direcção-Geral de Saúde, Filipe Albuquerque, ao trazer de novo a Coimbra o seu “escritório”, mostrando-o com orgulho e paixão, voltou a ter uma excelente actuação vincada pelo seu incontestável carácter e valor.

No “Pátio do Conhecimento”, ou seja, o Paço das Escolas anteriormente denominado Paço Real da Alcáçova e Alcáçova de Coimbra, conjunto arquitectónico que alberga o núcleo histórico da Universidade de Coimbra, o embaixador de Coimbra e do Clube Automóvel do Centro evidenciou classe, afectuoso e muita disciplina nesta notável “aula” ao ar livre.

«É sempre um gosto especial voltar a Coimbra com as viaturas de competição. Esta foi uma acção muito peculiar que, face à pandemia, obrigou a uma operação cuidada, sem descurar, todavia, o entusiasmo dos transeuntes, criando uma atmosfera muito própria dos desafios a que estamos habituados nos intervalos das competições», sustentou Filipe Albuquerque.

Esta acção, que só foi possível graças ao esforço e empenho conjunto da United Autosports, Filipe Albuquerque, Câmara Municipal de Coimbra e Universidade de Coimbra, visou assinalar o sucesso do piloto na sua cidade natal: «Numa altura em que em distanciamentos sociais são apenas uma má memória, as circunstâncias surgem com espontaneidade. Neste caso em particular, até nem foi muito difícil concretizar, dado que o nosso Oreca estava em Portimão e, por isso, foi só trazê-lo para Coimbra e criar um ambiente que propiciou a curiosidade das pessoas, deixando-me, em paralelo, bastante feliz, até porque sou um afortunado quando partilho a magia da competição com os meus amigos e conterrâneos».

A imaculada vitória nas 24 Horas de Le Mans, ao volante do Oreca da United Autosports, deixou o português Filipe Albuquerque e aos britânicos Phil Hanson e Paul di Resta com a conquista matemática do Campeonato do Mundo de Resistência na classe LMP2. Para que o título seja efectivo, basta ao piloto de Coimbra e os companheiros de equipa só terão de alinhar à partida da última prova, no Bahrain. As 8 Horas de Bahrain é a competição de viaturas de resistência que se segue agendada para o próximo dia 14 de Novembro, como a oitava e última rodada do Campeonato Mundial de Resistência da FIA

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: