AHETA espera que a Fórmula 1 tenha público

A 18.ª edição de Fórmula 1 Heineken GP de Portugal foi hoje confirmada e vai decorrer a 2 de Maio, no Autódromo Internacional do Algarve, nos arredores da cidade de Portimão.

(auto.look2010@gmail.com)

A principal associação hoteleira do Algarve reagiu com «muita satisfação» ao anúncio da inclusão de Fórmula 1 Heineken Grande Prémio de Portugal no Mundial da especialidade e disse esperar que a prova possa já ter público nas bancadas.

Numa reacção ao anúncio feito hoje pela organização de que a Fórmula 1 Heineken GP de Portugal se realiza no Autódromo Internacional do Algarve (AIA), em Portimão, em 2 de Maio, o presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas, destacou também a importância da realização da prova para a promoção turística do país como destino seguro durante a recuperação da pandemia da Covid-19.

«Vemos a Fórmula 1 em Portimão naturalmente com muita satisfação. Trata-se de uma decisão que é muito positiva para a região e o país e insere-se naquela estratégia que sempre defendemos de a região precisar de meia dúzia de grandes eventos que possam gerar fluxos turísticos importantes, por um lado, e por outro funcionar como meio privilegiado de promoção da região no exterior», afirmou o presidente da AHETA.

Elidérico Viegas considerou que esta é uma prova que «deve ser institucionalizada e ter lugar todos os anos» durante um «período de cinco a seis anos» e disse que a AHETA «espera vivamente que, este ano, possa haver espectadores nas bancadas».

«Isso, obviamente, daria à prova outro brilhantismo e, por outro lado, daria à região um aumento de procura interessante para esse período», argumentou o dirigente da associação empresarial algarvia, frisando que, se não houver público, a prova servirá «sobretudo como um meio privilegiado para promover e divulgar a região, atendendo à cobertura mediática internacional e à notoriedade» que tem.

O presidente da AHETA explicou que uma eventual presença de público no autódromo de Portimão «atrai um número muito importante de espectadores internacionais» e considerou que «isso seria bom para os hotéis» e teria um efeito «alargado a toda a região», enquanto a ausência de espectadores nas bancadas apenas «beneficiaria as zonas de Portimão, Alvor e Lagos», as mais próximas do Autódromo Internacional do Algarve.

«Seria bom para as estadias curtas nesse período em toda a região, que acabaria por ser envolvida, embora aqueles que estão mais perto do autódromo tivessem mais procura. No caso de não ter espectadores, isso beneficiaria sobretudo os hotéis daquela zona, uma vez que podem contar apenas com as equipas, “sponsors” e jornalistas», justificou.

Elidérico Viegas disse que «2020 foi um ano desastroso para o turismo e os hotéis e empreendimentos» do Algarve devido aos efeitos da pandemia da Covid-19 no turismo e advertiu que «2021 não está melhor», com as «perspectivas» a serem «mais ou menos idênticas às do ano passado», a preverem apenas uma «procura interna para os meses de Verão» e a apontarem para uma procura externa «meramente residual», porque «antes do Verão a situação sanitária não estará resolvida».

A mesma fonte salientou que «não se espera antes de Setembro uma vacinação substancial da população ao ponto de ter a imunidade de grupo» e lembrou que este passo é «fundamental» para «induzir confiança aos turistas» e «também aos países de origem», que vão «continuar a impor restrições à saída dos seus cidadãos para países que não ofereçam garantias de segurança».

«Precisamos de, à medida que as restrições vão sendo levantadas, recuperar a confiança do nosso destino, que foi muito afectado nos últimos tempos pelo facto de o nosso país ter tido maus desempenhos – eu diria o pior desempenho em todo o mundo e na Europa – em matéria de protecção e do número de infecções», considerou, alertando que isso «irá demorar algum tempo».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *